×
479
Fashion Jobs
JD SPORT
IT Business Partner Supply Chain
Efetivo · Alicante
SALSA
Marketplaces Manager – Opportunity to Contribute to The Internationalization of The Brand
Efetivo · Vila Nova de Famalicão
JD SPORT
Footwear Buyer
Efetivo · Alicante
JD SPORT
Apparel Buyer
Efetivo · Alicante
JD SPORT
Ecommerce/Marketplace Manager
Efetivo · Alicante
JD SPORT
Demand Planner
Efetivo · Alicante
TIFFOSI
Comprador Denim (m/f)
Efetivo · Porto
SACOOR BROTHERS
Sales Assistant- c. Comercial Alegro Alfragide (m, f)
Efetivo · Lisboa
SACOOR BROTHERS
Sales Assistant- Centro Comercial Vasco da Gama (m, f)
Efetivo · Lisboa
SACOOR BROTHERS
Sales Assistant- c. Comercial Braga Parque (m, f)
Efetivo · Braga
JD SPORT
Vendedor (m/f) Sport Zone Ubbo
Temporario · Amadora
JD SPORT
Abertura Sport Zone Aveiro Glicínias - Vendedor (m/f)
Temporario · Aveiro
CONFIDENCIAL
Vendedor/a - Eci Lisboa-Full Time
Temporario · LISBOA
MAJE PORTUGAL
Assistant Store Manager - Lisboa Amoreiras m/f
Efetivo · LISBOA
MAJE
Vendedor(a), 40Hrs - Lisboa Amoreiras
Temporario · LISBONNE
THE FEETING ROOM
Junior Operations And Merchandising
Efetivo · PORTO
SYSTEM ACTION
Vendedora
Efetivo · LISBOA
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja (Part-Time) - Fórum Algarve - a Tua Melhor Versão
Efetivo · Faro
DAMA DE COPAS
Consultora de Lingerie
Efetivo · BRAGA
H&M
Sales Advisor Part-Time Para cc Glicinias Plaza
Efetivo · Aveiro
ADIDAS
Floor Manager Adidas Store Estádio da Luz
Efetivo · Lisboa
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Évora Plaza - a Tua Melhor Versão
Efetivo · Évora
Publicado em
26 de abr. de 2021
Tempo de leitura
14 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Em memória de Alber Elbaz

Publicado em
26 de abr. de 2021

A moda entrou este fim-de-semana num período de luto, após a morte de Alber Elbaz, um dos designers mais prezados do setor em termos universais.


Alber Elbaz com o seu eterno papillon (laço) que fez despertar a maison Lanvin - DR


O franco-israelita Alber Elbaz – que morreu no sábado (24 de abril) – criou coleções para meia dúzia de maisons de moda, incluindo a própria, muito embora tivesse tido um mandato de 14 anos na Lanvin onde escreveu um capítulo de moda que lhe valeu um lugar no panteão entre os grandes estilistas de todos os tempos. 
 
O sentido de glamour cerebral, sensualidade fumegante e luxo opulento para a Lanvin deu aos seus desfiles o reconhecimento de serem dos mais importantes do calendário internacional durante uma década e meia. Abençoado com um caloroso sentido de ironia, sagacidade poética e bonomia natural foi também eleito uma das figuras mais populares de toda a indústria. E, numa indústria que pode ser impiedosamente competitiva e de "facadas" pelas costas, Alber conseguiu ser sempre atencioso para com todos.

Por isso, durante os últimos dias, os amigos e colegas (atrizes, designers, editores, executivos e gigantes da indústria) não se cansaram de publicar fotos de momentos felizes e mensagens comoventes, identificando Alber Elbaz nas redes sociais, e descrevendo memórias ilustrativas da sua personalidade alegre, divertida e amiga do seu amigo.

