J. Crew recorre novamente aos advogados para reestruturar dívida

A empresa americana de vestuário J. Crew Group contratou advogados de reestruturação pela segunda vez para explorar opções para retrabalhar as suas dívidas, enquanto enfrenta a queda nas vendas, disseram pessoas familiarizadas com o assunto na quinta-feira (28).


A retalhista de Nova Iorque está nos estágios iniciais da exploração de opções para a sua dívida, que pode incluir um refinanciamento

A decisão da empresa de procurar  ajuda para solucionar a sua dívida mais uma vez realça os desafios comerciais persistentes que a J. Crew enfrenta apesar dos recentes esforços de recuperação e reestruturação financeira. O aumento nos preços das suas roupas fez com que a marca perdesse compradores, e esta também enfrenta a concorrência de empresas de comércio eletrónico como a Amazon.com.

Nas últimas semanas, a retalhista de roupas formais recrutou advogados de reestruturação da Weil, Gotshal & Manges LLP, o escritório de advocacia que ajudou a negociar um exercício de endividamento anterior para a empresa e, mais recentemente, dirigiu a Sears Holdings Corp através do processo de falência, disseram as fontes. Os advogados da Weil com experiência em mercados de capital e fusões e aquisições também estão envolvidos nas discussões com a J. Crew, segundo uma das fontes.

A J. Crew, que se tornou privada em 2011 pela TPG Capital e pela Leonard Green & Partners numa aquisição de aproximadamente 3 mil milhões de dólares, também está a entrevistar especialistas em reestruturação em bancos de investimento, disseram as fontes.

Num comunicado à Reuters na quinta-feira, a empresa não mencionou diretamente se entrou em contacto com advogados de reestruturação, mas disse que está "a avaliar e executar oportunidades para reforçar o balanço da J. Crew" e que a sua principal prioridade este ano é fazer com que a sua principal marca volte a ser rentável e sustente o impulso para o seu negócio de vestuário Madewell, que tem vindo a crescer rapidamente.

Um porta-voz da TPG não quis responder a pedidos de comentários. Representantes de Leonard Green e Weil não responderam imediatamente aos pedidos de comentários.

Um pedido de falência não está neste momento no horizonte para a J. Crew, que tem uma dívida superior a 1,7 mil milhões de dólares, segundo as fontes, que falaram sob a condição de não serem identificadas porque as deliberações são confidenciais.

A retalhista de Nova Iorque está nos estágios iniciais de explorar opções para a sua dívida, que poderiam incluir um refinanciamento, de acordo com as fontes. As discussões visam abordar os vencimentos da dívida iminente em 2021.

A empresa ainda não abordou os credores sobre uma reestruturação, embora isso possa acontecer, disse uma das fontes. A J. Crew já havia pensado em desistir da Madewell através de uma venda ou oferta pública, informou a Reuters.

Em 2017, a J. Crew chegou a um acordo com credores, incluindo o GSO Capital Partners e o Anchorage Capital Group do Blackstone Group LP, numa troca de títulos que praticamente cortou pela metade cerca de 567 milhões de dólares em obrigações e estendeu a sua data de vencimento em dois anos.

A J. Crew, que chegou a vestir a ex-primeira-dama Michelle Obama, tinha cerca de 25,7 milhões de dólares em dinheiro desde o início de fevereiro, ante a 107 milhões de dólares um ano antes, e registou prejuízo financeiro em sete dos últimos oito trimestres, de acordo com os registos de valores mobiliários.

Traduzido por Novello Dariella

© Thomson Reuters 2019 Todos os direitos reservados.

Moda - Pronto-a-vestirNegócios
SUBSCREVA A NOSSA NEWSLETTER