×
Por
EFE
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
9 de mar. de 2020
Tempo de leitura
2 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

COVID-19 provoca prejuízo de mais de 200 milhões de euros na indústria têxtil asiática

Por
EFE
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
9 de mar. de 2020

Segundo um relatório da ONU, o impacto do novo coronavírus no sudeste da Ásia será sentido especialmente no Vietname, Tailândia e Indonésia. A indústria têxtil só no Vietname emprega cerca de três milhões de trabalhadores.


EFE


O novo coronavírus está a revelar-se um duro golpe para a indústria têxtil em vários países do Sudeste Asiático, onde as perdas no sector podem chegar a cerca de 238 milhões de dólares (207 milhões de euros), especialmente no Vietname. O impacto na região deve-se, principalmente, à escassez de matérias-primas da China, epicentro do COVID-19 e principal fornecedor do sudeste da Ásia.

Os têxteis são um sector importante no sudeste da Ásia, que fabrica roupas para vários grupos estrangeiros, como o sueco H&M e o espanhol Inditex.

Segundo um relatório da ONU publicado no início de março, o impacto no sudeste da Ásia será sentido especialmente no Vietname (183 milhões de euros), Tailândia (14 milhões de euros) e Indonésia (10 milhões de euros).

A indústria têxtil do Vietname cresceu nos últimos anos e atualmente emprega cerca de três milhões de trabalhadores, e gera exportações de 39 biliões de dólares (34,5 biliões de euros), graças a alguns custos de produção mais baixos do que na China.

"95% das fábricas têxteis vietnamitas utilizam tecido chinês", disse à Efe David Lee, diretor de vendas da Phukhang Manufacture and Trading, uma empresa que trabalha com grandes marcas do Reino Unido e Espanha.

Na Birmânia, onde o sector emprega cerca de 500 mil trabalhadores, essa crise levou à demissão de mais de três mil pessoas, com o fecho permanente de sete fábricas, segundo informações do Ministério do Trabalho da Birmânia publicadas pela imprensa local.

No Camboja, a indústria têxtil, que emprega cerca de 700 mil trabalhadores e responde por 45% das exportações, também está a ser atingida pelo novo coronavírus e, segundo o Ministério do Trabalho, até o momento 10 fábricas suspenderam a produção, afectando cerca de três mil trabalhadores, mas é provável que a situação piore mais ainda.
 

© EFE 2021. Está expressamente proibida a redistribuição e a retransmissão do todo ou parte dos conteúdos dos serviços Efe, sem prévio e expresso consentimento da Agência EFE S.A.