Algumas das imagens mais sugestivas foram postadas no Instagram por Virginia Bates, proprietária da famosa boutique Virginia em Portland Road (Londres), que referiu o privilégio de o conhecer; e pelo estilista italiano Pierpaolo Piccioli, dizendo que o mundo perdeu um dos maiores tesouros e que o próprio Piccioli ficou privado de um verdadeiro amigo.
 

Foto publicada por Virginia Bates, que evidenciou o privilégio de conhecer Alber Elbaz - Instagram @virginiabateslondon


Virginia Bates escreveu: "Que privilégio ter conhecido o Alber. Sempre um mimo. Quando veio à loja... uma inspiração e tão divertido. Lembro-me de sair de um show num daqueles grandes hotéis de Paris. Fazia muito calor e o Alber estava a sentado numa banqueta de veludo a comer um gelado. Imediatamente ofereceu-se para me ir buscar um, apontando os vários sabores e desaparecendo. Passado cerca de 20 minutos reapareceu com dois sabores extra e para desalento da equipa do hotel sentamo-nos juntos... o gelado a escorregar por todo o lado e nós a rir. (...)"

O designer de moda da Valentino, Pierpaolo Piccioli, também manifestou o grande pesar: "O mundo da moda perdeu um dos seus maiores tesouros e eu perdi um amigo verdadeiro, honesto e especial. Quando dei o meu primeiro passo como diretor criativo, acolheu-me como nenhum outro. Foi capaz de infundir a alma no seu trabalho, criando uma estética que falava tão alto do seu colorido, cintilante e intenso joie de vivre. Sentirei a sua falta, mas encontrarei alívio ao admirar o legado do seu trabalho que nos recordará a todos como era enorme o seu talento e como a sua visão de beleza, a sua abordagem humana da moda permanecerá sempre inigualável. Ciao Alber, continua a inspirar-nos a todos. Obrigado por tudo o que tens feito. Ficarás connosco".

Um sem fim de nomes como Bernard Arnault, Christian Louboutin, Diane von Furstenberg, Donna Karen, Dries van Noten, François-Henri Pinault, Françoise Lehmann da Lancôme, Gabriela Hearst, Giorgio Armani, Jean-Paul Gaultier, José Neves da Farfetch, Maria Grazia Chiuri da Dior, Michael Kors, Ralph Lauren, Rick Owens, Stella McCartney, Tom Ford, Tommy Hilfiger (e tantos outros), também contaram em primeira mão as suas histórias com Elbaz, mostrando-se muito tristes e chocados com a notícia súbita. 


Foto publicada pelo estilista italiano Pierpaolo Piccioli num momento feliz com o amigo Alber Elbaz - Instagram @pppiccioli


Alber Elbaz – que acabou de falecer com COVID-19, aos 59 anos, poucos meses após Kenzo padecer da mesma doença – continuava a ascender na sua carreira, tendo acabado de lançar a própria marca AZ Factory, com o nome da primeira e última iniciais da sua assinatura, a qual foi financiada pelo conglomerado de luxo suíço Richemont. Um projecto ambicioso que parecia destinado a escrever outro episódio excitante no mundo da moda e do estilo.

Morreu no hospital Pitié-Salpêtrière em Paris, cerca de três semanas após ter contraído o coronavírus COVID-19, e apesar de já ter sido vacinado com as duas doses. Quando parecia ter passado o pior e estar a ganhar forças, Elbaz sofreu um ataque cardíaco no sábado (24). Espera-se que o seu funeral decorra em Israel, na quarta-feira (28), onde será enterrado ao lado dos pais. 
 
A Richemont parece estar a planear um memorial, mas dado o distanciamento social exigido pelas medidas de COVID-19, este pode muito bem arrastar-se durante vários meses.
 
