×
567
Fashion Jobs
JD SPORT
Brand & Media Manager (m/f)
Efetivo · Maia
ADIDAS
Manager HR Learning & Development Gbs Porto (m/f)
Efetivo · Porto
FOREO
Marketing Manager
Efetivo · Lisbon
FARFETCH
Menswear Styling Editor
Efetivo · GUIMARÃES
ADIDAS
HR Specialist Gbs - Offboarding (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist HR Specialist Gbs Operations - General Admin (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Associate HR Specialist (M/F/D) - Gbs Operations - Benefits
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Sap Apo/Ibp (Snp) Consultant (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
HR Specialist (M/F/D) - Gbs Operations - German Speaker - Bik
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs Direct to Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
JD SPORT
Demand Planner_sport Zone(m/f)
Efetivo · Maia
JD SPORT
Footwear Buyer
Efetivo · Alicante
ADIDAS
Senior Sap Consultant - Sac/Bw-Ip/Fico (m/f) 1
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Director Gbs Accounting & Tax Europe (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Buyer - French Speaker
Efetivo · Porto
ADIDAS
Technology Consultant - Retail sd/mm (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Specialist Gbs HR Services - Compensation (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Specialist Reporting & Analytics (M/F/D) - Direct to Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
SALSA
Quality Manager - Oportunidade de Trabalhar o Produto Para Atingir Uma Qualidade de Excelência
Efetivo · Vila Nova de Famalicão
JD SPORT
Demand Planner_Sport Zone(m/f)
Efetivo · Maia
TIFFOSI
Area Manager (m/f)
Efetivo · Braga
ADIDAS
Specialist Gbs Direct to Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
6 de dez. de 2021
Tempo de leitura
7 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

De Pablo Isla a Marta Ortega: análise da transição acelerada da Inditex

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
6 de dez. de 2021

Não se pode dizer que o salto de Marta Ortega para a linha da frente da Inditex tenha sido uma notícia inesperada. A sua nomeação como presidente do grupo fundado pelo pai, Amancio Ortega, surge como a consolidação da entrega geracional num projeto familiar que tem vindo a tomar forma nos últimos anos, com a progressiva mediatização da sua figura e expansão das suas iniciativas e responsabilidades no seio da empresa galega e, mais especificamente, na sua cadeia emblemática Zara. Tem sido mais uma questão de timing que tem surpreendido mais de um ator do setor, despertando o ceticismo dos analistas da bolsa de valores. No dia 31 de março de 2022, Pablo Isla terminará o seu mandato como presidente após 17 anos na empresa. A "demissão" do muitas vezes considerado o melhor CEO do mundo não só parece ter vindo prematura, mas o seu anúncio surge num contexto complexo de incerteza, saúde e entrega, em que a transformação digital e as obrigações de sustentabilidade estão a estabelecer a agenda dos gigantes da moda rápida. Para liderar a nova fase da empresa, a Inditex olhou para fora das suas fileiras, optando por Óscar García Maceiras, um advogado galego com uma extensa carreira no setor bancário que aderiu à empresa há apenas alguns meses. O que significa a mudança estratégica que resultará na despedida do homem responsável por liderar a transformação da Inditex?


Pablo Isla deixará o cargo de presidente da Inditex no próximo mês de março - Inditex


"A Inditex é uma empresa mais sobre equipas do que sobre indivíduos", Pablo Isla iniciou o seu discurso à imprensa, na terça-feira (30 de novembro), reconhecendo o trabalho de todos os empregados da empresa e agradecendo "o apoio e afeto da direção e de Amancio Ortega". Após 17 anos, como CEO desde 2005 e presidente desde 2011, descrito como "um período muito frutuoso", o executivo demitiu-se das suas responsabilidades como presidente e membro do conselho de administração da empresa, com efeitos a 31 de março de 2022. Até lá, Pablo Isla será responsável por "completar esta transição como conclusão do seu compromisso com a Inditex".
 
O que Isla considera como "mudanças muito importantes" e como resultado da sua própria reflexão "juntamente com Amancio Ortega", envolverá a promoção de Marta Ortega como presidente do grupo, com o estatuto de diretora proprietária, com efeito a partir de 1 de abril do próximo ano. "Marta está na empresa há 15 anos, tem promovido muitas iniciativas e conhece-a muito bem. Continuará a estar muito envolvida com o produto, supervisionando a oferta de moda da Zara", disse o presidente sobre o seu futuro sucessor.

Na ausência de Marta Ortega na conferência de imprensa, Óscar Garcia Maceiras esteve presente, dedicando breves palavras de agradecimento ao trabalho da Isla. O antigo secretário-geral e secretário do conselho desde março passado está agora encarregue das responsabilidades operacionais e de liderar a nova fase da empresa sedeada em Arteixo. Nomeado diretor executivo e CEO com efeito imediato, o antigo advogado do Estado e responsável por entidades bancárias como o Banco Pastor, Banco Popular, SAREB ou Banco Santander, substitui um dos homens próximos de Isla: Carlos Crespo.
 

Uma inesperada "demissão" que inaugura uma nova era


 
Após apenas dois anos no cargo, o executivo foi reorientado na empresa para o cargo de diretor-geral de operações, transformação sustentável e digital. Ao contrário de Maceiras, Crespo é um nome com uma longa carreira na Inditex, à qual aderiu há duas décadas. O movimento na gestão de topo, sobre o qual circulam certos rumores desde o início da semana, foi tornado efetivo na passada terça-feira (30), de manhã cedo, através de uma declaração enviada à CNMV (Comissão Nacional do Mercado de Valores Mobiliários), que incluía a surpreendente "demissão" de Isla. Não são os únicos pesos pesados da Inditex a saírem da primeira fila da empresa. Em janeiro passado, o secretário da direção, António Abril, deixou a Inditex após mais de três décadas ao serviço de Amancio Ortega.


