×
374
Fashion Jobs
keyboard_arrow_left
keyboard_arrow_right

Gucci, Louis Vuitton, Chanel: luxo continua a dominar ranking da Interbrand em 2019

Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
today 18 de out de 2019
Tempo de leitura
access_time 2 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Embora as marcas digitais continuem a ser uma prioridade para os consumidores, foi o setor do luxo o que registou o maior crescimento em 2019, de acordo com o ranking das melhores marcas mundiais elaborado pela Interbrand.


O valor médio das marcas de luxo registou uma taxa de crescimento de 11% - Facebook: Louis Vuitton

 
Segundo o relatório da Interbrand, Apple, Google e Amazon conservaram a sua posição nos três primeiros lugares da classificação. Mas, o Facebook, que apareceu no relatório "Best Global Brands" em 2012, caiu cinco posições, passando do 9.º lugar em 2018 para o 14.º lugar este ano.
 
Entre os outros grandes nomes da tecnologia que dominaram o top 10 estão a Microsoft, em 4.º lugar, e a Samsung, em 6.º lugar, enquanto outras grandes marcas também conseguiram manter a sua posição - Coca-Cola (5.º), Toyota (7.º), Mercedes-Benz (8.º), McDonald's (9.º) e Disney (10.º).

Além disso, os recém-chegados ao prestigiado ranking têm laços geralmente estreitos com o mundo digital: a Uber chega na 87.ª posição e o LinkedIn faz a sua estreia na lista na 98.ª posição.

No entanto, não se deve subestimar o poder do luxo, pois foi nesse setor que o valor médio das marcas mais evoluiu em comparação com os números do ano passado, com uma taxa de crescimento de 11%.
 
Entre as empresas com melhor desempenho, a Gucci ficou em 33.º na classificação, progredindo 23% em relação ao ano passado, graças à sua avaliação de 15,949 mil milhões de dólares (14,325 mil milhões de euros).
 
A Louis Vuitton figura no top 25, em 17.º lugar, à frente da Chanel, que ficou em 22.º lugar.

Charles Trevail, CEO da Interbrand, prevê que as marcas que mais irão crescer serão aquelas que excedam as expectativas dos clientes, "mais informados, mais conectados e mais exigentes do que nunca".
 
"Durante décadas, a construção de uma marca baseou-se inteiramente no conceito de posicionamento. Mas, atualmente, em mercados em rápido crescimento, as expectativas dos clientes vão além do posicionamento demasiado estático das marcas. Já não há uma separação entre a marca e a própria empresa: agora, as marcas são julgadas pelas suas ações, não apenas pelos seus discursos. Pela confiança que inspiram, e não apenas pelo seu desempenho."

"A era do posicionamento de marca acabou. Num mundo no qual as expectativas dos clientes continuarão a evoluir mais rapidamente do que as empresas, posições estáticas de marca e mudanças incrementais apenas manterão as marcas no jogo - agora serão precisos movimentos corajosos, talvez até icónicos, para exceder as expectativas dos clientes e alcançar resultados de negócios verdadeiramente espetaculares.”
 
As melhores marcas representam logicamente o fluxo de caixa mais elevado, o valor total combinado do Top 100 saltou 5,7% em relação ao ano passado, atingindo 2130,929 mil milhões de dólares (1914,469 mil milhões de euros).

Copyright © 2019 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.