×
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
12 de mai. de 2022
Tempo de leitura
2 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Gucci emite declaração de apoio aos direitos reprodutivos das mulheres

Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
12 de mai. de 2022

Devido ao temor de uma possível revogação do direito ao aborto nos Estados Unidos, legalizado desde 1973 após o caso Roe vs Wade, a marca de moda de luxo italiana, Gucci, emitiu uma declaração clara de que continuará a apoiar as mulheres e o seu direito ao aborto através da Chime for Change, a sua iniciativa global de longa data que promove a igualdade de género.


A Gucci emite uma declaração de apoio aos direitos reprodutivos das mulheres - Gucci


“Quando a Gucci fundou a campanha global Chime for Change em 2013, a empresa comprometeu-se a usar a sua voz e recursos na luta global pela igualdade de género. Como agora enfrentamos um momento crítico na história dos Estados Unidos, a Gucci permanece firme na sua crença de que o acesso à saúde reprodutiva é um direito humano fundamental”, disse a marca na declaração.

“A empresa agora fornecerá o reembolso de viagem a qualquer funcionário dos Estados Unidos que precise de acesso a cuidados de saúde não disponíveis no seu estado de origem. Através da campanha Chime for Change, a Gucci também continuará a apoiar organizações parceiras que permitem o acesso à saúde reprodutiva e protegem os direitos humanos, especialmente para os mais vulneráveis”.

No início deste mês, a Gucci anunciou a última rodada de doações e um compromisso crescente com a Chime for Change em 2022. Em particular, desde a sua fundação em 2013, a campanha arrecadou mais de 19 milhões de dólares (18,07 milhões de euros) para apoiar projetos em 89 países, beneficiando globalmente mais de 630.000 meninas e mulheres e alcançando mais de 3 milhões de familiares e membros da comunidade.

A Gucci está a seguir os passos da Amazon, que também anunciou na semana passada que pagará até 4.000 dólares (3,804.24 euros) em despesas de viagem anualmente para tratamentos médicos sem risco de vida, incluindo abortos, para os seus funcionários nos Estados Unidos. Entre outras empresas que se manifestaram em apoio aos direitos reprodutivos, incluem-se a Levi Strauss & Co, Mejuri e Unilever, para citar algumas.

A Suprema Corte dos Estados Unidos deve decidir se irá revogar a lei até o final de junho.
 

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.