Farfetch pretende enfrentar Amazon em ambicioso IPO de 5 mil milhões de dólares em Nova Iorque

A Farfetch, a melhor resposta da Europa para a Amazon no setor de luxo e moda, irá concluir até ao final desta semana a tão esperada oferta pública inicial (IPO) na Bolsa de Valores de Nova Iorque avaliada em até 4,8 mil milhões de dólares.


Farfetch

A Artemis, a holding familiar que controla o grupo de luxo Kering, proprietário da Gucci, Balenciaga e Saint Laurent, planeia investir 50 milhões de dólares na oferta, de acordo com documentos da Farfetch arquivados na Securities and Exchange Commission dos Estados Unidos no início deste mês.

A Farfetch espera atrair investidores dos Estados Unidos e do Reino Unido, mas muitos gestores de fundos e analistas estão a tentar entender como uma empresa que perde tanto dinheiro e sem rentabilidade à vista poderá ser tão cara. As perdas da Farfetch depois de impostos aumentaram 37%, para 112,3 milhões de dólares no ano passado.

A avaliação da Farfetch é muito maior do que a da retalhista online Amazon, que se tornou este mês a segunda empresa na história a alcançar a marca de 1 bilião de dólares, depois da Apple, ajudada pela alta do mercado de ações. A Farfetch procura uma avaliação sete vezes maior que as suas possíveis receitas de 2018, versus uma avaliação de cerca de 4,5 vezes maior que a Amazon.

Os investidores que comprarem ações da Farfetch estarão a apostar que podem superar a Amazon, que não esconde as suas ambições de se expandir para luxo e moda. Ambas as empresas são plataformas de mercado da Internet. As duas não compram stocks de marcas, ao contrário da Yoox Net-A-Porter e da Matchesfashion.com. Em vez disso, conectam retalhistas e marcas com consumidores online e recebem comissões em cada compra.

A Farfetch tem sido muito boa em cortar o acesso da Amazon ao mercado de luxo criando relacionamentos estratégicos com marcas como Saint Laurent, Burberry e Thom Browne, bem como com grandes retalhistas como JD.COM, na China, e o grupo Chalhoub, no Médio Oriente. Além disso, assinou acordos exclusivos com a maioria das suas 900 lojas parceiras. A 30 de junho, a Farfetch tinha mais de 3.200 marcas diferentes vendidas na sua plataforma.

A Farfetch, que tem como objetivo atrair fundos institucionais de tecnologia, retalho e bens de consumo, vai encerrar o seu road show em Kansas City na quarta-feira, depois de uma turnée que começou em Londres a 6 de setembro e viajou pelos Estados Unidos, passando por Nova Iorque, Boston, Chicago e Los Angeles. A faixa de preço das ações da empresa, que varia de 15 a 17 dólares, gera uma avaliação de 4,2 a 4,8 mil milhões de dólares. O preço deve ser anunciado na quinta-feira e as ações serão lançadas na sexta-feira sob o símbolo "FTCH".

Os investidores disseram que uma das suas preocupações é não ser claro por quanto tempo a Farfetch poderá manter a sua vantagem competitiva num mercado que muda rapidamente.

Uma vez que as marcas de moda e luxo investem nos seus próprios negócios de e-commerce, poderiam pressionar a Farfetch a aceitar comissões mais baixas, o que poderia afetar as receitas futuras. “Acredito que a comissão média da Farfetch provavelmente diminuirá com o tempo, mas, por outro lado, irão atrair tantas marcas e estão tão interessadas em inovação, digital e novidade que têm um potencial de crescimento significativo”, declarou Caroline Reyl, diretora de marcas premium da Pictet Asset Management, que administra vários fundos focados em marcas premium, com ativos totalizando 1,8 mil milhões de euros. Reyl disse que também ficou impressionada com a qualidade da gestão da Farfetch e as capacidades de liderança e visão do fundador e CEO da Farfetch, José Neves.

A Farfetch diz que o mercado online de moda e luxo está a crescer muito mais rápido do que o mercado global de artigos de luxo, avaliado em 307 mil milhões de dólares em 2017 e que deve aumentar cerca de 6% a 8% este ano e alcançar 446 mil milhões de dólares até 2025.

