Exportações têxteis mantêm crescimento numa conjuntura a arrefecer

As exportações do setor têxtil aumentaram 2% nos primeiros 11 meses do ano face ao período homólogo do ano passado, dando mostras de uma resiliência que a conjuntura parece não estar a acompanhar. Segundo os dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) e apuramento estatístico da ATP, até novembro de 2018, Portugal exportou 4.935 milhões de euros em produtos têxteis e vestuário, registando um crescimento de cerca de 2% face ao período homólogo de 2017.


As exportações do setor têxtil aumentaram 2% nos primeiros 11 meses do ano - Winsig

As exportações de têxteis para o lar e outros artigos têxteis confecionados aumentaram cerca de 5% e as de matérias têxteis e artigos de vestuário cresceram respetivamente 1,4 e 1,2%. Em termos de produtos, o vestuário de malha foi aquele que mais cresceu: atingiu os 61 milhões de euros (mais 3%), seguido dos tecidos revestidos, recobertos ou estratificados e artigos para usos técnicos de matérias têxteis, com um aumento de 39 milhões de euros (mais 16%).

A Itália foi o destino que assinalou maior crescimento absoluto (um acréscimo de 78 milhões de euros), seguido da Holanda e da China, ambos com mais 22 milhões de euros. Em sentido contrário, Espanha continua a registar a maior queda em termos absolutos: menos 67 milhões de euros, seguida do Reino Unido, com menos 14 milhões de euros.

A balança comercial dos têxteis e vestuário nos 11 meses, com dados conhecidos para 2018 teve um saldo de 965 milhões de euros, com uma taxa de cobertura de 124%.
Em termos gerais, os dados do INE mostram que as exportações portuguesas de bens caíram 8,7% em novembro, em termos homólogos, justificadas com a diminuição verificada no comércio intra e extra União Europeia.

Copyright © Jornal T. Todos os direitos reservados.

TêxtilIndústria
SUBSCREVA A NOSSA NEWSLETTER