×
Publicidade
Por
AFP
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
22 de fev de 2021
Tempo de leitura
2 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Hermès consegue limitar impacto da crise em 2020 graças à recuperação asiática

Por
AFP
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
22 de fev de 2021

O grupo de luxo Hermès resistiu à crise sanitária em 2020 graças à forte recuperação das vendas na Ásia durante o segundo semestre, o que compensou os resultados medíocres, especialmente na Europa.


Fila de espera diante de uma loja Hermès em Paris, a 20 de maio de 2020 - AFP/Archives


Axel Dumas, presidente da fabricante de artigos de couro e selaria, elogiou num comunicado divulgado na sexta-feira: “A solidez dos nossos resultados reflete tanto a atratividade das nossas coleções quanto a agilidade do nosso modelo artesanal.”
 
O grupo, que conta com 16.600 colaboradores, 10.383 dos quais em França, anunciou que em 2021 irá pagar um prémio de 1.250 euros “a todos os colaboradores pelo empenho e contribuição para os resultados”.

Relativamente ao exercício passado, o grupo destacou que “a redução da afluência de turistas tem sido compensada pela fidelização dos clientes locais e pelo forte crescimento das vendas eletrónicas”.
 
No exercício fiscal de 2020, a Hermès registou vendas no valor de 6,38 mil milhões de euros, uma queda de 7,2%, mas acima das previsões dos analistas.

O quarto trimestre foi particularmente dinâmico, com um aumento de 21% nas vendas em todo o mundo e de 47% na região Ásia-Pacífico (excluindo o Japão), que registou um crescimento nas vendas de 12,6% ao longo do ano, enquanto a Europa encerrou o ano com um retrocesso de 24% .
 
O lucro líquido do grupo de luxo foi de 1,38 mil milhões de euros, menos 9%, enquanto a margem operacional atingiu os 31%, contra 34% no ano passado.
 
“O sucesso das vendas eletrónicas confirmou-se em todas as regiões, e na Ásia e no Médio Oriente continua a implementação da nova plataforma”, declarou a Hermès.
 
Este auge do comércio eletrónico "foi muito forte, começou durante o confinamento e não parou com a reabertura das lojas", sublinhou Axel Dumas durante uma teleconferência com jornalistas.
 
Quanto às previsões, Axel Dumas mostrou-se "otimista com o futuro", embora "o contexto continue imprevisível".
 
“Atualmente é difícil avaliar qual será o impacto em 2021 da epidemia de coronavírus, cuja magnitude, duração e alcance geográfico mudam diariamente”, mas a Hermès confirma o seu ambicioso objetivo de crescimento de vendas a médio prazo a taxas de câmbio constantes.

Copyright © AFP. Todos os direitos reservados. A Reedição ou a retransmissão dos conteúdos desta página está expressamente proibida sem a aprovação escrita da AFP.