×
349
Fashion Jobs
GIANNI KAVANAGH
Marketing Director
Efetivo - CLT · BRAGA
UNREAL FIELDS
Creative/Art Director
Efetivo - CLT · LISBOA
SALSA
Commercial Product Manager - Work With Product in The Fashion Business
Efetivo - CLT · Vila Nova de Famalicão
SALSA
IT Development Specialist – Oportunidade de Fazer a Diferença no Dia a Dia do Utilizador Final
Efetivo - CLT · Vila Nova de Famalicão
ADIDAS
Sap Fico Tech Consultant (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Buyer (m/f) - French Speaker
Efetivo - CLT · Porto
TIFFOSI
Area Manager (m/f)
Efetivo - CLT · Faro
ADIDAS
Buyer - German Speaker (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
JD SPORT
Stock Financial Controller
Efetivo - CLT · Alicante
JD SPORT
Demand Planner
Efetivo - CLT · Alicante
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Almada Fórum - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Almada
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Loures Shopping - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Loures
SYSTEMACTION
Vendedor
Estágio · LISBOA
THE KOOPLES
Sales Assistant Part Time (20h) Lisboa
Trabalho temporário · LISBOA
THE KOOPLES
Concession Manager w/m - Lisboa - Full Time
Efetivo - CLT · LISBOA
CONFIDENTIAL
Concession Manager w/m - Lisboa - Full Time
Efetivo - CLT · LISBOA
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Braga - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Braga
LEVI'S
Store Manager (ds Porto)
Efetivo - CLT · Porto
MAJE
Assistant Store Manager - Colombo Lisbon m/f
Trainee · LISBOA
MARIA BY FIFTY
Marketing Digital
Estágio · BRAGA
MARIA BY FIFTY
Fashion Designer/ Grafic Designer
Estágio · BRAGA
THE KOOPLES
Sales Assistant - Full Time - Lisboa
Efetivo - CLT · LISBOA
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
26 de fev de 2021
Tempo de leitura
6 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Crise redefine a fonte, o ritmo e o volume da oferta

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
26 de fev de 2021

Redução a longo prazo das encomendas de vestuário, aceleração do sourcing na Euromed, queda no volume de encomendas... A presidência do Institut Français de la Mode (IFM) e o organizador do salão Première Vision traçam o cenário das mudanças que a crise da saúde provocará ou impulsionará no mapa mundial das compras de moda.


Entre as empresas que já utilizam fabricantes portugueses, não menos de 40% indicam que gostariam de aumentar as suas encomendas em Portugal - Shutterstock


Os números provisórios da UE mostram uma contração de 12,3% em valor e 15,6% em volume das importações de vestuário da UE em 2020 para 77,2 mil milhões de euros.  Este declínio afeta tanto a Ásia (-12%) como os países mediterrânicos (-12,9%). A nível mundial, a quota da China nas exportações de vestuário tem vindo a diminuir constantemente desde 2015, de 39% para 31%. Uma tendência que poderia ser invertida em 2020. De facto, o IFM observa que enquanto as importações da China sofreram uma contração no início do ano, à porta da Europa, a partir de abril recuperaram rapidamente o ímpeto, limitando a contração anual a 6%.

"Ao contrário do que alguns pensavam, a quota da China nas importações europeias está prestes a aumentar", informou o IFM.

O abastecimento de proximidade mostrou a sua primeira baixa em 2020, à medida que sucessivos encerramentos de lojas em toda a Europa colocavam o reabastecimento e novas encomendas em espera. Marrocos sofreu uma queda de 23,5% nas exportações para a Europa, enquanto a Tunísia sofreu uma queda de 16,8%. A Turquia, o terceiro maior fornecedor da UE depois da China e do Bangladesh, limitou a sua queda a 8,7%. Paradoxalmente, porém, estes países beneficiarão das consequências da crise nas próximas épocas, de acordo com o IFM.

"São os retalhistas que falámos para nos dizerem que no ano passado sofreram muito devido a atrasos nas entregas da Ásia", disse Gildas Minvielle, diretor do Observatório Económico do IFM, ao site FashionNetwork.com.

"A conclusão a que chegam é que querem ser mais ágeis, responder melhor às mudanças na procura e reduzir o time-to-market. Portanto, pensamos que há muito interesse no sourcing local", acrescentou.


Evolução do país de origem

Em dezembro passado, as marcas e retalhistas foram inquiridos e 51% disseram que queriam reduzir as encomendas feitas à China, contra 37% em 2019, enquanto 41% queriam mantê-las. A tendência é semelhante no Bangladesh, onde 39% dos grandes clientes querem reduzir as encomendas, em comparação com 57% que as querem manter estáveis. No Vietname, a tendência é menos marcada, com 22% dos inquiridos a quererem reduzir as encomendas, enquanto 21% querem deixá-las como estão.

"Podemos ver claramente nestes números as questões levantadas pela crise", disse Gildas Minvielle.


