×
357
Fashion Jobs
UNREAL FIELDS
Creative/Art Director
Efetivo - CLT · LISBOA
SALSA
Commercial Product Manager - Work With Product in The Fashion Business
Efetivo - CLT · Vila Nova de Famalicão
SALSA
IT Development Specialist – Oportunidade de Fazer a Diferença no Dia a Dia do Utilizador Final
Efetivo - CLT · Vila Nova de Famalicão
ADIDAS
Sap Fico Tech Consultant (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Buyer (m/f) - French Speaker
Efetivo - CLT · Porto
TIFFOSI
Area Manager (m/f)
Efetivo - CLT · Faro
ADIDAS
Buyer - German Speaker (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Buyer - Italian Speaker (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
JD SPORT
Stock Financial Controller
Efetivo - CLT · Alicante
JD SPORT
Demand Planner
Efetivo - CLT · Alicante
SALSA
Vendeur(se) Carre Senart 30h
Efetivo - CLT · Paris
LION OF PORCHES
Fotógrafo (m/f) – Vila do Conde
Efetivo - CLT · PORTO
BWGROUP
Fashion Styling And Production
Efetivo - CLT · BRAGA
BWGROUP
Fashion Design Intern
Estágio · BRAGA
CONFIDENTIAL
Concession Manager w/m - Lisboa - Full Time
Efetivo - CLT · LISBOA
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Famalicão - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Vila Nova de Famalicão
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Freeport - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Alcochete
BWGROUP
Controle de Qualidade / Tabelas de Medidas
Efetivo - CLT · BRAGA
LEVI'S
Part-Time 20h Levis el Corte Inglês Gaia
Efetivo - CLT · Vila Nova de Gaia
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Wshopping (Santarém) - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Lisboa
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Évora Plaza - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Évora
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Albufeira - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Albufeira
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
27 de out de 2020
Tempo de leitura
4 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Gigantes de luxo recuperam no terceiro trimestre graças à Ásia e EUA

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
27 de out de 2020

Os resultados trimestrais dos gigantes do luxo devolvem a confiança à indústria e ao mercado. Após dois trimestres a meia haste, fortemente afetados pela pandemia de COVID-19, a Hermès, LVMH e Kering ilustraram a resiliência do setor, com as vendas a aumentarem acentuadamente na China, algumas também na América do Norte e na Web.


Hermèsregressou ao crescimento este verão - © PixelFormula


Em particular, a Hermès voltou ao crescimento nos últimos três meses, com vendas de 1,8 mil milhões de euros, mais 4,2% (+7% a taxas de câmbio constantes), depois de ter caído 41,5% no segundo trimestre. A Kering registou vendas no valor de 3,7 mil milhões de euros, excedendo as expectativas. As vendas caíram apenas 4,3% (-1,2% em termos comparáveis), em confronto com uma queda de 43% no trimestre anterior.
 
A LVMH teve também um desempenho acima das expectativas dos analistas, com vendas de 11,9 mil milhões de euros no terceiro trimestre, menos 3% (-7% numa base orgânica) em comparação com o mesmo período do ano passado, enquanto que no segundo trimestre mergulhou 38%. Mas, a sua divisão de moda e artigos de couro viu as vendas saltarem 9% (+12% em termos orgânicos) para 5,9 mil milhões de euros, ao passo que no segundo trimestre (-37%) tinham entrado em colapso.

"A procura de produtos de luxo aumentou significativamente este verão, apesar de as viagens intercontinentais serem praticamente inexistentes", comenta Luca Solca, analista do Bernstein.


As vendas da Guccicaíram em julho e setembro - © PixelFormula


Gucci ainda sem relevo

Segundo alguns especialistas, a Dior e Louis Vuitton, as marcas emblemáticas do número 1 em luxo, experimentaram um crescimento ainda maior entre julho e setembro. Este não foi o caso da Gucci, a verdadeira potência da Kering, cujas vendas caíram 12,1% (-8,9% numa base comparável) no período para 2,09 mil milhões de euros, enquanto as da Bottega Veneta aumentaram 17% (+20,7% numa base comparável) para 332,5 milhões de euros, e a Saint Laurent voltou a crescer com um volume de negócios de 510,7 milhões de euros acima de 0,8% (+3,9% numa base comparável).

Estas comparações realçam o sucesso das marcas de luxo mais icónicas. A Hermès beneficia em particular de um modelo empresarial que gera algumas das receitas mais previsíveis e do crescimento da margem operacional no setor. Com a sua imagem de marca muito forte e intemporal e os produtos que se tornaram clássicos do luxo, frequentemente considerados como valores de um porto seguro, sempre se mostrou mais resistente em tempos de crise do que os seus concorrentes, como foi o caso entre 2006 e 2008.

A Gucci, por outro lado, que sofreu uma explosão nos últimos anos sob a égide do diretor artístico Alessandro Michele, está mais ligada à sua imagem criativa. A estética muito particular e reconhecível do designer, que pode ser vista a todos os níveis da maison, gerou uma forte paixão entre os clientes, que sem dúvida vêem o seu efeito desvanecer-se com as estações do ano. Certamente, a marca sofreu mais devido à sua maior exposição aos fluxos turísticos. Além disso, os investimentos nela injetados darão frutos a longo prazo.

De um modo geral, os bons resultados do terceiro trimestre foram impulsionados pela recuperação das vendas na Ásia, especialmente na China, onde a Hermès tem uma forte presença. "O setor do luxo está a ir muito bem. A esfera asiática é muito poderosa, especialmente na China, onde aqueles que não puderam vir e comprar na Europa ainda foram às compras locais", diz Arnaud Cadart, gestor de carteira da Flornoy, citado pela AFP.

Nos últimos três meses, a Hermès continuou a desfrutar de um impulso positivo na Ásia, com um salto de 25,2% nas vendas na região da Ásia-Pacífico, excluindo o Japão. Em detalhe, registou um "desempenho notável da China continental, Coreia, Austrália e Tailândia" e uma recuperação no Japão (+8,1%).


Dior e Louis Vuitton, número 1 em luxo,experimentaram um crescimento ainda maior entre julho e setembro - © PixelFormula


A Kering relata também um forte crescimento na Ásia, "principalmente na China e Coreia" (+18,5% na Ásia-Pacífico), e especialmente na América do Norte (+44,1%), "apoiado por uma recuperação da procura local" e "um ambiente de consumo favorável" ligado à repatriação de despesas que os turistas americanos não puderam fazer na Europa e a medidas fiscais tomadas através do Atlântico.
 
No terceiro trimestre, a LVMH "viu a barriga crescer" 13% na Ásia, excluindo o Japão. Como salientou Jean-Jacques Guiony, o diretor financeiro do grupo, a procura interna é muito positiva na China, mas ainda existem sérias barreiras para os consumidores chineses fazerem compras fora do país.
 
Finalmente, para todos, as vendas online aumentaram significativamente. Segundo o diretor financeiro da Hermes, Eric du Halgouët, a loja eletrónica do grupo tornou-se mesmo a principal maison, com crescimento nos quase três dígitos.
 

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.