×
576
Fashion Jobs
LION OF PORCHES
Editor de Imagem (m/f)
Efetivo · PORTO
JD SPORT
Demand Planner (m/f)
Efetivo · Maia
ADIDAS
Manager Gbs Delivery Excellence - Resource Planning (M/F/D) -Porto/Herzo
Efetivo · Porto
ADIDAS
HR Services Specialist Gbs - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
HR Specialist - People Services - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Specialist Reporting & Analytics (M/F/D) - Direct to Consumer Ecommerce
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Specialist Gbs Business Analysis (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Manager Gbs Delivery Excellence - Resource Planning (M/F/D) -Porto/Herzo 1
Efetivo · Porto
ADIDAS
HR Specialist Gbs Operations - Mobility (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Specialist Gbs HR Services (M/F/D)
Efetivo · Porto
JD SPORT
Marketplace Business Developer
Efetivo · Alicante
BIJOU BRIGITTE MODISCHE ACCESSOIRES AG
International Expansion Manager Spain/Portugal
Efetivo · LISBOA
TIFFOSI
Comprador Denim (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Sap Fico Consultant (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sap Fico Consultant (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs Direct-tO-Consumer Ecommerce (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs HR Services - German Speaker (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
UK HR Specialist (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sap Consultant - Sac/bW-Ip/Fico (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Buyer (m/f) - Non-Trade Procurement
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sap Apo/Ibp (Snp/Supply) Consultant (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Junior Sap Apo/Ibp (Snp) Consultant (m/f)
Efetivo · Porto
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
13 de mar. de 2020
Tempo de leitura
4 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Itália: Gucci fecha fábricas, LVMH mantém-as ativas

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
13 de mar. de 2020

A decisão do governo italiano, quarta-feira à noite, de parar o país para conter o surto do novo coronavírus, fechando todas as empresas, precipitou a situação. Embora as empresas não sejam directamente afectadas por esta nova medida, não são menos confrontadas com um dilema: Se devem continuar os seus negócios, ou se devem parar. A questão surge em particular para a indústria de luxo, uma vez que a península itálica se tornou a verdadeira fábrica de luxo na Europa e no mundo. Vamos dar uma vista de olhos à situação.

Gucci, a principal marca do Grupo Kering, foi a primeira a anunciar o fim da sua produção em Itália, onde conta com seis locais entre a Toscana e as Marches. "Como medida de precaução para proteger ainda mais a saúde da comunidade, as unidades de produção permanecerão fechadas até 20 de março, enquanto as atividades essenciais para garantir a continuidade dos nossos negócios continuarão. Este encerramento temporário não afectará, portanto, o fornecimento dos nossos produtos aos clientes", explica um porta-voz da empresa.
 
Além disso, a Gucci tem incentivado os seus funcionários de escritório a adoptarem formas flexíveis de trabalho nos últimos dias, do tele-trabalho à introdução de uma semana de quatro dias, de segunda a quinta-feira. Na vertente comercial, todas as lojas em Itália estão fechadas até 3 de abril, de acordo com as medidas ordenadas pelo governo. No entanto, a marca continuará a servir os seus clientes "via Gucci.com e com o apoio do centro de atendimento ao cliente".
 

Gucci ArtLab, o centro de experimentação da marca - Gucci


A Gucci não representa a única atividade de Kering na península. O gigante francês é proprietário de várias outras marcas no país, como Bottega Veneta, Brioni, Pomellato e Dodo. Sem esquecer Kering Eyewear, com sede perto de Pádua, na região do Veneto, que desenvolve e produz as coleções de óculos do grupo.
 
Além disso, existem fábricas italianas dedicadas a outras marcas do grupo, como a fábrica de artigos de couro que a Saint Laurent acaba de inaugurar em Scandicci, perto de Florença. No entanto, Kering não deseja comunicar em todos os seus outros sites na Itália, escondendo-se atrás de um "sem comentários".


A fábrica da Bulgari em Valenza continua em funcionamento - LVMH


"Preserve os trabalhadores com menos pessoas trabalhando juntas, mas com mais rotações"

Outro colosso de luxo muito ativo na península, a holding francesa LVMH decidiu não parar as suas atividades. Desde a produção de sapatos para Louis Vuitton no Fiesso d'Artico, Veneto, para Fendi na região das Marches e para Berluti em Ferrara, até a fábrica de jóias Bulgari em Valenza no Piemonte, sem esquecer os locais de artigos de couro na Toscana, nomeadamente para Fendi, Bulgari e Celine, e até a Joint Venture Thelios, criada com o fabricante de óculos Marcolin na região do Veneto, todas as fábricas do grupo na península "permanecem 100% operacionais", confirma a FashionNetwork.com.

"Naturalmente, foram tomadas medidas para preservar os trabalhadores com menos pessoas trabalhando juntas, mas com mais rotações", aponta. A LVMH emprega atualmente cerca de 11 mil pessoas em Itália, uma mão-de-obra que duplicou nos últimos cinco a seis anos, com 30 fábricas. Enquanto os seus sites permanecem ativos, este nem sempre é o caso dos subcontratados de bens de luxo, que estão a sofrer muito. A quantidade de pequenos artesãos e PMEs que trabalham no sector, em todos os Alpes, já começou a registar um declínio nas encomendas.

Giorgio Armani fechou as suas fábricas no norte de Itália durante uma semana, no final de fevereiro, para proceder a uma desinfecção geral. Desde então, os negócios voltaram a crescer. O Grupo Tod's informou aos seus fornecedores que encerrará todas as suas fábricas italianas durante cinco dias até segunda-feira, 16 de março, de acordo com a imprensa local.

Poucos jogadores de luxo estão dispostos a expressar-se sobre o assunto. Giuseppe Santoni, que dirige o negócio de sapatos de luxo da família Santoni, é um deles. Em entrevista ao Corriere Adriatico, detalhou as medidas adoptadas nas suas fábricas: O uso obrigatório de máscaras, desinfecção constante dos espaços, supressão na medida do possível, trabalhadores divididos em pequenos grupos e cinco rotações, várias portas de saída e entrada.
 
O facto é que a decisão do governo de deixar a porta aberta para fábricas e atividades produtivas, enquanto sectores inteiros da economia, como o comércio, foram fechados, não foi uma norma muito popular entre os trabalhadores. Na quinta-feira, na sequência do sistema reforçado, foram registadas várias greves espontâneas em todo o país.
 
Grupos de trabalhadores protestaram contra as poucas medidas tomadas nas fábricas para os protegerem e contra a impossibilidade de muitos deles trabalharem adequadamente sob certas condições. Outros denunciaram dois pesos e duas medidas com cidadãos de primeira e de segunda divisões. Como os empregados da fábrica de Mântua de Corneliani, uma marca histórica de roupa masculina, que cruzaram os braços na manhã de quinta-feira, como relata o jornal Repubblica no seu site.
 

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.