×
Por
AFP
Publicado em
23 de nov. de 2016
Tempo de leitura
2 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Depois de Michelle Obama, Sophie Théallet não quer vestir Melania Trump

Por
AFP
Publicado em
23 de nov. de 2016

A criadora francesa sediada em Nova Iorque, que criou vários modelos para Michelle Obama, anunciou que não deseja vestir a futura Primeira Dama, Melania Trump, para deixar clara a sua desaprovação para com o discurso do marido e futuro presidente. Ela também encorajou outros criadores a fazerem o mesmo.

Sophie Theallet - Outono-Inverno 2016 - Womenswear - Nova York - © PixelFormula


Apresentando-se como partidária da "diversidade, da liberdade individual e do respeito a todos os modos de vida", ela assegura que não contribuirá para vestir a futura Primeira Dama, à qual ela não quer ser associada "de maneira alguma", segundo uma carta publicada na passada semana
 
"A retórica racista, sexista e xenófoba utilizada pela campanha presidencial do teu marido é incompatível com os valores que nos governam", explica. "Estou bem ciente de que não é aconselhável misturar política", reconhece. "Isso dito, para uma empresa familiar como a nossa, os nossos resultados não estão unicamente ligados ao dinheiro", diz a criadora.

A carta aberta gerou muitas reações nas redes sociais, uma boa parte delas negativas.
 
Sediada nos Estados Unidos há mais de quinze anos, Sophie Théallet (52 anos) é uma 'habituée' da Semana de Moda de Nova Iorque. Suas criações, bem femininas com muita personalidade, agradaram a Michelle Obama que, desde 2009, vestiu alguns dos seus modelos, ou seja, um destaque bem-vindo.
 
"Ela contribuiu para que o meu nome fosse reconhecido e respeitado no mundo inteiro", escreve Sophie Théallet, afirmando que esta colaboração fazia sentido. "Seus valores, seus atos e sua graça encontraram um eco em mim", diz a designer.

Copyright © AFP. Todos os direitos reservados. A Reedição ou a retransmissão dos conteúdos desta página está expressamente proibida sem a aprovação escrita da AFP.