×
302
Fashion Jobs
DIRETOR(A) INDUSTRIAL
Diretor(a) Industrial
Efetivo · MONACO-VILLE
GIANNI KAVANAGH
PR / Influencers Management
Efetivo · BRAGA
ADIDAS
Specialist Gbs HR Services Bik - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
TIFFOSI
Comprador de Vestuário (m/f)
Efetivo · Porto
CONFIDENCIAL
Country Manager Iberica Textile
Efetivo · PORTO
SALSA
Ecommerce Product Manager – Desenvolvimento do Negócio Digital da Marca
Efetivo · Vila Nova de Famalicão
SPORT ZONE
Marketplace Business Developer (m/f)
Efetivo · Maia
FOREO
Business Development Specialist
Efetivo · Lisbon
SALSA
Ecommerce Product Specialist – Oportunidade de Especialização em Ecommerce
Efetivo · Vila Nova de Famalicão
ADIDAS
Buyer (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sap Fico Tech Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Sap Fico Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs Direct to Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sales Associate Part-Time - Centro Comercial The Style Outlets - Vila do Conde
Efetivo · Porto
TIFFOSI
Gestor de Produto (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
HR Specialist Gbs Operations - General Admin - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Director Gbs Accounting & Tax Europe (m/f)
Efetivo · Porto
COURIR PORTUGAL
Sales Assistant - Coimbra cc Forum Coimbra - CDI - Part-Time - 20h - m/h
Efetivo ·
COURIR PORTUGAL
Sales Assistant - Lisboa cc Chiado - CDI - Part-Time - 20h - m/h
Efetivo · LISBOA
PEPE JEANS (RETAIL)
Vendedor / Vendedora - Coimbra
Efetivo · COIMBRA
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja (Part-Time) - Madeira Shopping - a Tua Melhor Versão
Efetivo · Funchal
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja (Part-Time) - Funchal Rua - a Tua Melhor Versão
Efetivo · Funchal
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
18 de fev. de 2022
Tempo de leitura
5 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Gucci continua a ter bom desempenho e confirma liderança em 2021

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
18 de fev. de 2022

A Gucci regressa às cores e permite que a Kering termine o ano com uma nota alta. A maison italiana, que por si só representa mais de metade do volume de negócios do grupo de luxo e três quartos do seu lucro operacional, terminou 2021 com uma nota alta em vendas de 31% a 9,73 mil milhões de euros, recuperando o seu nível pré-pandémico, de um total de 17,6 mil milhões para a empresa como um todo, sendo esta também proprietária da Yves Saint Laurent, Balenciaga e Bottega Veneta, entre outras.


A coleção Aria marca a subida do mercado em 2021 - Gucci


Com a chegada ao leme de Alessandro Michele na direção artística e do CEO Marco Bizzarri, a maison experimentou um salto fantástico entre 2015 e 2019, antes de marcar o tempo nos últimos anos. No terceiro trimestre de 2021, em particular, os seus resultados haviam desapontado com um aumento de apenas 3,8%, devido ao ressurgimento de casos COVID-19 na Ásia e à chegada tardia às lojas da sua coleção Aria para a estação de outono-inverno 2021/2022. Contudo, uma aceleração clara no quarto trimestre (+17,8%) permitiu a sua recuperação.
 
O canal direto, que representa agora 91% das vendas da marca, foi particularmente dinâmico apesar do encerramento parcial das lojas devido à pandemia, saltando 37% em relação a 2020. Em comparação com 2019, que tinha sido um ano recorde, o aumento atingiu 10,4%, o que é um desempenho muito melhor do que o crescimento comparável das vendas globais da marca ao longo de dois anos (+3,4%). Só no quarto trimestre, o salto foi de +35% na sua própria rede (+25% em dois anos). Além disso, o comércio eletrónico atingiu uma penetração de quase 16% da atividade retalhista, com as vendas online a explodirem literalmente (+55,1% em relação a 2020 e +163% em dois anos). Além disso, a empresa está a contar com um regresso gradual das suas atividades no canal retalhista de viagens.

Como o responsável pelo grupo, François-Henri Pinault, salientou durante uma teleconferência com analistas, a Kering reforçou a exclusividade do seu canal de distribuição a nível mundial, a começar pela Gucci, cujas vendas por grosso representarão apenas 9% em 2021, contra 15% em 2019, sendo o objetivo a longo prazo estabilizar entre 5% e 7%. O canal grossista registará assim um declínio de 10% em 2021 e de -39% em relação a 2019.
 
