×
Publicado em
14 de out de 2015
Tempo de leitura
2 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Indústria catalã da moda, chave na legislatura da recuperação

Publicado em
14 de out de 2015

Após o último período eleitoral, a indústria catalã da moda enfrenta uma nova legislatura cheia de desafios. Catalunha é o lar de uma série de empresas de primeira linha, além de numerosas empresas de tamanho mediano que enfrentam o novo ciclo económico e político.

Última edição da 080 Barcelona Fashion - 080 Barcelona Fashion


A moda representa em torno de 7,5% do PIB catalão, segundo dados do Clúster Catalán de la Moda referentes a 2013 e que levam em conta a faturação de empresas de moda, têxteis, calçado, marroquinaria, joalharia e acessórios.
 
Catalunha representa, por seu turno, 20% do PIB espanhol e 16% da população. O peso da indústria na economia catalã é maior que a média espanhola e o desemprego atinge 19,1% da força de trabalho, segundo o INE, três pontos abaixo da média espanhola.

O setor, que aglutina empresas de referência como Mango, Pronovias, Desigual, Tous ou Custo e outras marcas emergentes como Nice Things, Bissú ou Yerse, contava em 2013 com 2.800 empresas e ocupava mais de 60.000 profissionais. Todas elas se enfrentam neste início de curso com o desafio da recuperação e da consolidação.
 
Os acontecimentos do passado 27 de setembro em Catalunha ocuparam a maior parte dos debates dentro e fora de Espanha. A solidez da recuperação e a estabilidade institucional estiveram no centro do debate. Dias antes, o presidente da Pronovias chegou a advertir que o resultado das eleições poderia forçar a empresa líder em moda nupcial a avaliar o translado da sede da empresa para outro território.
 
Uma das petições que estiveram sobre a mesa foi o compromisso com a dinâmica da passarelle 080 Barcelona Fashion, que celebrou este ano sua 16.ª edição e que se converteu em um evento de referência internacional.
 
Barcelona é um polo importante de atração para empresas estrangeiras e capital mundial do luxo. Segundo a Global Blue, apenas as lojas do Paseo de Gracia são responsáveis por até 29% do total da faturação das empresas do luxo em Espanha.
 
Companhias como Uniqlo, Philipp Plein ou North Sails são algumas das que mais recentemente optaram por Barcelona para abrir sua primeira loja no país. A boa imagem da cidade no exterior, que segue atraindo 25% dos turistas que visitam Espanha, será outra das chaves para que a região continue a ser capital da moda.
 

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.