×
Por
AFP
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
9 de jun de 2021
Tempo de leitura
2 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Inditex, proprietária da Zara, sai do vermelho no primeiro trimestre

Por
AFP
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
9 de jun de 2021

A gigante espanhola do têxtil Inditex, proprietária da Zara, saiu do vermelho no primeiro trimestre d do seu exercício graças às vendas online, após ter sofrido perdas sem precedentes no mesmo período do ano anterior, em pleno confinamento, de acordo com dados publicados na quarta-feira.


Fachada de uma loja Zara - Zara


No primeiro trimestre (que compreende o período entre 1 de fevereiro e 30 de abril de 2021), a empresa obteve um lucro líquido de 421 milhões de euros, contra o primeiro prejuízo líquido da sua história de 409 milhões de euros no mesmo período de 2020.
 
Segundo Pablo Isla, presidente da Inditex, estes números mostram que “a diferenciação e a transformação estratégica para um modelo comercial totalmente integrado, digital e sustentável continuam a dar resultados”.

Com um volume de negócios trimestral de 4,9 mil milhões de euros, o grupo registou um aumento de 49,6% nas vendas em relação ao mesmo período do ano anterior, quando as suas lojas estiveram fechadas durante seis semanas.
 
Em comunicado, a Inditex indicou: “As vendas aumentaram em todas as regiões e em cada cadeia, num contexto marcado pelo facto de ainda termos apenas 24% dos horários comerciais (com 16% das lojas ainda fechadas no final do trimestre) e estarmos com capacidade de acolhimento reduzida.”
 
As vendas online aumentaram 67% a taxas de câmbio constantes.
 
“A taxas de câmbio constantes, os números de vendas mostram uma perda de 11,5% em relação ao mesmo período de 2019” - período no qual não havia pandemia -, destaca o grupo de oito marcas (Zara Home, Bershka, Oysho, Stradivarius, Pull&Bear, etc.).
 
Os grandes grupos têxteis foram duramente atingidos pelas restrições relacionadas com a crise sanitária: a sueca H&M viu o seu lucro líquido dividido por dez em 2020, enquanto a japonesa Fast Retailing (Uniqlo) sofreu uma queda de 44% nos seus lucros em 2019/20.

Copyright © AFP. Todos os direitos reservados. A Reedição ou a retransmissão dos conteúdos desta página está expressamente proibida sem a aprovação escrita da AFP.