A maison florentina reforçou notavelmente os seus fundamentos em 2021, e viu o seu lucro operacional atual subir 42% no ano passado, para 3,715 mil milhões de euros, com uma margem operacional atual de 38,2%. "A Gucci experimentou uma recuperação significativa da rentabilidade ao implementar um plano estratégico de investimento, particularmente em atividades de clientela e comunicação, mas também na melhoria da sua rede de vendas, através de novas aberturas e relocalizações", disse o diretor financeiro Jean-Marc Duplaix.
 
Esta aceleração no final do ano foi impulsionada pela comercialização da coleção Aria e da cápsula do Project Hacker criada com a Balenciaga, bem como por um intenso calendário de iniciativas através de eventos e pop-ups organizados nas lojas e coleções cápsula, como a dedicada ao centenário da Gucci ou a colaboração com a North Face, que permitiu a criação de uma nova categoria. O programa deverá ser igualmente rico em 2022 com novas colaborações.
 
Em 2021, a Gucci também expandiu a sua oferta, avançando ainda mais em termos de valores. "A marca está a ganhar nos segmentos de alta joalharia e de alta gama do mercado", entusiasma-se a dizer François-Henri Pinault, explicando que "esta nova oferta aumentou significativamente e é muito mais elevada em termos de preço do que a oferta anterior da Gucci. Por isso, desempenhará um papel importante este ano.


Os números da Gucci em 2021 - Kering


O que tem sido particularmente bem sucedido é o sortido da oferta e, a este respeito, a coleção Aria marcou um passo fundamental em frente, através da "natureza de alta qualidade da coleção, acompanhada de um aumento do preço médio de venda e do aumento seletivo de certos preços em todos os setores". A estratégia era claramente de aumentar o preço médio em todas as categorias, bem como a perceção da coleção", sublinha Jean-Marc Duplaix.
 
Neste contexto, 2021 é um ano fulcral para o retalhista de luxo italiano. "Este é o momento em que decidimos alargar a oferta e concentrar-nos nos produtos topo de gama da Gucci. Isto materializou-se na coleção Aria, e esta estratégia vai continuar, como aconteceu com a seguinte coleção da Love Parade", acrescenta François-Henri Pinault. "A Gucci não trata apenas de criatividade e injeções sazonais, mas também de códigos, artesanato e produtos icónicos intemporais. O objetivo é alcançar novos segmentos de clientes e reforçar o nosso poder de fixação de preços", diz o CEO.
 
Geograficamente, a região Ásia-Pacífico continua a ser o principal mercado para a empresa italiana com uma quota de 44%. Em 2021, as suas vendas cresceram 29,5%, principalmente graças à China, mas também graças à aceleração de certos mercados como a Coreia do Sul. Ao mesmo tempo, as vendas no Japão estão de novo a aumentar (+19%).
 
A América do Norte é o segundo maior mercado com uma quota de 27%. As suas vendas explodiram aí em 67% a taxas de câmbio constantes, em comparação com 2020 e 2019, graças à sua oferta alargada, surfando sobre o crescimento dos consumidores de luxo nesta região, particularmente a clientela jovem. Isto levou a Kering a reforçar a sua presença no local. "Temos potencial mesmo em cidades mais pequenas, onde abriremos novas lojas, como em Austin, onde a Gucci abrirá uma loja em abril", revela o vice-diretor geral, Jean-François Palus.
 
Finalmente, deve notar-se o ressalto registado na Europa, pesando 17% sobre o total das vendas. As vendas da Gucci aumentaram aí 16,9% ao longo de um ano, mas ainda estão em baixa em comparação com 2019, penalizadas pela fraqueza dos fluxos turísticos. No entanto, o investimento feito com clientes locais através do aumento dos serviços, de marcações personalizadas e de ofertas prévias, tem dado frutos.
 
Estes resultados são mais do que satisfatórios, e o grupo aposta num "crescimento muito sólido para a Gucci em 2022". Como também adverte François-Henri Pinault: "É uma marca centenária, que mantém todas as características de um jovem adulto. Esquecemo-nos muitas vezes que se trata de uma maison em construção e que está a ir muito bem. Criámos muito valor nos últimos 20 anos e prometemos que os próximos 20 também serão fantásticos".
 

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.