×
318
Fashion Jobs
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
15 de abr de 2020
Tempo de leitura
3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Empresas de vestuário perderão até 20% de seu valor de marca após a pandemia

Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
15 de abr de 2020

A pandemia do coronavírus COVID-19 está a afectar, radicalmente, muitas indústrias em todo o mundo e o vestuário é um dos sectores que mais sofre, com as empresas a enfrentarem uma perda potencial de 20% no valor de marca.


Nike é a marca de vestuário mais valiosa do mundo. - Nike Inc.


Segundo a consultora Brand Finance, que avaliou o impacto do COVID-19 no valor das empresas, o sector do vestuário será um dos mais afectados com a crise.

"A pandemia do COVID-19 certamente afectará bastante o sector do vestuário. A Brand Finance prevê que as marcas de roupas possam ter uma queda de até 20% no seu valor. À medida que estas empresas enfrentam encerramentos de lojas e fábricas, rupturas nas cadeias de abastecimentos e uma base de clientes que enfrenta uma incerteza económica sem precedentes, terão de se preparar para os dias difíceis e turbulentos que têm pela frente", disse Richard Haigh, diretor geral da Brand Finance.

Mas, como na maioria dos sectores, os danos que se seguirão dependerão muito de como as marcas responderem aos desafios. As empresas ágeis provavelmente sairão muito melhor do que as menos flexíveis, e os retalhistas com ideias inovadoras de comércio eletrónico ficarão mais fortes.

O aviso coincidiu com o lançamento do ranking da Brand Finance que enumera as marcas de vestuário mais valiosas do mundo.


Top 10 de marcas mais valiosas - Brand Finance


Nike é novamente a marca mais valiosa 



Pelo sexto ano consecutivo, a Nike conquistou o título de marca de vestuário mais valiosa do mundo. A marca de desporto norte-americana teve um aumento de 7% no valor da sua marca em 2019, atingindo 34,8 biliões de dólares. Isso, deve-se a uma mudança na estratégia de distribuição, com a empresa a optar por reduzir drasticamente o número de retalhistas que vende os seus produtos, para recuperar o controlo de relacionamento com os clientes.

Segue-se a Gucci, com o título de segunda marca de vestuário mais valiosa, aumentando em 20,2% o valor da marca, para 17,6 biliões de dólares, enquanto a rival da Nike, a Adidas, ficou em terceiro, com um valor de 16,5 biliões de dólares, uma queda de 1% em relação ao ano anterior.

A Louis Vuitton, com um valor de marca de 16,5 biliões de dólares, e a Cartier, com 15 biliões de dólares, completam o Top 5.

Zara, H&M e Uniqlo caem algumas posições



Após uma queda de 21% no valor de marca, a retalhista espanhola Zara caiu para a sexta posição, avaliada em 14,6 biliões de dólares. A H&M também sofreu uma queda de 12,7%, para 13,9 biliões de dólares, ocupando o sétimo lugar. Avaliada em 13,7 biliões de dólares, a Chanel aparece na oitava posição, seguida pela Uniqlo, com 12,9 biliões de dólares, e pela Hermès, com 12 biliões de dólares.

A Levi's é a marca que mais cresceu no ranking deste ano, com um aumento de 38%, para 4,1 biliões de dólares, enquanto a Rolex (7,9 biliões de dólares) é a marca de vestuário e acessórios mais forte do mundo.
 

Copyright © 2020 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.