×

Dior Men: Coleção SS21 através dos olhos do pintor Amoako Boafo

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
13 de jul de 2020
Tempo de leitura
3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Dior Men apresentou a sua coleção para a primavera-verão 2021 através do retrato de um artista, o do pintor ganense Amoako Boafo, famoso pela sua série Black Diaspora (Diáspora Negra).


Dior Men’s Summer 2021 Collection


O clip da Dior abre em África, numa praia selvagem nas margens do Oceano Atlântico. Na foto seguinte, encontramo-nos no estúdio do pintor, também ilustrador, cuja técnica de pintura dinâmica e autodidacta capta algo do orgulho universal que pode ser lido nos rostos serenos dos seus súbditos. A última coleção da Dior Men é o resultado de uma colaboração entre Amoako Boafo e Kim Jones.


Instagram @amoakoboafo


Amoako Boafo adora pintar os seus amigos, família e aqueles que admira; no vídeo, os modelos posam em frente ao seu próprio retrato, vestidos com Dior. Alguns deles reúnem-se então no seu estúdio em Accra, capital do Gana, incluindo este jovem arrojado, com contas nos cadeados e capuz cinzento salpicado de tinta nas costas. O vídeo foi revelado online na segunda-feira (13 de julho), o último dia da primeira edição totalmente digital da Semana da Moda Masculina de Paris.

"Adoro a moda, inspiro-me nela para o meu trabalho. Sinto-me muito atraído por pessoas que têm um sentido de estilo", explica Amoako Boafo calmamente, apontando para um modelo chamado Hudson, retratado com um fato azul-pó. 


Instagram @dior


A série mais famosa do pintor, Black Diaspora, é uma celebração da sua comunidade e das identidades negras. Amoako Boafo pinta à mão, ou melhor, com os dedos, pincelando as suas grandes telas com tinta a óleo, usando luvas de látex. Os seus modelos posam frequentemente em frente de fundos amarelo vivo ou turquesa.

"É interessante colaborar com uma casa de moda: Na Dior, conseguiram transpor a minha técnica de pintura com os dedos para a roupa", maravilha-se o artista de 36 anos, que conheceu Kim Jones no Museu Rubell em Miami, em frente ao qual a Dior tinha organizado o seu último desfile de moda Cruise.


Instagram @dior


O ponto de partida para esta troca? Um vestido verde desenhado por Monsieur Dior, cuja tonalidade Kim Jones encontrou num quadro de Amoako Boafo, chamado Green Beret (Boina Verde), durante uma visita ao Gana. A partir daí, o trabalho do pintor começou a infundir as texturas, superfícies e cores desta coleção para a primavera-verão 2021.

"Gosto muito do seu trabalho. Realmente muito. Quis colaborar com um artista africano, durante muito tempo, porque cresci em África. E, a arte africana sempre significou muito para mim", diz Kim Jones, um dos poucos designers que parece estar em sintonia, nesta estação, com o movimento internacional Black Lives Matter, um momento revolucionário na política e na sociedade  e não suficiente nas coleções de moda.

A coleção foi originalmente concebida para ser um desfile, mas a pandemia forçou uma abordagem diferente desta colaboração, centrando-se na vida e obra do pintor, "e criando algo que reflecte verdadeiramente o espírito Dior. É o retrato de um artista que admiro muito", explica Kim Jones, empoleirado num banco de bar num estúdio de gravação em Londres.


Instagram @dior


De facto, toda a coleção é inspirada nos retratos de Amoako Boafo. Uma atitude colorida e distinta, capturada numa montagem rítmica que sublinha a parte importante do vestuário desportivo injectado por Kim Jones na Dior. Enquanto também experimenta na área da alfaiataria, como este casaco branco às riscas, cujas mangas se transformam em punhos de gola, ou o sarongo de tafetá que se transforma numa parka solta, ou o tom azulado retirado de um quadro pelo pintor e reproduzido em calções com bolsos de remendos na parte da frente. Sem esquecer as jóias de Yoon Ahn, que nunca foram tão belas.


Instagram @amoakoboafo


O clip é articulado em dois atos distintos. O primeiro foi editado e sonorado por Chris Cunningham; o segundo, por Jackie Nickerson. Uma série de passagens por um elenco inteiramente negro, onde a influência de Boafo foi sublinhada: Alguns modelos vestidos com enormes camisolas de gola alta posam ao lado dos retratos do pintor.

Uma apresentação sofisticada, mas também natural e refinada, majestosa, rigorosa. Uma verdadeira afirmação de moda, relevante e rica em lições.
 

Copyright © 2020 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.