José Neves terá um poder considerável graças a uma estrutura de voto de duas classes que lhe dará 78% dos direitos de voto, o que significa que a empresa não pode tomar qualquer decisão estratégica sem o seu consentimento. "O facto de o CEO ter tanto poder de voto pode ser um problema para os investidores. Todos os acionistas devem ter os mesmos direitos", disse Andrea Gerst, que administra o fundo de luxo GAM em Zurique, com 350 milhões de euros em ativos sob administração. Gerst disse que o facto de a Farfetch ser deficitária tornou a avaliação difícil. “A Farfetch tem uma grande história de sucesso até ao momento, mas é difícil fazer uma avaliação correta porque está a perder dinheiro. Para empresas de tecnologia como a Farfetch, é difícil fazer uma previsão para os próximos 10 anos, visto haver tantas mudanças a acontecer". Diversas fontes do mercado informaram que a Farfetch disse aos investidores que pretende gerar uma margem de cerca de 30% do EBITDA (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização), mas não especificou quando.

No seu prospeto, a Farfetch diz aos investidores que não pretende obter lucro no futuro previsível, e prefere investir em tecnologia e participação de mercado - que é uma estratégia que os investidores em tecnologia entendem e geralmente incentivam.

"Podemos continuar a obter prejuízos depois dos impostos no futuro, não podemos assegurar que alcançaremos rentabilidade, e poderemos continuar a registar perdas significativas em períodos futuros", disse a Farfetch no documento. A Amazon e outros retalhistas online, como a Net-A-Porter, tiveram propositadamente prejuízos durante anos para investir na aquisição de novos clientes.

“A nossa promessa aos investidores é dedicação ilimitada aos nossos consumidores, inovação incansável e foco na obtenção de crescimento sustentável e contínuo”, disse José Neves na sua carta pessoal incluída no documento da SEC.

O documento da SEC mostra que a Farfetch teve prejuízos após impostos de 112,3 milhões de dólares, com receita de 386 milhões de dólares em 2017, acima do prejuízo de 81,5 milhões sobre receita de 242,2 milhões de dólares em 2016.

"Quando se começa a ser grande, a pergunta que todos fazem é durante quanto tempo conseguirá manter a sua vantagem competitiva", diz Mario Ortelli, sócio-gerente da empresa de consultoria de luxo Ortelli & Co. “É preciso, de alguma forma, fornecer um  valor agregado mais alto aos clientes: serviço melhor, preços mais baixos, seleção com curadoria, produtos exclusivos, programas de fidelidade atraentes etc”.

Outra preocupação é durante quanto tempo a Farfetch pode defender as vendas a preço integral, já que a maioria dos concorrentes, como a Net-a-Porter, começou com preços cheios, mas depois de ver que o mercado estava a ficar cada vez menor, começaram a oferecer descontos cada vez maiores.

A Farfetch arrecadou mais de 700 milhões de dólares desde a sua criação, há uma década. Se a empresa tiver um preço de 16 dólares por ação no ponto médio da sua faixa de preço indicativo, o lucro líquido será de 446,5 milhões de dólares.

Os documentos mostram que a Farfetch se registou no popular paraíso fiscal das Ilhas Cayman em maio. Além disso, o acionista e sócio chinês da Farfetch, JD.com, que investiu 397 milhões de dólares na empresa no ano passado, adquiriu o direito de comprar ações para preservar a sua participação após a diluição induzida pelo IPO. Após o mesmo, a sua participação deve ficar em torno de 17%, fazendo que se torne o maior acionista.

O documento também mostra que a esposa de Neves, Daniela Cecilio, vendeu à Farfetch, a 31 de outubro de 2017, a sua empresa de fashion concierge ASAP 54, por mais de 2 milhões de dólares. Embora a imprensa tenha ressaltado o facto de Daniela Cecilio ser esposa de José Neves, o investimento fazia sentido para a Farfetch, pois há muito tempo a empresa queria ter o seu próprio serviço VIP e fazia sentido que a companhia comprasse uma empresa que pudesse acompanhar desde perto.

A maioria dos membros da equipa executiva da Farfetch, incluindo José Neves, tem opções para comprar ações que expiram depois de dez anos. Natalie Massenet, diretora não-executiva, continuará a atuar como co-presidente e embaixadora da empresa em eventos, e prestará serviços de consultoria. Este ano, Stephanie Phair, diretora de estratégia da Farfetch, tornou-se a sucessora de Massenet como presidente do British Fashion Council.

A Farfetch recusou-se a comentar sobre qualquer assunto relacionado com o seu documento da SEC ou a dar detalhes sobre seu IPO.

Traduzido por Novello Dariella

Copyright © 2018 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.

Luxo - Pronto-a-vestirLuxo - DiversosNegócios
SUBSCREVA A NOSSA NEWSLETTER