×
279
Fashion Jobs
ADIDAS
Senior Controlling & Reporting Specialist (m/f)
Efetivo - CLT · PORTO
TIFFOSI
Area Manager (m/) - Zona Norte
Efetivo - CLT · Braga
ADIDAS
Buyer - Italian Speaker (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
JD SPORT
Stock Financial Controller
Efetivo - CLT · Alicante
M+RC NOIR
Production Manager
Efetivo - CLT · ESPOSENDE
JD SPORT
Demand Planner
Efetivo - CLT · Alicante
THE AMAZING FRENCH COLONY
Fashion Designer Assistant
Estágio · LISBOA
EMPRESA DE MODA NO SETOR DO LUXO
Vendedor/a de Loja de Gama Alta
Trabalho temporário · LISBOA
ELSA GOES GREEN
Business Development
Estágio · ERICEIRA
CH CAROLINA HERRERA
Vendedores Eci Lisboa (36 h)
Trainee · LISBOA
CONFIDENCIAL
Stylist (m/f)
Efetivo - CLT · PORTO
SALSA
Conseiller(es) de Vente Avenue 83 Toulon 30h
Efetivo - CLT · Toulon
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Eci Lisboa - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Lisboa
ADIDAS
Team Leader o2c Credit And Collections (m/ f) - German Speaker
Efetivo - CLT · Porto
PARFOIS
Interior Designer
Efetivo - CLT · PORTO
ADIDAS
Tax Accountant (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Senior o2c Credit And Collections Specialist (m/ f)
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Gbs Process Manager s2p (m/ f)
Efetivo - CLT · Porto
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Freeport - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Alcochete
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Oeiras Parque - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Oeiras
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Fórum Aveiro - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Aveiro
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Foz Plaza - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Figueira da Foz

H&M e C&A lideram novo Fashion Transparency Index e Gucci é marca de luxo de topo

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
21 de abr de 2020
Tempo de leitura
4 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

O último Fashion Transparency Index mostrou as marcas H&M e C&A, "a liderarem o caminho da transparência", entre as 250 maiores marcas e retalhistas de moda do mundo. Mas, essas marcas também precisam de fazer mais, tanto em geral, como durante a crise do COVID-19.

A lista anual da Fashion Revolution nomeou a H&M como a marca com maior pontuação, com 73% dos 250 pontos possíveis, "ao publicar informação detalhada sobre a sua cadeia de abastecimento e abordagem a uma série de questões sociais e ambientais".


H&Mé a marca com maior pontuação na lista anual da Fashion Revolution - H&M/GMB Akash


A Gucci é a marca de luxo com maior pontuação, com 48%, contra 40% em 2019. E é também a única marca a pontuar 100% na secção de Política e Compromissos, enquanto as outras marcas do Kering Group aparecem logo atrás da Gucci.

Num marco histórico, este é o primeiro ano, desde o início do Índice, em que qualquer marca atingiu 70% ou mais, embora muito poucas tenham atingido esse nível.

Depois da H&M, a C&A ficou em segundo lugar com 70%, seguida pela Adidas e Reebok com 69%; Esprit com 64%, mostrando que os seus problemas de negócio não estão a afectar o foco de transparência; Patagonia com 60% e Marks & Spencer do Reino Unido com 60% - outra empresa que destaca como os desafios de negócio não têm de afogar os compromissos de transparência.

As marcas com menos pontuação, com 0%, foram Bally, Max Mara, Pepe Jeans, Tom Ford, Elie Tahari, Jessica Simpson, Mexx e China's Belle, Heilan Home e Youngor.

A Fashion Revolution tem vindo a acompanhar as principais marcas e a aferir o seu desempenho em cinco áreas-chave desde 2016. O Índice 2020 também inclui indicadores que abrangem uma vasta gama de tópicos como o bem-estar animal, biodiversidade, produtos químicos, clima, diligência devida, trabalho forçado, liberdade de associação, igualdade de género, salários, práticas de compra, divulgação de fornecedores, resíduos e reciclagem, e condições de trabalho.

