H&M pede desculpa por anúncio de camisola considerado racista

O grupo de moda H&M pediu desculpa na terça-feira (9) por um anúncio com uma criança negra vestida com uma camisola de capuz estampada com a frase "coolest monkey in the jungle” (macaco mais cool da selva) e declarou que o removeu de todo o seu marketing.


Imagem publicada no site da H&M no Reino Unido, criticada pela influenciadora Stephanie Yeboah - Twitter

O anúncio foi amplamente criticado também pela estrela do pop canadiana The Weeknd, que em 2017 colaborou em duas coleções com a H&M, o segundo maior grupo de vestuário do mundo. Depois de ver o anúncio, o cantor declarou que não se associaria mais à marca.

"Acordei esta manhã chocado e envergonhado por esta foto. Estou profundamente ofendido e não trabalharei mais com a @hm..." Declarou The Weeknd, cujo verdadeiro nome é Abel Tesfaye, no Twitter, na segunda-feira (8).

A palavra "macaco" tem sido usada há muito tempo como uma forma de ofensa racial.

A sueca H&M disse numa declaração por e-mail que entendia e concordava com a reação de The Weeknd à imagem.

“Sentimos muito que esta imagem tenha sido feita, e também lamentamos pelo estampado", afirmou a empresa, acrescentando que a partir de agora irá examinar melhor as suas práticas internas para evitar situações semelhantes no futuro.

Outras celebridades também criticaram o anúncio nas redes sociais, como o rapper americano Diddy e a estrela de basquetebol LeBron James.

Traduzido por Novello Dariella

© Thomson Reuters 2018 All rights reserved.

Moda - Pronto-a-vestirModa - DiversosMédias
SUBSCREVA A NOSSA NEWSLETTER