Nascido em Casablanca (Marrocos), em 1961, Elbaz mudou-se em criança para Israel com o pai cabeleireiro e a mãe pintora, residindo em Holon (pequena comunidade de samaritanos no distrito de Telavive fundada em 1940 como uma união de cinco bairros e declarada cidade em 1950). Ilustrador inato começou a desenhar vestidos aos sete anos de idade; prosseguindo os seus estudos na grande escola de Moda e Design de Israel, Shenkar College.
 
Pouco depois da licenciatura, Elbaz partiu para Nova Iorque, onde acabou por ser contratado por Geoffrey Beene, um dos maiores designers da América, famoso por usar tecidos simples como camisolas e ganga para confecionar roupa de noite com estilo. Alber gostava de recordar que chegou a Nova Iorque com 800 dólares da mãe Allegria, e duas malas, uma pequena com os pertences e outra grande com os sonhos.


Looks de Alber Elbaz para a sua nova marca lançada em janeiro de 2021com a Richemont - AZ Factory


Alber Elbaz trabalhou sete anos com o famoso designer de Nova Iorque, Geoffrey Beene, no seu estúdio e showroom da 57th Street em Manhattan, muito abaixo do seu radar, desde que Beene teve uma guerra a longo prazo com o editor-chefe do Women's Wear Daily (WWD), John Fairchild, e foi banido inteiramente do jornal. Um dia, após uma apresentação em que Beene recebeu uma chuva de elogios por um vestido que Elbaz tinha desenhado do princípio ao fim, o estilista franco-israelita percebeu que era altura de seguir em frente.
 
Felizmente, em 1996, Elbaz saiu da obscuridade quando foi nomeado diretor criativo da Guy Laroche pelo seu visionário CEO Ralph Toledano. 
 
"Enviou-me o seu currículo num papel vermelho, com o nome 'Alber Elbaz' escrito como um logótipo. Compreendia claramente a sua identidade e era muito consciente e intuitivo. Então conheci-o no Carlyle em Nova Iorque, e este tipo baixo e bastante gordo aparece-me de casaco vermelho, óculos e sapatos calçados sem meias... no inverno! E, percebi logo que era quem eu queria sem precisar de ver o seu book", recordou Toledano, hoje presidente da Fédération de la Haute Couture et de la Mode e presidente da marca Victoria Beckham.

Deixando a Beene, Alber Elbaz descolou-se por 10 dias para apresentar os esboços da sua coleção de estreia em Paris, onde construiu um novo estúdio para a Guy Laroche, depois uma maison esquecida, comprando mobiliário na loja BHV, na rue de Rivoli.
 
O seu impacto foi imediato, tendo recebido boas críticas pela sua combinação de chique francês, panaché de Nova Iorque e glamour de Hollywood. 
 
Durante a sua estreia, o calcanhar de uma modelo estalou na passerelle, mas esta conseguiu, miraculosamente, sair elegantemente do palco. E, para deleite de um Elbaz mortificado, o público começou a aplaudir com entusiasmo. Os aplausos estrondosos para a sua estreia – encenada no interior do Carrousel du Louvre – levaram-no a fazer uma extensa digressão pela própria passerelle, iniciando uma rica tradição na sua carreira profissional. Parecendo mais um intelectual de Nova Iorque no seu grande fato, cabelo indisciplinado e óculos de arame, Alber Elbaz deixou transparecer o adorar claramente os seus momentos de veneração na passerelle.


Look de Alber Elbaz da coleção da Lanvin para a estação de primavera-verão 2014 - DR


Aquando do segundo espectáculo no interior da Ópera da Bastilha, ao qual assistiu a sua mãe, a WWD colocou-o na capa.
 
Perguntado o que pensava do espectáculo, Allegria respondeu: "Eu não o vi, estava a rezar". 
 
Três anos mais tarde foi contratado por Pierre Bergé, para ser o primeiro designer da coleção de pronto-a-vestir Yves Saint Laurent Rive Gauche, após a quase aposentadoria de Yves. Um sonho de infância para qualquer designer, mas uma experiência intensamente difícil para Elbaz, visto a equipa da YSL ter praticamente desvalorizado as suas ferramentas à chegada.
 
