×
357
Fashion Jobs
MINGA LONDON
Ecommerce Manager
Efetivo - CLT · GUIMARÃES
MINGA LONDON
Head of Creative Content / Art Director
Efetivo - CLT · GUIMARÃES
SALSA
IT Retail Systems Specialist – Oportunidade de Suporte e Participação em Projetos de IT
Efetivo - CLT · Vila Nova de Famalicão
GIANNI KAVANAGH
Marketing Director
Efetivo - CLT · BRAGA
SALSA
IT Development Specialist – Oportunidade de Fazer a Diferença no Dia a Dia do Utilizador Final
Efetivo - CLT · Vila Nova de Famalicão
ADIDAS
Sap Fico Tech Consultant (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
TIFFOSI
Area Manager (m/f)
Efetivo - CLT · Faro
ADIDAS
Buyer - German Speaker (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
JD SPORT
Stock Financial Controller
Efetivo - CLT · Alicante
JD SPORT
Demand Planner
Efetivo - CLT · Alicante
SHON MOTT
Sales Assistant
Efetivo - CLT · LISBOA
EL CORTE INGLÉS, GRANDES ARMAZÉNS SA
Vendedores de Moda
Efetivo - CLT · LISBOA
RE/MAX COLLECTION, MAXGROUP
Profissional do Setor de Moda (m/f) Com Vertente Comercial
Estágio · LISBOA
BROWNIE
Sales Advisor
Efetivo - CLT · PORTO
BROWNIE
Sales Advisor
Efetivo - CLT · LISBOA
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - 8ª Avenida - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · São João da Madeira
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Parque Atlântico - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Ponta Delgada
CONFIDENCIAL
Engenheiro(a) de Qualidade Têxtil - Vestuário
Efetivo - CLT · PORTO
SANDRO PORTUGAL
Concession Manager - Lisboa el Corte Ingles h/m
Efetivo - CLT · LISBOA
LION OF PORCHES
Técnico(a) de Qualidade
Efetivo - CLT · VILA DO CONDE
RALPH LAUREN
Sales Associate (Vendedor Loja)
Efetivo - CLT · Alcochete
SANDRO PORTUGAL
16 Hours Sales Assistant Lisbon h/m
Trainee · LISBOA
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
17 de dez de 2020
Tempo de leitura
3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Inditex saiu do vermelho ao faturar 671 milhões de euros

Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
17 de dez de 2020

A Inditex continua a recuperar do prejuízo de milhões de euros tornado público em 2020. No terceiro trimestre (período de agosto a outubro), a empresa espanhola registou uma queda de 14% no volume de negócios, para 6.052 milhões de euros (-10% à taxa de câmbio constante), enquanto o seu lucro líquido caiu 26% para 866 milhões de euros. Entretanto, a empresa moderou a queda com a abertura de lojas e operações online, saindo do vermelho, e o presidente do grupo, Pablo Isla, adiantou que os resultados são a consequência da boa gestão em todas as áreas da Inditex.


Pablo Isla, presidente do grupo Inditex - Inditex


Ao longo do trimestre, a empresa ainda manteve 5% de sua rede comercial fechada, além de restrições de capacidade e horário em 88% das lojas. Apesar do impacto dessas condições na sua faturação, a queda nas vendas melhorou perante as retrações de 31% e 44% nas vendas no segundo e primeiro trimestres do ano, respectivamente. De acordo com a empresa, o volume de negócios acumulado ao longo do ano foi de 14.085 milhões, -28,9% em relação ao ano anterior. Por sua vez, as operações online continuaram a crescer, aumentando 76% no terceiro trimestre e 75% em nove meses.

Paralelamente, a margem EBITDA diminuiu 18% para 1.848 milhões de euros; enquanto a margem bruta do grupo foi de 3.661 milhões de euros, o que representa 60,5% do volume de negócios.

A sair do vermelho

Pablo Isla considera que os resultados “são a consequência direta de uma gestão muito eficiente em todas as áreas da empresa, com coordenação precisa entre todas as etapas do modelo (design, produto, fabrico, logística, lojas e online). E também são um reconhecimento da capacidade diária de reagir e de se adaptar a um ambiente difícil de prever e do compromisso de oferecer a melhor qualidade de produto e serviço”.

Apesar de ter iniciado 2020 com um prejuízo de 409 milhões de euros, o primeiro da sua história como empresa listada na Bolsa, a Inditex está a recuperar. No segundo trimestre, entre os meses de maio e julho, o conglomerado têxtil faturou 214 milhões de euros, e moderou a queda das vendas para 31%, atingindo 4.730 milhões, graças à reabertura gradual de lojas e ao forte crescimento do canal online. Assim, durante os primeiros nove meses do seu ano fiscal (entre fevereiro e outubro), a empresa-mãe da Zara saiu do vermelho e faturou 671 milhões de euros, -75,3% em relação ao mesmo período de 2019.

Um quarto trimestre de incertezas

Embora a empresa tenha adiantando que as vendas a câmbio constante, entre os dias 1 e 18 de outubro, tenham atingido "os máximos históricos", graças às campanhas para a Black Friday e o Natal, as novas restrições para conter a segunda onda da pandemia ameaçam os resultados dos últimos meses do ano.

Em novembro, 21% das lojas foram fechadas e as vendas à taxa de câmbio constante ficaram 19% abaixo das de 2019. Do dia 1 ao dia 10 de dezembro, a faturação à taxa de câmbio constante moderou o declínio para 13 %, segundo a empresa, que apontou que, atualmente, 8% das lojas estão fechadas e outras 10% serão fechadas no fim-de-semana.

No entanto, a empresa fundada por Amancio Ortega ressalvou os seus esforços para realizar aberturas relevantes em até 25 mercados nos últimos meses. Destacam-se as novidades na China, México, Rússia, Alemanha, Espanha e Arábia Saudita. Por sua vez, a marca mais importante do grupo, a Zara, expandiu-se para 85 mercados com vendas online integradas à rede local de lojas, que se somam aos 106 mercados com vendas online a partir do seu site global.
 

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.