×

Grupo Armani regressa ao caminho do crescimento de receitas em 2019

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
10 de jul de 2020
Tempo de leitura
3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Excelente notícia para o Grupo Armani, que vê as receitas regressarem ao crescimento em 2019, um ano antes das previsões esperadas do plano de reorganização lançado em 2017. Um plano baseado num caminho estratégico de simplificação e requalificação da carteira de marcas e da rede de distribuição, orientado para resultados a médio-longo prazo, que prevê o enfoque exclusivo nas marcas Giorgio Armani, Emporio Armani e A|X Armani Exchange.


EA7 - Emporio Armani


O grupo fundado em 1975, em Milão, por Giorgio Armani e Sergio Galeotti, terminou 2019 com receitas líquidas de aproximadamente 2,16 mil milhões de euros (+2,3% sobre 2018), graças principalmente à tendência positiva das vendas numa base comparável (+7% sobre o ano anterior), na rede de lojas e comércio electrónico gerida directamente pela empresa, enquanto as receitas induzidas (incluindo licenças) foram ainda melhores, crescendo 9% para aproximadamente 4,16 mil milhões de euros.
 
O Grupo Armani recorda também que, com vista a apoiar a fase de relançamento subsequente, em 2019 realizou investimentos de 105,5 milhões de euros, online, com o nível de 2018 (105,7 milhões de euros).

E os lucros? O lucro antes de impostos (ex IFRS 16) foi de 175 milhões de euros, 12% abaixo dos 200 milhões em 2018, enquanto que o lucro líquido foi de 124 milhões de euros (152 no ano passado). O capital líquido do grupo manteve-se estável em 2,05 mil milhões de euros. Além disso, Giorgio Armani tem uma liquidez líquida de 1,215 mil milhões de euros. Era de 1,316 mil milhões um ano antes, mas este valor deve ser lido em relação ao maior investimento em capital de exploração, representado pelas numerosas iniciativas de renovação de coleções e pontos de venda, e pelo stock de produtos oferecidos na crescente rede de lojas directas do Grupo.
 
Pontos de venda geridos directamente que, no final de 2019, eram 598  um aumento de aproximadamente 70, em comparação com o final de 2018. Dada a significativa selectividade da distribuição por grosso, a empresa italiana expandiu a sua rede de distribuição directa através da aquisição de pontos de venda em algumas províncias da China (principalmente Guangdong e Sichuan), Macau e México.


Giorgio Armani


Comentando finalmente a situação das consequências da pandemia de COVID-19, o grupo Armani fez questão de salientar no seu comunicado de imprensa que, desde os primeiros dias da emergência sanitária, tomou todas as medidas consideradas necessárias para garantir a segurança dos empregados, clientes e operadores do sector. Medidas de precaução, cada vez mais rigorosas, foram tomadas em Armani/ Silos, nas lojas, restaurantes e hotéis do grupo em todo o mundo (e Giorgio Armani foi o primeiro estilista que decidiu, quando a epidemia eclodiu em Itália, realizar o seu desfile de moda à porta fechada durante a Semana da Moda de Milão, transmitindo-o online (e recolhendo até 11 milhões de vistas, nota do editor).
 
Para além de gerir a emergência, o grupo lembra-se de ter imediatamente estabelecido calendários mais racionais de concepção, entrega e vendas nas lojas, alinhando-os com a sazonalidade e as necessidades reais dos consumidores finais. Uma escolha coerente com o princípio da redução de ineficiências e desperdícios e coerente com as exigências agora generalizadas de sustentabilidade, transversal a cada sector.
 
Finalmente, o grupo Armani sublinha na nota que, possui, tanto os recursos como uma estrutura patrimonial e financeira amplamente consolidada, para enfrentar incertezas e continuar com determinação o seu plano estratégico para o futuro.
 

Copyright © 2020 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.