Durante o seu mandato, Yves nunca foi a nenhuma das exposições de Alber Elbaz para a Rive Gauche, continuando a desenhar alta costura. Elbaz conseguiu criar três admiráveis coleções para a Rive Gauche sem nunca ter atingido o seu nível criativo, antes de ser despedido em 1999, quando a Gucci adquiriu a YSL e instalou Tom Ford como designer.
 
Durante uma licença sabática de 18 meses, Elbaz até concebeu uma brilhante coleção única dedicada à boutique crota Križa, e testemunhada apenas por um punhado de editores e compradores, antes de deixar a YSL após apenas três meses. Várias pessoas afirmaram que era a sua melhor coleção para a YSL.
 
Antes de reemergir na Lanvin, e marchar para a glória com mais de uma partitura de coleções super influentes.  As suas primeiras coleções para a Lanvin foram elogiadas universalmente. A 8 de outubro de 2006, o diário de notícias Fashion Wire Daily (FWD) escreveu: "Finalmente, no último dia da tournée de quatro semanas pelas capitais mundiais da moda, uma estação encalhada em ideias retro, a Lanvin entregou algo de excitantemente novo". 

AZ Factory SHOW FASHION from Alber Elbaz [Full Trailer]


Este era um daqueles espectáculos onde tudo se juntava, onde o humor, a música, a moda e a maquilhagem se reinventavam e rejuvenesciam... Mas o que mais importava eram as roupas, onde uma tintura de futurismo, uma dose de chique em saltos altos e algumas roupas diabolicamente bem cortadas, feitas para a coleção mais importante da estação.

Esta coleção para a primavera-verão de 2007 também marcou uma viragem significativa no design do diretor criativo da Lanvin, que marchou para um terreno muito mais sexy. Antes, Alber Elbaz manteve-se fiel aos estilos com uma elegância modernista parisiense. Hoje, testemunhámos um mestre a criar uma tendência edgier – belezas autoritárias e sombrias em tecidos de alta tecnologia, absorvendo qualquer espaço ou sala que habitassem.
 
"Havia um fio de futurismo", disse Elbaz ao FWD, minutos depois de receber o maior aplauso coletivo de pé da estação. "Mas não é como nos anos 60 ou 80, quando se tratava de vestir-se com poder. As mulheres têm mais poder hoje em dia e esta coleção é sobre o poder das suas mentes". 
 
Alber Elbaz iria encenar alguns espectáculos em teatros notáveis, desde o Ópera-Comique em Paris, onde Bizet interpretou pela primeira vez a ópera Carmen, antes de se virar para a Halle Freyssinet, uma estação ferroviária gigante fora de uso, onde o seu belo elenco pareceria surgir de um infinito, numa peça mágica de perspetiva. 

Trabalhando com o produtor de espectáculos Etienne Rousseau, Elbaz também desenvolveu um pórtico suspenso único que deu aos seus espectáculos uma iluminação cinematográfica imediatamente reconhecível. Além disso, as suas coleções foram sempre elegantemente encenadas, a partir dos crachás escritos à mão, com apenas os primeiros nomes dos convidados nas cadeiras ao estilo Luís XVI.
 
Dezenas de estrelas de cinema assistiam aos seus espectáculos, pois o designer de moda franco-israelita vestia literalmente centenas de atrizes a nível internacional. Desde Natalie Portman, Meryl Streep, Kim Kardashian e Kate Moss até Nicole Kidman, Chloé Sevigny e Sofia Coppola.
 
Colaborando com o estilista de moda masculina da Lanvin, Lucas Ossendrijver, Alber Elbaz também fez com que a sua marca influenciasse a roupa masculina, usando tecidos improváveis para homens como cetim duchese; fazendo camisas pregadas com pérolas para as abotoar; e combinando smokings com calças de jogging. O próprio estilo pessoal de Elbaz, desde os seus eternos papillons e óculos quadrados pretos até à opção de nunca usar meias, também levou a criar uma nova ideia do estilo masculino. 


