×
588
Fashion Jobs
LION OF PORCHES
Editor de Imagem (m/f)
Efetivo · PORTO
JD SPORT
Demand Planner (m/f)
Efetivo · Maia
ADIDAS
Manager Gbs Delivery Excellence - Resource Planning (M/F/D) -Porto/Herzo
Efetivo · Porto
ADIDAS
HR Services Specialist Gbs - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
HR Specialist - People Services - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Specialist Reporting & Analytics (M/F/D) - Direct to Consumer Ecommerce
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Specialist Gbs Business Analysis (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Manager Gbs Delivery Excellence - Resource Planning (M/F/D) -Porto/Herzo 1
Efetivo · Porto
ADIDAS
HR Specialist Gbs Operations - Mobility (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Specialist Gbs HR Services (M/F/D)
Efetivo · Porto
JD SPORT
Marketplace Business Developer
Efetivo · Alicante
BIJOU BRIGITTE MODISCHE ACCESSOIRES AG
International Expansion Manager Spain/Portugal
Efetivo · LISBOA
TIFFOSI
Comprador Denim (m/f)
Efetivo · Porto
L.D.C.
Responsable Développement/Production
Efetivo · PORTO
FARFETCH
Menswear Styling Editor
Efetivo · GUIMARÃES
ADIDAS
Senior Sap Fico Consultant (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sap Fico Consultant (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs Direct-tO-Consumer Ecommerce (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs HR Services - German Speaker (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
UK HR Specialist (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sap Consultant - Sac/bW-Ip/Fico (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Buyer (m/f) - Non-Trade Procurement
Efetivo · Porto
Por
AFP
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
26 de mai. de 2020
Tempo de leitura
4 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Indústria de luxo retoma produção enquanto subcontratados correm risco de desaparecer

Por
AFP
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
26 de mai. de 2020

Após semanas de paralisação forçada, a indústria de artigos de luxo está lentamente a retomar a produção em Itália e em França, face a um ecossistema económico enfraquecido pela pandemia de COVID-19, e com muitos subcontratados a enfrentarem dificuldades. 


A fábrica da Louis Vuitton em Beaulieu-sur-Layon, perto de Angers, no oeste de França, foi inaugurada em setembro de 2019. - Olivier Guyot - FashionNetwork.com Archives


Desde março, pequenas oficinas e grandes marcas de moda e perfumaria têm estado ocupadas a produzirem toneladas de máscaras e de álcool em gel para ajudarem a combater a pandemia, um genuíno "esforço de guerra" que também permitiu às empresas manter pelo menos uma parte dos funcionários ativos.

O fim do lockdown na China - um mercado-chave responsável por 35% das compras de artigos de luxo em todo o mundo - e depois na Europa, onde o consumo está a voltar a aumentar à medida que as lojas reabrem gradualmente, permitiu que os principais grupos de luxo retomassem as atividades. “Reiniciamos gradualmente no final de abril. Mas, por enquanto, é impossível prever quando as operações serão normalizadas”, disse Micaela Le Divelec Lemmi, diretor-geral da Salvatore Ferragamo, em entrevista à AFP. "Isso porque os centros de produção precisam obedecer às medidas específicas de distanciamento social, e porque um grande número de lojas ainda está fechado", acrescentou.

A marca italiana de luxo Prada indicou que cerca de 65% da equipa que trabalha nas suas fábricas retomaram o trabalho. Esse retorno deve "permitir entregar as coleções de outono-inverno, nas nossas lojas, entre o final de julho e o início de agosto, um mês depois do habitual", disse recentemente o CEO do grupo Prada, Patrizio Bertelli, ao jornal italiano La Repubblica.

Bertelli reconhece que 2020 será um ano difícil para a Prada e para outras grandes marcas de luxo, mas acredita que "aqueles que mais sofrem são os pequenos artesãos". Os gigantes da indústria de luxo estão, portanto, "confrontados com um dilema: Ou permitir que alguns dos seus fornecedores desapareçam; ou investir nessas pequenas empresas para as salvar", disse a consultora Bernstein.

Segundo Luca Solca, analista da Bernstein, especializado na indústria de luxo, “alguns desses subcontratados provavelmente se consolidarão em maior grau. Os principais grupos não podem permitir que os fornecedores desapareçam”, especialmente em Itália, onde há inúmeros pequenos subcontratados.


Prada - primavera-verão 2020 - Womenswear - Milão - © PixelFormula


Excesso de stock

"A ajuda do governo está disponível, mas os principais grupos precisam ajudar a cadeia de abastecimentos a proteger o seu know-how, por exemplo, através de assistência financeira ou de adiantamentos de pedidos", disse Arnaud Cadart, gerente de investimentos da empresa francesa Flornoy & Associés.

A situação varia de acordo com o tipo de produto: “Os stocks de artigos de couro não são excessivos. Por outro lado, é um desastre para as marcas de moda, cujas coleções de verão estavam prestes a chegar às lojas; há muito stock”, disse Cadart.

Em França, a indústria de artigos de couro retomou o trabalho, "mas as perspectivas ainda não são nada optimistas, isso porque os pedidos caíram significativamente: 46% das exportações de produtos de couro de França são absorvidas pela Ásia, onde o mercado está muito parado", disse Franck Boehly, presidente do Conseil National du Cuir (CNC), um sector que engloba 9.000 empresas, de criadores de animais a distribuidores de produtos prontos.

Segundo Arnaud Cadart, “embora os artigos de couro possam resistir à tempestade, há uma preocupação muito maior com o sector de calçados e com os seus 5.000 empregados. As exportações representam apenas 30% da produção, destinada principalmente aos retalhistas franceses, cujas lojas permanecem fechadas há dois meses e cujos stocks estão a transbordar”.

O mercado global de luxo deve encolher entre 20% e 35% em 2020, de acordo com a consultoria Bain & Co. No primeiro trimestre, as vendas da Kering (proprietária de marcas como a Bottega Veneta, Gucci e Saint Laurent) e da LVMH (proprietária da Christian Dior, FendiLouis Vuitton) caíram cerca de 15%, enquanto as da Salvatore Ferragamo caíram 30,1%, e as Tod's diminuíram 29,4%.

A curto prazo, é difícil prever como será o consumo pós-lockdown e como irá variar de acordo com o país. “Os consumidores reagirão de maneiras diferentes: Na Ásia, há um desejo genuíno de consumir. A população é jovem e a China provavelmente começará a crescer fortemente de novo. Os EUA também estão bem posicionados em termos de recuperação, mas a Europa não”, conclui Cadart.

Por Katia DOLMADJIAN e Céline CORNU, em Milão
 

Copyright © AFP. Todos os direitos reservados. A Reedição ou a retransmissão dos conteúdos desta página está expressamente proibida sem a aprovação escrita da AFP.