×
302
Fashion Jobs
DIRETOR(A) INDUSTRIAL
Diretor(a) Industrial
Efetivo · MONACO-VILLE
GIANNI KAVANAGH
PR / Influencers Management
Efetivo · BRAGA
ADIDAS
Specialist Gbs HR Services Bik - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
TIFFOSI
Comprador de Vestuário (m/f)
Efetivo · Porto
CONFIDENCIAL
Country Manager Iberica Textile
Efetivo · PORTO
SALSA
Ecommerce Product Manager – Desenvolvimento do Negócio Digital da Marca
Efetivo · Vila Nova de Famalicão
SPORT ZONE
Marketplace Business Developer (m/f)
Efetivo · Maia
SALSA
Ecommerce Product Specialist – Oportunidade de Especialização em Ecommerce
Efetivo · Vila Nova de Famalicão
ADIDAS
Buyer (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sap Fico Tech Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Sap Fico Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs Direct to Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sales Associate Part-Time - Centro Comercial The Style Outlets - Vila do Conde
Efetivo · Porto
TIFFOSI
Gestor de Produto (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
HR Specialist Gbs Operations - General Admin - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Director Gbs Accounting & Tax Europe (m/f)
Efetivo · Porto
DAMA DE COPAS
Consultora de Lingerie
Efetivo · PORTO
THE KOOPLES
Sales Assistant 16h - Eci Lisbon
Efetivo · LISBOA
EMPRESA DE MODA NO SETOR DO LUXO
Vendedor/a de Loja de Gama Alta
Temporario · LISBOA
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Foz Plaza - a Tua Melhor Versão
Efetivo · Figueira da Foz
COURIR PORTUGAL
Sales Assistant - Coimbra cc Forum Coimbra - CDI - Part-Time - 20h - m/h
Efetivo ·
COURIR PORTUGAL
Sales Assistant - Lisboa cc Chiado - CDI - Part-Time - 20h - m/h
Efetivo · LISBOA
Por
Agência LUSA
Publicado em
26 de jan. de 2022
Tempo de leitura
3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Gestão da Dielmar não correspondia às necessidades da empresa, diz Governo

Por
Agência LUSA
Publicado em
26 de jan. de 2022

O secretário de Estado Adjunto e da Economia afirmou na terça-feira (25) que aquilo que falhou na Dielmar foi uma gestão que não correspondia às necessidades da empresa, apesar de o Governo ter tentado, por diversas vezes, alterar a situação.


A Dielmar pediu a insolvência em agosto de 2021 ao fim de 56 anos de atividade - Fotografia: Facebook Dielmar


“Ao longo da minha passagem pelo Ministério [da Economia] fiz diversas intervenções que permitiram tentar encontrar soluções para a situação da Dielmar, que foram sucessivamente recusadas pelos acionistas privados”, afirmou João Neves.

O governante falava aos jornalistas, à margem de uma visita às instalações da empresa de confeções Dielmar, após o Grupo Valérius ter chegado a acordo para ficar com a fábrica de Alcains, que pediu insolvência em agosto.

“O que falhou foi claramente uma gestão que não correspondia às necessidades da empresa. A intervenção do Estado era minoritária e a gestão daquilo que era feito, era dos acionistas privados.
Por diversas vezes nós procuramos, do lado da intervenção pública, alterar a situação porque era uma situação que manifestamente não correspondia às necessidades que objetivamente existiam”, sublinhou.

O secretário de Estado recusou fazer qualquer avaliação judicial do processo e disse que não é a ele que compete fazer isso.

Contudo, disse que este é claramente um processo que tem duas faces: Uma que não é exemplar, e que só pode servir como aquilo que não deve ser feito para a recuperação de uma solução empresarial. E a outra, onde se empenhou pessoalmente, com a colaboração da Câmara de Castelo Branco, Instituto do Emprego e da Formação Profissional e Banco Português de Fomento, para encontrar uma solução que permita olhar para os ativos, valorizando os trabalhadores.

“É isso que está agora a ser feito. Espero que a história venha a demonstrar que esta é uma intervenção como deve ser feita”, defendeu.

João Neves espera que este dia marque uma viragem na situação da Dielmar, permitindo encontrar uma solução de base empresarial que seja uma solução de futuro.

“O Grupo Valérius é um grupo conhecido, com presença em vários setores industriais, nomeadamente no têxtil e na confeção, e o que temos como expectativa, e que foi a base da proposta de recuperação deste conjunto de ativos, é que tenham aqui uma solução do ponto de vista industrial, forte”, frisou.

Adiantou ainda que a base desta solução empresarial são os trabalhadores.

“Se não houvesse pessoas com experiência e com qualidade, certamente que não teríamos uma solução para Alcains, para estas instalações e para estes trabalhadores” sublinhou.

Segundo o governante, a perspetiva é que sejam feitas alterações do ponto de vista da organização da produção nos próximos meses e que a laboração seja concretizada ao longo do primeiro semestre do ano.

“A base para fazer estas mudanças é um processo de requalificação profissional, porque a organização industrial vai ser profundamente alterada face ao passado. Os passos têm que ser dados com segurança”, concluiu.

Fundada em 1965, em Alcains, no concelho de Castelo Branco, por quatro alfaiates que uniram os seus conhecimentos, a Dielmar, que empregava atualmente mais de 300 trabalhadores, pediu a insolvência ao fim de 56 anos de atividade, uma decisão que a administração atribuiu aos efeitos da pandemia de covid-19.

O pedido de insolvência foi apresentado no dia 2 de agosto de 2021, tendo o Juízo de Comércio do Fundão da Comarca de Castelo Branco declarado a insolvência no dia seguinte.

Depois da rescisão de contratos para os trabalhadores das lojas e da não renovação dos contratos a termo, a empresa tem ainda cerca de 245 trabalhadores.

Depois de algumas assembleias de credores não definitivas, em novembro de 2021 foi decidido avançar com o encerramento da empresa e respetiva liquidação da massa insolvente.
 
CCC // JEF (Lusa)

Copyright © 2022 Agência LUSA. Todos os direitos reservados.