Guerra comercial: receios de desaceleração abalam setor do luxo

As ações da LVMH caíram nas primeiras horas de quarta-feira, apesar de a sua unidade de Moda e Artigos de Couro se ter saído melhor do que o esperado no terceiro trimestre, com o amplo setor do luxo também abalado por receios de uma desaceleração chinesa.



As preocupações com o aumento da demanda por produtos de marca entre os consumidores chineses atingiram os stocks de luxo nos últimos dias, à medida que se “cozinha” uma guerra comercial entre Pequim e Washington.
 
As quedas no yuan também aumentaram as preocupações de que os consumidores perderão poder de compra.
 
Na terça-feira, a LVMH comunicou um aumento de 14% nas vendas comparáveis na sua divisão chave de carteiras e moda, que engloba as marcas Louis Vuitton e Christian Dior, superando as previsões, e as receitas totais estão em linha com as expectativas.
 
No entanto, isso não foi suficiente para tranquilizar os investidores, com as ações da LVMH a caírem 4,7% às 7h25 GMT.

"Acho que o mercado está a agir em função de rumores, antecipando uma desaceleração iminente devido à guerra comercial", disse um trader de Genebra.
 
Na quarta-feira, corretores do Morgan Stanley desvalorizaram o setor de bens de luxo para "underweight" , aumentando a pressão sobre as ações do setor.

As ações da Kering, proprietária da Gucci, caíram pouco mais de 4% na manhã de quarta-feira, com as da britânica Burberry a cairem 2,7% e as da marca francesa de carteiras Hermès cerca de 3%.

Traduzido por Estela Ataíde

© Thomson Reuters 2018 All rights reserved.

Luxo - DiversosIndústriaNegócios
SUBSCREVA A NOSSA NEWSLETTER