×
341
Fashion Jobs
JD SPORT
Marketplace Business Developer (m/f)
Efetivo · Maia
FOREO
Business Development Specialist
Efetivo · Lisbon
SALSA
Ecommerce Product Specialist – Oportunidade de Especialização em Ecommerce
Efetivo · Vila Nova de Famalicão
ADIDAS
Buyer (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sap Fico Tech Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs HR Services - Compensation (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Sap Fico Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs Direct to Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sales Associate Part-Time - Centro Comercial The Style Outlets - Vila do Conde
Efetivo · Porto
TIFFOSI
Gestor de Produto (m/f)
Efetivo · Porto
JD SPORT
Demand Planner (m/f)
Efetivo · Maia
ADIDAS
HR Specialist Gbs Operations - General Admin - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Director Gbs Accounting & Tax Europe (m/f)
Efetivo · Porto
FAÇONNABLE (RETAIL)
Vendedor/a - 40h - Freeport
Temporario · ALCOCHETE
M+RC NOIR
Executive Assistant
Efetivo · PORTO
M+RC NOIR
Director of Collections / Production Manager
Efetivo · PORTO
THE KOOPLES
Sales Assistant 24h - Colombo
Efetivo · LISBOA
ADIDAS
Specialist Gbs Procurement Operations - French Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Credit And Collections Specialist North & Nordics (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Specialist Gbs Taxes Systems (M/F/D)
Efetivo · Porto
JD SPORT
Vendedor (m/f) Sport Zone Vasco da Gama
Temporario · Lisboa
JD SPORT
Vendedor (m/f) Sport Zone Viana Estação Shopping
Temporario · Viana do Castelo
Por
Agência LUSA
Publicado em
6 de dez. de 2021
Tempo de leitura
3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Empresários de moda preveem subida média de 3% dos preços em 2022

Por
Agência LUSA
Publicado em
6 de dez. de 2021

Quase 70% dos executivos de moda preveem uma subida média dos preços de retalho de 3%, em 2022, enquanto 15% espera aumentar em 10% ou mais, concluiu um relatório da McKinsey e da Business of Fashion (BoF), divulgado na sexta-feira (3).



Segundo a análise da BoF e da McKinsey, “uma combinação entre a escassez de material, estrangulamentos nos transportes e aumento dos custos de transporte irá inflacionar ainda mais os custos de produção e provocar desequilíbrios entre a oferta e a procura, forçando consequentemente as empresas a aumentar os preços para os consumidores”, levando a que 67% dos executivos de moda preveja aumentar os preços de retalho em 3% e 15% dos empresários a admitirem subidas de 10% ou mais.

As perspetivas da indústria da moda para 2022 são otimistas, estimando-se vendas globais a ultrapassarem os níveis de 2019 em 3% a 8%, ou seja, uma taxa de recuperação mais rápida do que a prevista há seis meses.

No entanto, as questões dentro da cadeia de abastecimento são a maior causa de preocupação para a indústria, com 87% dos empresários da moda a estimar que as perturbações tenham um impacto negativo nas margens no próximo ano.

De acordo com o relatório, 49% dos executivos de moda assinalaram as interrupções da cadeia de abastecimento como o principal tema a ter impacto nos seus negócios no próximo ano.

“A pressão sobre as cadeias de fornecimento globais, os custos crescentes e os bloqueios logísticos ameaçam a capacidade da indústria de entregar produtos aos clientes”, concluiu o estudo, acrescentando que “as empresas devem repensar as suas fontes e procurar implementar novas estratégias de gestão da cadeia de abastecimento para fazer face à procura dos clientes no próximo ano”.

De acordo com o índice Global Fashion da McKinsey (MGFI, na sigla inglesa), um recorde de 69% das empresas de moda sofreram destruição de valor em 2021, o que significa que obtiveram resultados negativos, arrastando para baixo o desempenho global da indústria.

No entanto, o MGFI mostra que o setor está a recuperar, uma vez que o desempenho na primeira metade de 2021 aponta para um possível regresso ao lucro económico até 2022.

Ainda assim, a recuperação terá diferentes velocidades dependendo da geografia, com o crescimento impulsionado pela China e Estados Unidos (EUA) e a Europa a ficar para trás.

Na China, a indústria da moda já recuperou para os níveis de vendas anteriores à pandemia em todos os segmentos, sendo esperado que o setor de luxo cresça entre 70% e 90% até ao final deste ano, em relação às vendas de 2019.

Já nos EUA, 43% dos consumidores admitem aumentar os seus gastos com moda em 2021.
Na Europa, embora se espere uma recuperação mais lenta, 67% dos executivos de moda esperam melhores condições comerciais em 2022, face a este ano.

O relatório concluiu ainda que 68% dos executivos de moda apontam a maturidade das soluções tecnológicas como o fator mais importante para permitir a escalada de soluções de moda sustentável.
De acordo com o índice Textile Exchange, atualmente, menos de 10% do mercado têxtil global é composto por materiais reciclados.

MPE // CSJ (Lusa)

Copyright © 2022 Agência LUSA. Todos os direitos reservados.