Quebra do sourcing - Chaire IFM - Première Vision


A tendência é invertida do lado do sourcing de proximidade, onde as intenções de sourcing são reforçadas em comparação com o inquérito realizado no final de 2019. Assim, 46% dos inquiridos querem reforçar as encomendas para Marrocos, e 28% querem aumentar as encomendas para a Tunísia. Por outro lado, 40% dos distribuidores indicam que querem aumentar as encomendas para a Turquia. Assim, os países mais afetados em 2020 seriam os principais beneficiários das novas aspirações de abastecimento das marcas.

Um efeito do qual o Made in Europe também beneficiaria. Entre as empresas que já utilizam fabricantes portugueses, não menos de 40% indicam que gostariam de aumentar as suas encomendas naquele país. Made in France também beneficiaria muito com esta tendência, com 40% das empresas a pretenderem aumentar as encomendas, em comparação com apenas 3% dos parceiros que esperam menos encomendas.


Encomendas a médio prazo, o novo modelo de preferência?

Esta redistribuição geográfica das encomendas deve ser acompanhada de uma aceleração de outro fenómeno já observado, o declínio das encomendas a longo prazo. Estas encomendas feitas com mais de seis meses de antecedência da época representaram 47% das encomendas em 2019, e apenas 40% em 2020. Até 2021, 29% das empresas tencionam reduzir estes fornecimentos a longo prazo.


Como é que a quebra do sourcing irá mudar em 2021? - Chaire IFM - Première Vision


Colocadas em estações altas, para reabastecer e atualizar coleções, as encomendas a curto prazo representavam 18% das encomendas em 2019 e 16% em 2020. Nada menos que 46% dos retalhistas pretendem reforçar este aspeto do fornecimento (contra 36% no ano anterior), enquanto 53% pretendem manter estas encomendas em 2021. Uma capacidade de fornecimento segura num contexto de consumo que ainda pode mudar a qualquer momento no mercado europeu.

 No entanto, a longo prazo, é provável que a tendência a médio prazo da oferta se torne o modelo preferido após a crise. Já entre 2019 e 2020, a percentagem de encomendas a médio prazo aumentou de 35 % para 44 %. Estas encomendas, feitas nos seis meses anteriores ao lançamento de uma estação, deverão continuar a ser feitas por 60% dos compradores, ao passo que 17% pretendem mesmo aumentá-las.

"Este abastecimento a médio prazo é imposto tanto às encomendas a longo como a curto prazo", disse o diretor do Observatório Económico. 

"Isto não beneficia apenas os países mais distantes, pois muitos jogadores Euromed dizem-nos abertamente que também beneficiam deste tipo de encomendas. A crise acelerou sem dúvida este anseio por uma maior capacidade de resposta que permita a médio e curto prazo", acrescentou.


Quantidades reduzidas e mais responsabilidade

A crise também acelerou uma outra tendência já importante nos fornecimentos: a redução do volume de bens. Em 2019, 26% dos clientes ainda estavam a aumentar o volume das suas encomendas. Em 2020, este número caiu para 5%. Em contrapartida, a percentagem de distribuidores que reduziram o volume aumentou de 37% para 64% num ano. Muito longe dos 10% detetados no mesmo estudo em 2017. 

"Uma abordagem que nos permite estar mais em sintonia com as flutuações do consumo, mas que também responde à preocupação de ecoresponsabilidade", argumentou Gildas Minvielle.

"Também nos permite proteger margens, evitando grandes stocks e desperdício de recursos", detalhou.


A respeito do principal impacto do COVID-19 nos negócios, 67,3% dos inquiridos mencionaram uma queda drástica nas encomendas para o outono-inverno 2020/2021 - Shutterstock


Para além da RSE e do pragmatismo orçamental, é evidente que a crise tem desempenhado um papel. Questionados sobre o principal impacto do coronavírus COVID-19 nos seus negócios, 67,3% dos inquiridos mencionaram uma "queda drástica nas encomendas para o outono-inverno 2020/2021". Os retalhistas mencionam apenas o investimento em comércio eletrónico (89,8%). Segue-se um aumento do sourcing local (36,7%), redirecionamento das encomendas para outros países (28,6%), encerramento permanente dos pontos de venda (28,6%), despedimentos (16,3%) e, por último, uma maior utilização de subcontratação no processo de sourcing (10,2%).

Quando questionados sobre os obstáculos sociais decisivos nas suas decisões de aprovisionamento, os distribuidores mencionam o trabalho infantil (96%) e o trabalho forçado (74%) como prioridades, para além dos riscos de saúde, discriminação, salários insuficientes e mesmo o não cumprimento dos salários mínimos legais. Em termos de riscos ambientais, as marcas estão mais preocupadas com a utilização de produtos perigosos para a pele e para o ambiente (93%) e com o consumo de água (37%), bem como com a otimização da cadeia de abastecimento e emissões de CO2.

Em termos de ações responsáveis tomadas em 2020 no que diz respeito à escolha de materiais, 49% dos inquiridos indicaram que tinham utilizado materiais sustentáveis rotulados e 42% tinham utilizado materiais reciclados. Além disso, 22% indicaram que tinham reforçado a rastreabilidade da sua produção, e 16% tinham deixado de utilizar materiais controversos tais como peles finas, moiré ou angorá. Os restantes 18% indicaram que não tinham tomado qualquer ação específica nesta área até 2020.
 

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.