Look de Alber Elbaz da coleção da Lanvin para a estação de primavera-verão 2010 - DR


Mas foi sobretudo pelo seu inimitável drapejamento e capacidade de criar autênticas vestes de cariátides gregas e vestidos cocktail sublimes cortados escusadamente, pelos quais Elbaz será lembrado. Isso e a sua paleta de cores, muitas vezes notável, o rosa claro subtil, os beges violetas e carvões elegantes, mais associados à maquilhagem do que à roupa. 
 
Os seus espectáculos tornaram-se absolutamente imperdíveis, como a sua notável coleção para o outono-inverno de 2008, principalmente feita de preto granulado, tatuagens de fita como em blusas de freiras sexy, saias assimétricas drapeadas e cocktails bem cortados. 

Depois, um Elbaz sombrio levou a sua vénia a aplausos intensos, apenas semanas após a morte da sua mãe Allegria, que visitou dezenas de vezes nesse inverno em Israel, chegando mesmo a esboçar até altas horas da noite no hospital. Uma lembrança pungente de que a classe é o triunfo do estilo sobre a adversidade.
 
Embora nunca tenha produzido uma coleção de alta costura, em cada mês de janeiro durante a época alta de Paris, Elbaz apresentava a pré-coleção Lanvin no café da manhã a um punhado de editores e críticos dentro de um salão dourado no Hôtel de Crillon. Era a derradeira reunião de moda de iniciados, um tutorial de estilo onde falava ao seu público através de cada look, e perguntava-se se tinha sido um comediante de standup numa vida anterior. Como quando se lembrou da última vez que se dirigiu a uma audiência de Nova Iorque e explicou que a Lanvin tinha desenvolvido sete coleções "satélite": "Mas todos pensaram que eu tinha dito celulite", respondeu ironizando. 
 
Muito antes do movimento ativista internacional Black Lives Matter e dos esforços de hoje para a inclusão, Elbaz lançou numa manhã no referido hotel outra coleção dedicada a um elenco inteiramente afro. Localizado ao virar da esquina da sede da Lanvin, o Hôtel de Crillon tornou-se a cantina de Alber Elbaz, onde eu (Godfrey Deeny) tive o prazer de almoçar com ele em meia dúzia de ocasiões. O que distinguiu Elbaz não foi o humor ácido de tantos designers ambiciosos, mas sim uma alegria de viver e um enorme respeito pelos seus colegas e as exigências sem fim de ideias frescas. 
 
Durante uma palestra proferida, há três anos, no Museu Israel contou ao seu público: "As roupas são sempre novas, mas o método não é. Não há indústria no mundo que trabalhe a tal velocidade, participando numa maratona de fashionistas a correrem e a correrem, incluindo eu, e não perdendo uma única caloria nesta maratona. Um cantor pode produzir oito êxitos por ano, e nenhum escritor gigante pode escrever Guerra e Paz em 12 variações diferentes no espaço de um ano. Mas, na moda, tanto localmente aqui em Israel como em todo o mundo são necessários estilistas: maiores, mais baratos e mais rápidos. Somos neuróticos e surpreende-nos que estejamos sempre em velocidade".

Sempre orgulhoso da sua cidadania israelita, Elbaz acaba por ser o Moisés da moda do seu povo, um campeão que ajudou a conduzi-los à terra prometida.


Peça resultante da colaboração de Alber Elbaz' com a marca italiana Tod's - Tod's


Enquanto esteve na Lanvin, até produziu uma coleção para a H&M, democratizando a sua moda, que de outra forma seria dispendiosa; e recebeu inúmeros prémios, desde o Designer Internacional do Ano da CFDA até à Legião de Honra. Sucesso que desfrutou com o seu parceiro de longa data, e o mais fiel dos companheiros, o coreano-americano Alex Koo. Este, que ficou mais conhecido como companheiro de Elbaz desde 1993, também exerceu um cargo de relevo na indústria da moda, tendo sido diretor de Merchandising nas maisons de moda francesas Lanvin e Yves Saint-Lauren, durante 10 anos, e até ao final de 2015.
 