E o índice mais recente acrescentou mais 50 marcas e retalhistas, alguns dos quais obtiveram pontuações bastante baixas. Entre eles contam-se a Fashion Nova, com sede nos EUA (pontuação final de 2%), a Koovs da Índia (2%) e a PrettyLittleThing do Reino Unido (9%).

Mas, embora muitas pontuações fossem baixas e a pontuação média das 250 marcas analisadas este ano, fosse ainda de apenas 23%, registaram-se mais 2 pontos percentuais do que em 2019. Entre as 98 marcas revistas anualmente, nos últimos quatro anos, houve um aumento de 12 pontos percentuais nas suas pontuações médias.

Entre as marcas que registaram os maiores aumentos deste ano, contam-se a Monsoon de baixa pressão, cuja pontuação subiu 23 pontos percentuais, Ermenegildo Zegna (+22 pontos percentuais), Sainsbury's (+19), Dressmann (+17) e Asics, Urban Outfitters e Anthropologie, todas com um aumento de 15 pontos percentuais.


Pontuação daMonsoon subiu 23 pontos percentuais este ano - Monsoon


Foco no detalhe mais necessário

O novo índice também mostrou que Ermenegildo Zegna se tornou a primeira marca de luxo a publicar uma lista detalhada dos seus fornecedores e, em geral, 40% das marcas estão a publicar uma lista dos fabricantes de primeira linha, contra 35% em 2019. Mas, apenas 7% estão a publicar alguns dos seus fornecedores de matérias-primas, contra 5% no ano passado.

A diretora de Política Global e autora do relatório, Sarah Ditty, afirmou: "Embora se verifiquem progressos notáveis em matéria de transparência, há ainda muito mais que as marcas de moda podem fazer para fornecer dados credíveis e abrangentes que permitam aos consumidores tomar melhores decisões, aos sindicatos e às ONG ajudar as marcas a fazerem melhor pelos trabalhadores e pelo planeta vivo, e a quaisquer outras partes interessadas para impulsionarem mais progressos".

"Mais de metade das marcas analisadas pontuou 20% ou menos, mostrando que há ainda um longo caminho a percorrer em direção à transparência, entre as maiores marcas e retalhistas de moda do mundo. Todos os anos exploramos com mais detalhe algumas questões-chave. Este ano, optamos por nos concentrarmos nas questões de Condições, Consumo, Composição e Clima, como sejam os nossos temas em destaque, com uma pontuação média de apenas 15%".

Ditty acrescentou que, desde o início da pandemia de COVID-19, "temos visto o impacto devastador das práticas de compra das marcas, tais como encomendas canceladas e pagamentos atrasados, em alguns dos mais vulneráveis da cadeia de abastecimento. A grande maioria destes trabalhadores carece de sistemas de proteção social e não tem poupanças a recuperar, devido aos baixos salários que continuam a auferir no fabrico de vestuário, para algumas das empresas mais rentáveis do mundo. Esta pandemia prova, exatamente, porque é que a transparência na indústria da moda é tão vital e porque é que não nos podemos dar ao luxo de voltar à atividade normal".

O índice atual mostrou que apenas 6% das marcas divulgam uma política de pagamento aos fornecedores, num prazo máximo de 60 dias e apenas 2% publicam a percentagem de encomendas com pagamento atempado aos fornecedores, de acordo com as condições acordadas. O relatório afirmou, ainda, que apenas 15% das marcas publicam uma estratégia de saída responsável, pormenorizando as medidas progressivas que tomam quando deixam de trabalhar com um fornecedor, em vez de optarem por uma abordagem de cut-and-run. Como apenas 2% das marcas revelam a percentagem acima do salário mínimo que os trabalhadores são pagos, na sua cadeia de abastecimento. E, como também, "apenas a Patagonia revela dados sobre o número de trabalhadores da sua cadeia de abastecimento que recebem um salário vivo".
 

Copyright © 2020 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.