×
279
Fashion Jobs
ADIDAS
Senior Controlling & Reporting Specialist (m/f)
Efetivo - CLT · PORTO
TIFFOSI
Area Manager (m/) - Zona Norte
Efetivo - CLT · Braga
ADIDAS
Buyer - Italian Speaker (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
JD SPORT
Stock Financial Controller
Efetivo - CLT · Alicante
M+RC NOIR
Production Manager
Efetivo - CLT · ESPOSENDE
JD SPORT
Demand Planner
Efetivo - CLT · Alicante
THE AMAZING FRENCH COLONY
Fashion Designer Assistant
Estágio · LISBOA
EMPRESA DE MODA NO SETOR DO LUXO
Vendedor/a de Loja de Gama Alta
Trabalho temporário · LISBOA
ELSA GOES GREEN
Business Development
Estágio · ERICEIRA
CH CAROLINA HERRERA
Vendedores Eci Lisboa (36 h)
Trainee · LISBOA
CONFIDENCIAL
Stylist (m/f)
Efetivo - CLT · PORTO
SALSA
Conseiller(es) de Vente Avenue 83 Toulon 30h
Efetivo - CLT · Toulon
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Eci Lisboa - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Lisboa
ADIDAS
Team Leader o2c Credit And Collections (m/ f) - German Speaker
Efetivo - CLT · Porto
PARFOIS
Interior Designer
Efetivo - CLT · PORTO
ADIDAS
Tax Accountant (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Senior o2c Credit And Collections Specialist (m/ f)
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Gbs Process Manager s2p (m/ f)
Efetivo - CLT · Porto
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Freeport - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Alcochete
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Oeiras Parque - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Oeiras
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Fórum Aveiro - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Aveiro
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Foz Plaza - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Figueira da Foz

Criação Jovem: Seis meses a enfrentar todos os perigos

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
24 de ago de 2020
Tempo de leitura
6 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

A pandemia de COVID-19 atingiu duramente a indústria da moda, especialmente os nomes emergentes, os jovens designers e as pequenas marcas. Alguns culparam o golpe, outros aproveitaram este estranho período para repensar o seu modelo de negócio. Longe de estarem fora de actividade, enfrentarão um período crucial. Aqui, damos uma visão geral.


Os criadoresmostram-se ansiosos com os próximos meses - Oliviertheyskens.com


Para muitos, o futuro será decidido nos próximos meses. Para alguns, este último período tem sido fatídico. Como a marca feminina Marios, fundada em 2001 pelo cipriota Mayo Loizou e o polaco Leszek Chmielewski. "Os últimos 10 anos têm sido devastadores para todos nós. Produzir, vender, ser pago... Tudo se tem tornado cada vez mais difícil. Temos passado mais tempo a resolver problemas do que a criar. A verdade é que a situação já era muito má antes do COVID-19, mas toda a gente fingia que de nada se tratava", confessa Mayo Loizou. A dupla decidiu congelar a marca, continuando a divulgar as suas peças apenas nas redes sociais, "porque o cliente final está sempre lá".
 
"A situação é claramente difícil para todas as marcas emergentes e independentes. De facto, três estações foram sacrificadas", observa Lucien Pagès, chefe da agência de comunicação com o seu próprio nome. "Isto representa mais de um ano de fluxo de caixa. Se não tiver o apoio de um parceiro, é difícil. As grandes casas têm a sua própria rede de distribuição, que controlam. Este não é o caso dos criadores independentes, que são completamente dependentes de jogadores intermediários. O COVID-19 foi um choque, por enquanto cíclico, não estrutural. Ainda é cedo para avaliar a situação. Há um risco de complicações no outono", acredita.

Para Serge Carreira, mentor da Emerging Brands Iniciative da Fédération de la Haute Couture et de la Mode (FHCM), "tudo será decidido nos próximos meses. Especialmente com o verão de 2021, que determinará a construção do futuro, após uma primeira vaga de cancelamentos de encomendas, mais ou menos importante em relação ao verão e ao inverno anteriores".


A marca italiana Marios está prestes a cessar a sua actividade - Marios.eu


"Embora muitos fossem apoiados durante o encerramento por vários tipos de ajuda, hoje em dia todos os criadores têm problemas de dinheiro e vai haver questões sobre como lidar com a produção e entrega durante o inverno. Como resultado, existem tensões. Mas, estes são problemas financeiros e não fracassos reais", alerta Carreira.

"Os criadores têm de ser capazes de sobreviver nos próximos meses. Se não tiverem colocado trabalho de lado, pode ser complicado", acrescenta por sua vez a consultora de luxo Patricia Lerat da PLC Consulting.
 