Sede da Inditex em Arteixo (A Coruña) - Inditex


Apesar da discrição empresarial e da comunicação medida ao milímetro a que acostumou o grupo de Arteixo, a inesperada conferência de imprensa (o próximo surgimento físico face à imprensa mantém-se agendado para março, coincidindo com a apresentação dos seus resultados anuais) deu um vislumbre de alguns detalhes não menos importantes para além das breves declarações limitadas à comunicação já emitida nos comunicados de imprensa, que sublinhavam a "continuidade do modelo" para a fase futura da empresa.
 
Este foi o caso das numerosas menções de Pablo Isla a Amancio Ortega e à sua estreita relação, ao seu invulgar rosto afetado nas suas aparições públicas e ao seu reconhecimento do trabalho de alguns dos gestores das cadeias, nenhum dos quais faz parte do órgão recentemente criado, um comité composto por executivos com vasta experiência na empresa: Carlos Crespo, Pablo del Bado Rivas (diretor executivo da Pull&Bear), Miguel Díaz Aranda (diretor financeiro e de Operações da Zara), Ignacio Fernández Fernández (diretor financeiro da Inditex), Javier García Torralbo (diretor geral de Comércio Eletrónico da Zara), Begoña López-Cano (diretor geral da Inditex People), Beatriz Padín Santos (diretora feminina da Zara), Jorge Pérez Marcote (diretor geral da Massimo Dutti) e Óscar Pérez Marcote (diretor geral da Zara).
 
"Estamos a enfrentar esta transição agora porque compreendemos que é um momento ótimo e que a empresa é sólida. Temos vindo a prepará-lo discretamente há algum tempo. O modelo de negócio e os valores da empresa estão absolutamente presentes e acompanharão sempre a empresa", tentou esclarecer Isla. No entanto, os investidores não acolheram com tanto otimismo as mudanças organizacionais e as ações da empresa com a maior capitalização bolsista na bolsa espanhola caíram mais de 6% no dia do anúncio, apesar de terem acumulado ganhos de 9,5% até agora este ano. Embora o Bankinter tenha estimado que após a primeira reação negativa, a médio prazo a equipa de gestão irá manter as linhas estratégicas do grupo, a empresa de análise IG salientou que a empresa sofreu "um duro golpe com o aparecimento da pandemia, praticamente forçada a fazer uma mudança no seu modelo de negócio". Perante as dúvidas do setor financeiro, o presidente comentou: "Sempre pensei que o preço das ações tem de ser considerado a longo prazo e tenho plena confiança no futuro.
 

O homem que liderou o salto gigante na Inditex


 
A chegada de Pablo Isla à empresa galega teve lugar aos 41 anos de idade, em 2005, quando o "caçador de cabeças" Carlos Alemany o colocou no horizonte de Amancio Ortega, que acabou por fazer dele o seu vice-presidente, CEO e confidente. Nessa altura, o executivo com uma licenciatura em Direito pela Universidade Complutense de Madrid já ostentava uma brilhante carreira: primeiro como advogado do Estado, entre 1989 e 1991, e depois na esfera financeira, como diretor em várias instituições do Banco Popular. Após um regresso de dois anos à administração pública como diretor-geral do Património do Estado no Ministério da Economia e Finanças, Pablo Isla foi nomeado secretário-geral do banco espanhol, antes de se tornar presidente do conselho de administração da empresa de tabaco Altadis e de gerir a Logista. Apenas seis anos após o desembarque em Arteixo, o executivo de Madrid foi nomeado presidente, substituindo o fundador do grupo têxtil.
 
Tal como o seu antecessor, José María Castellano, que foi responsável pelo IPO e pela estruturação da profissionalização da Inditex, Pablo Isla despedir-se-á dentro de alguns meses de uma empresa que está em melhor estado do que quando chegou às suas mãos: rigoroso na gestão e com um modelo integrado que funciona como um relógio suíço, consolidado como um gigante têxtil internacional tendo aumentado a sua dimensão de cerca de 3000 para mais de 6000 lojas físicas e multiplicado o seu valor bolsista por 10 vezes. Penso que o trabalho que temos feito juntos nos últimos anos tem sido fantástico e temos superado desafios muito difíceis como a crise financeira ou a crise do COVID-19", concluiu Isla quando questionada sobre a sua contribuição para o grupo nos últimos anos.

De acordo com o relatório anual de remuneração da Inditex à CNMV, o executivo deixará a Inditex com um plano de pensões no qual acumulou 9 milhões de euros, para além dos quase 2 milhões de ações (avaliadas em cerca de 55 milhões de euros) que detém desde a sua nomeação como presidente do grupo. Sobre o seu futuro, Pablo Isla absteve-se de comentar e simplesmente sorriu, declarando que nos próximos meses estará concentrado no processo de transição na empresa de que ainda faz parte. Em qualquer caso, o seu cobiçado talento não se dirigirá para uma empresa rival. Pelo menos não nos próximos dois anos, pelos quais poderia ser compensado com duas anuidades (cerca de 6,5 milhões de euros), uma das quais calculada como compensação pela obrigação de não concorrência.
 
O homem discreto que não quiser ficar com os louros do salto gigante da Inditex despedir-se-á da empresa, e do setor têxtil, no próximo mês de março. Com o desconhecido quanto ao seu próximo destino, é de esperar que, aos 57 anos de idade, Pablo Isla continue a sua brilhante carreira num papel dedicado à transformação social ou à inovação. Não lhe faltarão propostas.
 

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.