×
306
Fashion Jobs
ADIDAS
Senior Technology Consultant - Product & Supply Chain (M/F/D)
Efetivo ·
ADIDAS
Tech Analyst - Digital & Omnichannel/ Manage Business (M/F/D)
Efetivo ·
SACOOR BROTHERS
Sales Assistant- c. Comercial Braga Parque
Efetivo · Braga
ADIDAS
Service Manager - Sales Services (M/F/D)
Efetivo ·
ADIDAS
Technology Consultant - Manage Business (Sap Fico/ Sap Hcm) (M/F/D)
Efetivo ·
ADIDAS
Technology Consultant - Omnichannel (M/F/D)
Efetivo ·
ADIDAS
Buyer - German/Italian/French/Spanish (M/F/D)
Efetivo ·
IRO
Manager Lisboa
Efetivo · LISBOA
ADIDAS
Senior Specialist Payroll (M/F/D) - HR Services
Efetivo ·
ADIDAS
Sap Consultant - bw4hana/Sac (M/F/D)
Efetivo ·
ADIDAS
Senior Sap Solution Architect - Ariba (M/F/D)
Efetivo ·
ADIDAS
Assistant Product Owner (M/F/D)
Efetivo ·
ADIDAS
Product Owner (M/F/D)
Efetivo ·
ADIDAS
sr Sap Consultant - bw4hana/Sac (M/F/D)
Efetivo ·
SACOOR BROTHERS
Sales Assistant- c. Comercial Ubbo Alfragide
Efetivo · Lisboa
CH CAROLINA HERRERA
Sales Assistant - ch Carolina Herrera
Trabalho temporário · OPORTO
NIKE
Assistant Head Coach (Assistant Store Manager)
Efetivo · Vila do Conde
NEW BALANCE
Asistente de Gerente de Loja - Freeport
Efetivo · Alcochete
SALSA
Trade Marketing Specialist – Suporte Aos Canais Wholesale & Dept.Stores
Efetivo · Vila Nova de Famalicão
SPORTSDIRECT EU
Assistente de Venda a Tempo Parcial – Sports Direct - Sintra - Portugal
Efetivo · AGUALVA-CACÉM
PURIFICACIÓN GARCÍA
Sales Assistant Puricacion Garcia
Efetivo · LISBOA
NIKE
Nike Coach (Department Manager)
Efetivo · Vila do Conde
Por
Reuters API Fashion
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
24 de jan. de 2023
Tempo de leitura
3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Gigantes do luxo apostam no regresso dos consumidores chineses à medida que os ocidentais reduzem as compras

Por
Reuters API Fashion
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
24 de jan. de 2023

A indústria do luxo está a voltar o seu foco para a China, com a esperança de que os seus consumidores de luxo retomem os gastos durante as festividades do Ano Novo Lunar, enquanto Pequim relaxa as restrições relacionadas com a doença de COVID-19 após três longos anos.


BURBERRY - primavera-verão 2023 - moda feminina - Reino Unido - Londres - © ImaxTree


Os resultados trimestrais da LVMH e de outras empresas de artigos de luxo da Europa vão mostrar o quanto as interrupções relacionadas com a doença de COVID-19 na China as afetaram, mesmo quando lançam novas coleções vinculadas ao Ano-Novo Chinês do Coelho.

Espera-se uma desaceleração no crescimento das vendas ao longo do trimestre, à medida que a ostentação pós-pandémica pela moda de luxo começa a diminuir nos Estados Unidos e na Europa.

As estimativas consensuais citadas pelo UBS são de um crescimento de vendas de 7% no quarto trimestre da LVMH, que divulgará os resultados do ano inteiro na quinta-feira, e de uma queda de 2% nas vendas da Kering, que divulgará os seus resultados a 15 de fevereiro. Os resultados trimestrais de 17 de fevereiro devem mostrar um crescimento de vendas de 17%, um declínio de 24% no terceiro trimestre.

Os resultados do sector na China devem mostrar o impacto dos bloqueios e a sua subsequente saída de uma política de COVID-zero, que provocou uma onda de infeções na segunda maior economia do mundo. Os gastos de cidadãos chineses com luxo caíram de 33% no mercado global de bens pessoais de luxo em 2019, para apenas 17% no ano passado, segundo estimativas da consultoria Bain.

“Acreditamos que eles voltarão ao setor de luxo com força, para recuperar o que não conseguiram em 2022”, disse Caroline Reyl, diretor de marcas premium da Pictet Asset Management, referindo-se aos consumidores chineses.

Os resultados de fim de ano da britânica Burberry e do proprietário da Cartier, Richemont, deram aos investidores um vislumbre do impacto. A Richemont não atingiu as estimativas do mercado, uma vez que as vendas na China caíram um quarto. O tráfego de clientes nas suas lojas diminuiu e os funcionários muitas vezes não estiveram disponíveis. Nomeadas lojas reduziram o horário ou fecharam temporariamente. O crescimento das vendas comparáveis da Burberry desacelerou acentuadamente para 1% no trimestre encerrado em dezembro, após uma queda de 23% na China continental.

Mas a Burberry disse estar otimista e espera que os consumidores na China voltem a gastar novamente.  A Richemont, por sua vez, observou uma recuperação antes das festas e aumentou as estimativas para os próximos meses.

Prevê-se que a China se torne o maior mercado da indústria de luxo até 2025. O sector do luxo está entre os maiores vencedores esperados do afrouxamento das restrições da China que mantiveram os compradores fora das lojas durante meses, com ações da LVMH, a empresa mais valiosa da Europa listada no valor de cerca de 400 mil milhões de euros (433,1 mil milhões de dólares) e a Hermès recentemente atingindo recordes históricos.

Nos desfiles de moda de Paris, que vão até o final desta semana, os compradores chineses, sempre presentes nestes eventos antes da pandemia, ainda não retornaram em massa.

Embora se espere que os chineses retomem inicialmente as viagens dentro da Ásia, a Europa é uma região que beneficia particularmente com o retorno dos turistas chineses. Reyl disse à Reuters que acredita que os compradores chineses podem começar a regressar à Europa de forma percetível no final do segundo trimestre ou durante o segundo semestre deste ano.

Nos Estados Unidos, alguns americanos estão a cortar gastos discricionários devido à alta inflação. Dados de cartão de crédito do Citigroup mostraram que os gastos com luxo nos Estados Unidos em dezembro caíram 10% em relação ao ano anterior e, em comparação com 2019, ficaram negativos, com uma queda de 2%, em grande parte devido a negócios mais fracos em lojas de departamento e plataformas online.

No entanto, os viajantes americanos provavelmente continuarão a impulsionar as fortunas das marcas de luxo na Europa, com os cidadãos dos EUA a liderarem uma recuperação nas compras isentas de impostos na Europa, de acordo com dados de dezembro da Global Blue.
 

© Thomson Reuters 2023 All rights reserved.