×
370
Fashion Jobs
MINGA LONDON
Ecommerce Manager
Efetivo - CLT · GUIMARÃES
MINGA LONDON
Head of Creative Content / Art Director
Efetivo - CLT · GUIMARÃES
SALSA
IT Retail Systems Specialist – Oportunidade de Suporte e Participação em Projetos de IT
Efetivo - CLT · Vila Nova de Famalicão
GIANNI KAVANAGH
Marketing Director
Efetivo - CLT · BRAGA
SALSA
IT Development Specialist – Oportunidade de Fazer a Diferença no Dia a Dia do Utilizador Final
Efetivo - CLT · Vila Nova de Famalicão
ADIDAS
Sap Fico Tech Consultant (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
TIFFOSI
Area Manager (m/f)
Efetivo - CLT · Faro
ADIDAS
Buyer - German Speaker (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
JD SPORT
Stock Financial Controller
Efetivo - CLT · Alicante
JD SPORT
Demand Planner
Efetivo - CLT · Alicante
HUGO BOSS
Sales Associate Hugo Boss Factory Outlet Almancil (f/m)
Efetivo - CLT · Quarteira
HUGO BOSS
Sales Associate Hugo Boss Factory Outlet Almancil (f/m) 1
Efetivo - CLT · Porto
HUGO BOSS
Sales Associate Hugo Boss Factory Outlet Vila do Conde (f/m)
Efetivo - CLT · Porto
HUGO BOSS
Assistant Store Manager Hugo Boss Factory Outlet Vila do Conte (f/m)
Efetivo - CLT · Porto
HUGO BOSS
Assistant Store Manager Hugo Boss Factory Outlet Vila do Conte (f/m)
Efetivo - CLT · Porto
HUGO BOSS
Ales Associate Hugo Boss Factory Outlet Almancil (f/m)
Efetivo - CLT · Quarteira
HUGO BOSS
Sales Associate Boss Store Quinta do Lango (f/m)
Efetivo - CLT · Almancil
HUGO BOSS
Sales Associate Boss Store Quinta do Lago (f/m)
Efetivo - CLT · Almancil
HUGO BOSS
Assistant Store Manager Hugo Boss Factory Outlet Almancil (f/m)
Efetivo - CLT · Quarteira
HUGO BOSS
Assistant Store Manager Hugo Boss Factory Outlet Almancil (f/m)
Efetivo - CLT · Quarteira
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Mar Shopping Matosinhos - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Matosinhos
SALSA
Vendeur(se) Carre Senart 30h
Efetivo - CLT · Paris
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
11 de mar de 2021
Tempo de leitura
4 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Desigual entra em números vermelhos e reduz volume de negócios em 38,8 % para 360 milhões de euros

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
11 de mar de 2021

A pandemia atingiu duramente a Desigual sediada em Barcelona, precisamente quando esta começava a levantar a cabeça e a colher os primeiros frutos da transformação do seu negócio, após a saída da Eurazeo da capital da Catalunha, e a renovação da sua imagem de marca. Imersa num plano de reorganização desde 2015, ano em que as suas vendas começaram a diminuir, a Desigual está agora a sofrer um dos piores anos desde a sua fundação em 1984.


Última coleção da Desigual em colaboração com a Christian Lacroix - Desigual


Quando o suíço Thomas Meyer apareceu pela primeira vez perante a imprensa em fevereiro de 2020, o coronavírus COVID-19 ainda era visto como um problema limitado ao continente asiático, com o seu consequente impacto nas vendas nos mercados da região, bem como na produção e logística. Apesar da total cautela antes da evolução do vírus, o fundador designer da empresa catalã ficou "satisfeito" com os resultados do exercício de 2019, embora este representasse o quarto ano de queda das vendas. "Estamos onde temos de estar", admitiu, orgulhoso de ter reestruturado a dimensão da empresa, sublinhando que os "anos difíceis" vividos pela marca lhe tinham dado a oportunidade de se reinventar. E acrescentou: "A Desigual nasceu da necessidade de se adaptar às circunstâncias".

