×
279
Fashion Jobs
ADIDAS
Senior Controlling & Reporting Specialist (m/f)
Efetivo - CLT · PORTO
TIFFOSI
Area Manager (m/) - Zona Norte
Efetivo - CLT · Braga
ADIDAS
Buyer - Italian Speaker (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
JD SPORT
Stock Financial Controller
Efetivo - CLT · Alicante
M+RC NOIR
Production Manager
Efetivo - CLT · ESPOSENDE
JD SPORT
Demand Planner
Efetivo - CLT · Alicante
THE AMAZING FRENCH COLONY
Fashion Designer Assistant
Estágio · LISBOA
EMPRESA DE MODA NO SETOR DO LUXO
Vendedor/a de Loja de Gama Alta
Trabalho temporário · LISBOA
ELSA GOES GREEN
Business Development
Estágio · ERICEIRA
CH CAROLINA HERRERA
Vendedores Eci Lisboa (36 h)
Trainee · LISBOA
CONFIDENCIAL
Stylist (m/f)
Efetivo - CLT · PORTO
SALSA
Conseiller(es) de Vente Avenue 83 Toulon 30h
Efetivo - CLT · Toulon
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Eci Lisboa - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Lisboa
ADIDAS
Team Leader o2c Credit And Collections (m/ f) - German Speaker
Efetivo - CLT · Porto
PARFOIS
Interior Designer
Efetivo - CLT · PORTO
ADIDAS
Tax Accountant (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Senior o2c Credit And Collections Specialist (m/ f)
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Gbs Process Manager s2p (m/ f)
Efetivo - CLT · Porto
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Freeport - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Alcochete
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Oeiras Parque - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Oeiras
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Fórum Aveiro - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Aveiro
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Foz Plaza - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Figueira da Foz

Elsa Berry: "As avaliações são, para a grande maioria das transações, muito mais 'razoáveis'"

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
17 de jun de 2020
Tempo de leitura
7 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

A 4 de junho, o grupo Puig adquiriu oficialmente uma participação maioritária na marca de cosméticos Charlotte Tilbury. Uma grande operação, que valorizaria a empresa britânica em mais de mil milhões de euros e, na verdade, o primeiro "negócio" desta dimensão para a indústria, desde o surto da pandemia de COVID-19. Em especial para o site FashionNetwork.com, Elsa Berry, diretora geral da Vendôme Global Partners, que acompanha as operações de fusão e aquisição de empresas europeias e americanas de artigos de luxo, analisa este acordo e o contexto de Fusões e Aquisições.


Elsa Berry, diretora geral da Vendôme Global Partners - DR


FashionNetwork.com: O grupo familiar espanhol Puig acaba de comprar a Charlotte Tilbury. A Elsa Berry acompanhou a Dries Van Noten durante a sua fusão, com o grupo catalão, o que pensa desta aquisição e da sua avaliação?
Elsa Berry:
Penso que a Charlotte Tilbury fez um bom trabalho na finalização deste dossier, que, no entanto, foi lançado há algum tempo. A avaliação é realmente elevada, porque é uma transação que também interessou a jogadores como a Unilever, L'Oreal, Estée Lauder e Shiseido. O Puig tem tido uma abordagem interessante ao trabalhar com a BDT Capital Partner, que assumiu uma participação minoritária no capital e tem uma boa reputação. O grupo Puig é ambicioso e a família tem como objectivo um volume de negócios de 3 mil milhões de euros. Quando estão interessados numa marca ou num negócio, são muito rigorosos na sua análise, mas também sabem pagar o preço certo… Mesmo que seja um preço elevado. São muito sensíveis à qualidade das equipas, aos seus valores e à adequação cultural entre as duas empresas. A questão será saber como irão desenvolver a marca, ao longo do tempo, e como irão alcançar os seus objectivos de retorno do investimento. Mas, tendo trabalhado com eles noutra questão, devo dizer que estou impressionada com as suas equipas e com a sua visão. E, também são pacientes.
 
FNW: O contexto da crise de COVID-19 destacou os múltiplos significativos desta aquisição. A crise decantou os processos, ou complicou as trocas?
EB
: Globalmente e, no início, congelou as situações. Vários processos iniciados antes da crise foram abandonados, mas alguns já regressaram ao mercado… Com menos expectativas. Hoje em dia, as avaliações são, para a grande maioria das transações, muito mais "razoáveis". Mesmo o acordo LVMH-Tiffany, poderia estar sujeito a uma renegociação de preços.

Durante a primeira parte da contenção, os investidores financeiros/private equity concentraram-se primeiro nas empresas das suas carteiras e na gestão da sua tesouraria e das suas equipas. Os outros participantes do sector do luxo - sejam grupos muito grandes ou participantes médios - também se concentraram na gestão de equipas à distância, no encerramento de lojas e na optimização das suas operações, num contexto totalmente desconhecido.

Poucos operadores pensaram em F&A, mas isso está a mudar… E, rapidamente.  As falências estão a aumentar e alguns compradores, especialistas em empresas que se dedicam à recuperação de empresas, estão a avançar com os seus peões. Embora ninguém saiba quanto tempo durará esta crise, qual será o "novo normal", ou quando e como os consumidores retomarão as compras, o que é claro é que haverá perdedores e vencedores. Os grandes grupos continuarão a crescer e já estão a preparar as suas estratégias de aquisição. Muitas empresas, mais pequenas, não conseguirão sobreviver.