No entanto, após múltiplos desfiles triunfantes, os rumores espalharam-se com o proprietário maioritário da Lanvin, a empresária chinesa de 80 anos Wang Shaw-lan, natural da cidade de Chongqing, que trabalha como editora do United Daily News e da editora Min Sheng Bao em Taiwan. E foi mesmo um grande choque quando Elbaz foi despedido em outubro de 2015.

Na opinião da maioria dos especialistas, o seu despedimento ainda é considerado como um dos objetivos mais estúpidos da gestão do luxo, uma vez que reduziu a avaliação da Lanvin em dois durante a noite.
 
Após a Lanvin, Alber Elbaz deveria desenvolver um perfume com Frédéric Malle e uma coleção de sapatos e bolsas com a Tod's, antes de encontrar um backer adequado com a Richemont para lançar a sua própria maison. Elbaz estreou o seu novo conceito AZ Factory em janeiro deste ano, capturando um preço acessível para o seu verdadeiro ADN: sofisticação na hora do cocktail, drapejamento superlativo e capacidade de realçar a beleza feminina com um acabamento exótico e artístico.
 
Para além de alargar o seu público alvo, Alber Elbaz também quebrou algumas regras com este lançamento, ao encenar aquilo a que chamou show fashion num espectáculo televisivo de variedades. 
 
Para um pequeno va-va-voom, um vestido profundamente cortado com ombros bouffant e mangas largas com botão; ou um vestido cocktail ajustado com enorme laço nas costas. Tudo contado em 11 peças, embrulhadas em poucas semanas para entrega e em paletas de cores variadas.
 
"Mas esta não é uma coleção cápsula, pois isso faz-me lembrar os antibióticos", lembrou Elbaz, numa última conversa minha (Godfrey Deeny) com ele, através de uma videochamada de Zoom.


O bem-humorado e singular Alber Elbaz - AZ Factory


 Tudo feito em tamanhos XX Small a XXX Extra Large.
 
"Conheço demasiadas mulheres que vão ao departamento das crianças para comprarem vestidos! Este é um projecto orientado para a solução", sublinhou Elbaz.

Aber Elbaz chamou Diamantes e Pérolas aos trajes de noite, distinguindo malhas negras decotadas terminadas com colares de logótipo em cristal e brincos com pendentes; ou múltiplos colares de pérolas de tamanho exagerado.  A sua outra decisão chave foi vestir o seu elenco com novos ténis alongados com plataformas pontiagudas, intitulando este modelo de Sneaky Pumps.
 
"É o mesmo cozinheiro, mas com ingredientes diferentes na cozinha", brincou.
 
Notou o seu grande amigo Ralph Toledano, que nomeou Elbaz diretor criativo da Guy Laroche em 1996: "Pelo menos, Alber foi muito feliz neste momento, após vários anos difíceis. Amava as pessoas e a humanidade estava sempre à sua frente e no centro das atenções. A sua moda foi sempre sobre homens e mulheres. Alber amava-os e gostava de ser amado. E era amado por tantos".
 
No final, chega a ironia mais amarga: Alber que entrou em isolamento pessoal, observou rigidamente o distanciamento social – e tinha gelatina por todo o lado – deveria ter sido a última vítima desta pandemia amaldiçoada. Mas, olhando para a sua carreira, poucos designers criaram tanta beleza, e conseguiram fazê-lo com tanto humor, ternura e panaché.
 
Non est ad astra mollis e terris via (melhor dizendo: não há caminho fácil desde a terra até às estrelas).
 

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.