Uma filosofia essencial para fazer face à complexa situação imposta pela pandemia, que teve um impacto violento nas vendas da Desigual para representar uma contração do volume de negócios de 38,8% para 360 milhões de euros, o que contrasta com os 589 milhões de euros faturados pela empresa um ano antes, quando a queda nas vendas se situou nos 10%.

O grande crescimento online não faz milagres

Tal como no caso de outras empresas do setor, o canal online representou o colete salva-vidas no naufrágio causado pela pandemia. Assim, a Desigual experimentou um crescimento do volume de negócios através da Internet de até 48,6% para 100 milhões de euros. No entanto, apesar de já representar 28% do volume de negócios da marca conduzida por Thomas Meyer, a empresa especificou que este desempenho positivo "não compensou o impacto do COVID-19". Em 2020, a empresa investiu até 18 milhões de euros na unidade digital e na implementação de processos informáticos e logísticos "para apoiar a digitalização".

Em comparação com o lucro de 7,5 milhões de euros registado em 2019, a Desigual encerrou o ano com um resultado líquido negativo de 83 milhões de euros. Contudo, o dinheiro é positivo, situando-se em 108 milhões de euros, graças à "agilidade e rapidez na tomada de decisões na primeira fase da pandemia", para além das medidas de "controlo de stocks e redução de custos". Para a Desigual, esta situação "permite-lhe enfrentar os desafios do futuro com uma estrutura financeira saudável e sem dívidas".

Como a empresa relatou na quarta-feira (10 de março), coincidindo com a publicação dos seus resultados financeiros anuais, a Desigual concentra 65% das suas vendas em Espanha, França, Itália e Alemanha. Quatro mercados europeus nos quais, em 2020, os encerramentos impostos pela pandemia foram muito significativos: 33% dos dias de abertura em França, 28% em Espanha, 26% em Itália e 22% na Alemanha. A marca também registou "a diminuição do tráfego nos períodos entre as diferentes ondas e a drástica redução do turismo", especialmente em Espanha, o principal mercado para o negócio da Desigual. Assim, no ano passado, as vendas orgânicas em lojas físicas caíram 45%.

Objetivo: resultados positivos em 2021 e normalidade em 2022

"O ano de 2020 foi absolutamente excepcional e complexo, com um enorme impacto da pandemia nos nossos principais mercados. Aproveitámos este ano de transição para acelerar projectos chave para o futuro, assegurando ao mesmo tempo a solidez financeira da empresa", disse Alberto Ojinaga, CEO da Desigual, sublinhando que "as medidas de contenção de custos e de gestão de stocks garantiram uma situação saudável de fluxo de caixa".

Olhando para o ano financeiro atual, a empresa está preparada para um "complicado" 2021. "A partir de hoje, ainda temos quase 50% das lojas afetadas pelo encerramento total ou de fim-de-semana", explicou o líder, detalhando que "contudo, a aceleração dos projectos de renovação de produtos, reposicionamento da marca e desenvolvimento do negócio digital, que já começam a dar frutos, permite-nos olhar para o futuro com otimismo". Assim sendo, se "o sistema de vacinação nos permitir alcançar uma certa estabilização da situação no verão", o diretor-geral mantém que a previsão é de "regresso ao lucro este ano e de regresso à normalidade em 2022".

Para o responsável, a aposta para o futuro passa por um modelo omnicanal que garante a melhor experiência de compra do cliente através da expansão da loja online, para a qual anunciaram a sua chegada a uma centena de mercados em fevereiro passado. "O objetivo é que em 2023 a soma das vendas que fizermos através do canal digital e as provenientes de geografias fora da Europa represente 60% do volume total de negócios", frisou acerca de uma percentagem que atualmente se situa nos 45%. Os progressos neste projecto permitirão que a plataforma de comércio eletrónico da marca esteja disponível em 150 países antes do final do ano. "A nossa prioridade é estar perto dos consumidores e acelerar a digitalização da empresa", concluiu Alberto Ojinaga.
 

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.