A marca John Varvatos foi recentemente assumida pela Lion Capital, com sede em Londres - © PixelFormula


FNW: Quais são as oportunidades a curto prazo nas F&A?  Haverá compradores dispostos a adquirir estas marcas desestabilizadas e enfraquecidas pela crise?
EB:
Sim, é claro, vamos ver muita atividade. Já o podemos ver com reestruturações e falências, que são objectivos naturais. Alguns ativos estão agora a preços muito baixos. Nos EUA, vimos os arquivos da Neiman Marcus, JC Penney, e até mesmo John Varvatos (recentemente assumido pela Lion Capital). Existem igualmente empresas especializadas na aquisição de marcas (sobretudo a sua PI) e que concluem acordos de licença para maximizar o fluxo de royalties (mercados geográficos, certas categorias de produtos ou mesmo redes de distribuição), com um modelo empresarial bastante diferente e que pode ser bem sucedido para os novos acionistas, mas muitas vezes em detrimento da qualidade da marca a longo prazo. Estão a trabalhar nisso. Este é o seu momento.

FNW: E a Kering, Richemont e LVMH?
EB:
No que diz respeito aos gigantes de luxo, estão a atualizar claramente a sua cartografia de potenciais alvos. Estas listas podem incluir empresas como a Burberry, Prada, Ferragamo, Tod's, mas também grupos cotados nos EUA, Tapestry e Capri, e outros. Haverá também muitas marcas mais pequenas, que terão de ser vendidas, mas não creio que, de qualquer forma, nesta fase, sejam do interesse das grandes marcas de luxo. Alguns dos grandes nomes da indústria do luxo procurarão integrar os seus fornecedores, outros, reforçar a sua distribuição. Por exemplo, o Grupo Swatch, que tem menos lojas do que os seus concorrentes, poderia reforçar a sua posição no retalho multimarca.

FNW: Não podemos também ver os actores chineses a posicionarem-se para as compras?
EB:
De facto. Em plena crise, em março, a Fosun oficializou a compra da joalharia francesa Djula, com a intenção de a desenvolver na China (o grupo chinês adquiriu 55% da empresa e promete investir 26 milhões de euros para a desenvolver internacionalmente). O luxo tem hoje duas principais alavancas de crescimento: Os chineses e os milenares. Mas, os chineses já não viajam. Isso significa que vão comprar em casa. Alguns operadores chineses vão querer adquirir marcas na Europa, ou nos EUA, para as desenvolverem na China.


AFosun oficializou a compra da joalharia francesa Djula, em plena crise, em março passado - Djula.


FNW: Mas, o que pensa da situação das marcas premium que rendem várias dezenas de milhões de euros? São alvos?
EB:
O COVID-19 enfraqueceu muitas marcas que não tinham força financeira suficiente, ou eram demasiado pequenas para resistir a uma crise deste tipo. O COVID-19 também acelerou as tendências pré-existentes no sector - basta olhar para o estado dos grandes armazéns nos EUA. O problema dos bens não vendidos, a necessidade de financiar o longo ciclo da moda, a necessidade de investir no desenvolvimento sustentável e os novos investimentos necessários num mundo novo, com menos desperdício: O digital e os conteúdos necessários para interagir com os consumidores, etc., são questões que têm de ser abordadas. As pequenas estruturas não estão equipadas e são já frágeis. Para muitos, a venda a um bom parceiro torna-se indispensável. Alguns irão encerrar. Para muitos deles, trata-se de uma crise de liquidez e de uma crise existencial. Por outro lado, algumas empresas continuarão a agarrar-se a avaliações que já não são realistas.

FNW: Qual é a situação atual da avaliação?
EB:
As valorizações diminuíram significativamente. Um estudo recente do BCG (Boston Consulting Group), sobre as empresas cotadas nas indústrias do luxo e da moda, mostra que passamos de um múltiplo médio de 11,6x de EBITDA, no início de 2020, para 6,9x no pior dos casos de contenção. Isso é mais de 40% menos. Neste momento, o múltiplo médio é 8,6x, cerca de 25% inferior ao de janeiro de 2020. As transações efectuadas em tempos de crise são frequentemente as melhores a longo prazo. E, tenho a certeza de que vamos assistir a muita atividade de fusões e aquisições. Alguns têm menos pressa em vender e serão, sem dúvida, um pouco arrefecidos pelas novas avaliações. Mas, quanto mais tempo a crise durar, mais difícil será manter a autonomia.

FNW: Que opções têm as marcas?
EB:
Para marcas que ainda se encontram em relativamente boas condições e que são "diferenciadoras" do consumidor, haverá opções. Estou a pensar, em particular, numa abordagem em que os compradores interessados começam por construir uma relação com os objectivos e avançam, menos como predadores ou compradores "forçados", e mais como parceiros estratégicos a longo prazo.

Isto pode levar a transações, como fazemos frequentemente no decurso dos nossos negócios, em que o acionista alvo permanece no capital e realiza um aumento de capital com um sócio (um acionista minoritário, por exemplo) cuja visão partilha e que o pode ajudar nas suas áreas de fragilidade. A longo prazo, isto pode funcionar como um verdadeiro "win-win". Penso também que veremos transações mais estruturadas com preços indexados, em parte, a resultados futuros.
 

Copyright © 2020 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.