×
Por
Jornal T
Publicado em
10 de jan de 2020
Tempo de leitura
2 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Exportações têxteis desaceleram em novembro

Por
Jornal T
Publicado em
10 de jan de 2020

Segundo os mais recentes dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), as exportações de têxteis e vestuário desaceleram em novembro, fazendo com que o valor acumulado nos onze primeiros meses de 2019 recue ligeiramente (-1%) quando comparado com o ano anterior.



Mesmo assim, as exortações para os países extracomunitários mantêm o ritmo de crescimento, tendo aumentado 3,7% em novembro de 2019 quando comparados com com o mês homólogo do ano anterior. Os Estados Unidos foram o destino que registou maior acréscimo absoluto, acrescentando mais 19 milhões de euros às suas importações, seguindo-se a Turquia com 10 milhões de euros.

Inversamente, segundo os dados do INE tratados tratados pela ATP, “as exportações de têxteis e vestuário no mês de novembro de 2019 sofreram uma quebra de 4,3% comparativamente com o mês homólogo de 2018. Assim, o valor acumulado nos primeiros onze meses de 2019 foi de 4.887 milhões de euros, -1% face a 2018”, revela o comunicado assinado pelo presidente da Associação Têxtil e do Vestuário de Portugal, Mário Jorge Machado.

Contudo, alguns mercados comunitários aumentaram mesmo assim as suas importações: França (mais 15 milhões de euros) e os Países Baixos (mais 12 milhões de euros), foram os casos mais destacados. No período em análise, as exportações para Espanha caíram 79 milhões de euros e para a Alemanha 15 milhões, tendo estes sido os mercados que sofreram maiores quebras em termos absolutos.

Neste período, a maior quebra absoluta registou-se no vestuário de malha (menos 52 milhões de euros, equivalente a menos 2,5%); inversamente, o vestuário em tecido foi a categoria de produtos que registou maior acréscimo absoluto, acumulando 26 milhões de euros.

Por outro lado, as importações de têxteis e vestuário estão em alta: mais 3% face a janeiro -novembro de 2018, com Itália, China, Espanha e Marrocos a liderarem a tabela dos países que assinalaram maiores acréscimos em termos do valor importado.


Copyright © Jornal T. Todos os direitos reservados.