Com as pequenas e ágeis estruturas, algumas marcas jovens parecem estar melhor, como testemunha Arnaud Vaillant, co-fundador com Sébastien Meyer da Coperni, relançada no início de 2019: "Com a contenção, tomámos medidas e prestámos muita atenção aos gastos como garantia". Como resultado, a marca techno-chic feminina, apoiada pelo distribuidor Tomorrow, que lançou a sua loja electrónica pouco antes do confinamento, conseguiu manter as vendas estáveis.
 
Com a força da experiência passada, Olivier Theyskens, que relançou a sua marca no final de 2016, também jogou pelo seguro. "Fomos muito reactivos e conseguimos adaptar o nosso calendário de produção, evitando produzir certas peças encomendadas e depois canceladas. Para muitos, é uma tragédia, mas tomámos todas as medidas possíveis de antecipação", informa o designer. "Para o inverno, ainda prefiro esperar. Vamos ter de ser pacientes. O mais importante é abraçar a mudança e fazer todo o possível para evoluir".
 
O encerramento forçado de dois meses levou a maioria das marcas jovens a adoptar por uma abordagem mais concreta das mudanças que estão a ocorrer no sistema e no mercado da moda, como observa Serge Carreira: "Durante este período, os estilistas fizeram muitas perguntas a si próprios. Refizeram o seu modelo, a sua forma de fazer as coisas e tentaram projectar-se no futuro, acelerando a comunicação, as redes digitais e sociais. Isto levou muitos a irem mais fundo, reforçando os laços com os seus compradores, mas também pensando de forma diferente sobre o desenvolvimento das coleções".


Look do primeiro desfile da Coperni em fevereiro - PixelFormula


"Durante o encerramento, tivemos tempo para pensar no nosso modelo de negócio, ao mesmo tempo que nos aproximávamos da nossa comunidade. Fez-nos compreender que precisamos de ser fiéis a nós próprios, concentrar-nos nos nossos valores, ter uma melhor cabeça sobre os nossos ombros e uma melhor compreensão do mundo à nossa volta", desabafa Arnaud Vaillant.

Tal como muitas outras marcas, a Coperni irá agora concentrar-se em duas fortes propostas por ano. A mesma lógica para o designer italiano Lucio Vanotti: "Gostaria de fazer 10 peças para homens e outras tantas para mulheres, em diferentes variações, para construir uma coleção de carry-over, um pouco como uma empresa de design. Isto permitirá também que o mercado nos absorva melhor".
 
"Nas próximas semanas, os compradores não estarão à procura de novidades, mas estarão a reforçar os laços com as suas marcas históricas. Trarão no máximo uma ou duas marcas", diz Patricia Lerat. "Isto não impede que as marcas jovens considerem outros modelos, voltando a uma clientela local, visando um mercado mais pequeno com o qual crescerão, estando muito concentradas e posicionadas claramente com uma boa imagem".
 
Uma mensagem bem compreendida por Lucio Vanotti. "Antes, existiam demasiadas coleções e comunicação com uma bulimia de imagens, conteúdos e produtos. O COVID-19 obrigou-nos a espremer um pouco de tudo. O importante é compreender melhor os pontos fortes e desenvolvê-los ainda mais, cada um seguindo a sua própria chave artística", comenta o designer conhecido pela moda sem constrangimentos. Apoiado por um parceiro e distribuído principalmente no Japão, onde os distribuidores confirmaram e pagaram todas as suas encomendas, atravessou a crise sem demasiadas rupturas. Mas, também Vanotti está determinado a fazer evoluir o seu modelo.
 
"Prefiro investir mais online para atrair novos clientes. O ideal seria ter uma base de cerca de 60 revendedores, mesmo que seja pequena, mas leal, o que me permitiria continuar o meu negócio e, para além disso, ter sucesso no desenvolvimento das vendas diretas", acrescenta.


Lucio Vanotti quer apostar em 20 modelos por estação - luciovanotti.com


Reequilibrar os seus recursos, estando menos dependente da rede de distribuidores, concentrando-se em duas coleções por ano, transmitindo mensagens mais precisas... Estes são os elementos chave para enfrentar o futuro. Tanto mais que não é certo que a Semana da Moda de Setembro possa ser realizada normalmente.
 
"O importante será que os jovens designers mantenham a sua visibilidade, trabalhem as suas redes, mostrando que estamos presentes no mercado, que não estamos a desistir, mesmo que isso signifique fazer uma coleção de cápsulas, sabendo que não iremos necessariamente vender. É um investimento, mas se não se pode provar que se existe, não vale a pena", afirma Patricia Lerat.
 
"Acima de tudo, terão de ter um discurso real", continua Lerat. "Hoje, estamos aqui: As marcas têm de fazer sentido. Aquelas que são verdadeiramente autênticas, que se voltam para um mercado eco-responsável, serão capazes de se desenvolver no futuro. De agora em diante, precisamos realmente de ser sólidos para enfrentar os próximos meses", conclui a consultora.
 

Copyright © 2020 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.