Douglas cresce graças a aquisições

A retalhista de perfumes alemã Douglas está a lutar para fazer frente à feroz concorrência que a indústria da beleza enfrenta. Excluindo as aquisições, as vendas para o ano fiscal encerrado a 30 de setembro ficaram estagnadas em 2,8 mil milhões de euros, em comparação com o crescimento de 3% do ano anterior, de acordo com os resultados divulgados na terça-feira em Dusseldorf.


Douglas

A rede foi às compras: em Itália, adquiriu as lojas de cosméticos e perfumes Limoni e La Gardenia, num total de 500 lojas, e em Espanha comprou outras 300 lojas. Na Alemanha, acrescentou a Parfumdreams ao seu portefólio para reforçar a sua presença online.
 
Incluindo as aquisições, as receitas aumentaram 17%, atingindo 3,3 mil milhões de euros. O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (EBITDA) ajustado cresceu 6% para 376 milhões de euros.

O mercado alemão da perfumaria está a atravessar algumas mudanças, com as novas marcas a competir por clientes com a Douglas, a retalhista líder. A retalhista de moda online Zalando também vende produtos de beleza e perfumes, e a retalhista de beleza Sephora tem planos para expandir a sua presença na Alemanha, mercado no qual a cadeia francesa entrou em 2017, beneficiando da força do grupo a qual pertence, o francês LVMH.
 
Tina Mueller, a nova CEO da Douglas, prescreveu uma mudança radical: segundo a nova líder, as filiais devem passar por uma transformação para melhorar a experiência de compra. A sua reorganização, juntamente com a redução das promoções, já permitiu a "recuperação da atividade na Alemanha", disse a empresa. A Douglas opera cerca de 1.900 lojas em 19 países, incluindo 435 lojas na Alemanha.

Traduzido por Estela Ataíde

PerfumesCosméticaBeleza - DiversosNegócios
SUBSCREVA A NOSSA NEWSLETTER