×
710
Fashion Jobs
JD SPORT
Demand Planner_Sport Zone(m/f)
Efetivo · Maia
TIFFOSI
Area Manager (m/f)
Efetivo · Braga
ADIDAS
Specialist Gbs Direct to Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs Direct to Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs Direct to Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Specialist Direct-tO-Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs Direct to Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Buyer - Spanish Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sap Apo (Snp/Ibp) Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Sap Fico Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs Non-Trade Procurement Business Analysis (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sap Fico Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
JD SPORT
Footwear Buyer
Efetivo · Alicante
JD SPORT
Apparel Buyer
Efetivo · Alicante
SACOOR BROTHERS
Fiel de Armazém (Storekeeper) - c. Comercial Colombo (m, f)
Efetivo · Lisboa
SACOOR BROTHERS
Sales Assistant - c. Comercial Norteshopping (m, f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
HR Specialist - People Services - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
JD SPORT
Demand Planner (m/f)
Efetivo · Maia
ADIDAS
Manager Gbs Delivery Excellence - Resource Planning (M/F/D) -Porto/Herzo
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Specialist Reporting & Analytics (M/F/D) - Direct to Consumer Ecommerce
Efetivo · Porto
ADIDAS
Manager Gbs Delivery Excellence - Resource Planning (M/F/D) -Porto/Herzo 1
Efetivo · Porto
ADIDAS
HR Specialist Gbs Operations - Mobility (M/F/D)
Efetivo · Porto
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
22 de nov. de 2021
Tempo de leitura
4 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Jacques-Antoine Granjon (Veepee): "Queremos ser menos dependentes de stocks de marca"

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
22 de nov. de 2021

Após 20 anos de existência, a Veepee – retalhista francesa que vende produtos através de vendas flash online, com um site que completou 10 anos em 2011 – teve de se adaptar à crise, mas acima de tudo quer enfrentar as transformações mais profundas do mercado. E ir aos mercados, em segunda mão e outros para encontrar uma crescente independência do fim das ações, como nos explica o seu cofundador e CEO, Jacques-Antoine Granjon.


Jacques-Antoine Granjon - Veepee


FashionNetwork: Qual foi o impacto da crise sanitária nos negócios da Veepee?
Jacques-Antoine Granjon:
A maioria das marcas sofreu uma paragem total na sua atividade com o encerramento dos seus pontos físicos de venda. Tinham uma pletora de stocks e precisavam de canais alternativos para vender os seus produtos.  E nós respondemos. Ao mesmo tempo, as marcas reorganizaram-se para serem menos dependentes das suas redes físicas, mas também das plataformas digitais que oferecem os seus produtos. Por conseguinte, aceleraram a sua digitalização onde muitas vezes apenas uma parte da oferta foi proposta em linha. Encontramo-nos numa situação que não posso dizer se é conjuntural ou estrutural.

No final da crise, isto significa menos stocks. As marcas sofreram, com problemas de cash flow, coleções que por vezes são renovadas. Algumas ficarão mesmo sem stock para si próprias em 2022. É esta a imagem. Esta é uma questão central e preocupante para a Veepee.

FNW: Então 2021 será um ano de transição?
JAG:
Podemos senti-lo agora: há menos stock para vender. Esta é a nossa matéria-prima, para a qual temos de competir com os nossos concorrentes. Tivemos uma primeira metade de 2021 muito boa, mas a segunda metade é mais difícil. Menos stock significa menos operações. E houve um notável "cansaço" da Internet a partir do final de maio, com a necessidade de os consumidores irem às lojas. Desde o outono, esta frustração desapareceu. Assim, este ano teremos uma rotação ligeiramente inferior à do ano passado, mas isso é normal.

O nosso desafio de hoje é tornar a Veepee menos dependente dos stocks da marca. Estamos conscientes de que se trata de um ponto fraco. É por esta razão que continuamos a diversificar as nossas atividades.

FNW: As marcas querem produzir menos. Será isto um problema para a Veepee?
JAG:
A partir de 2022 veremos números estáveis. E seremos capazes de saber se estamos a sair de uma situação cíclica ou se estamos perante uma mudança estrutural no setor. Os stocks não são infinitos. Mas penso que não os veremos desaparecer completamente. As marcas em crescimento ainda precisam de grandes reservas para alimentarem as suas redes. É verdade que as marcas têm tendência para controlarem cada vez melhor a sua produção. Devemos portanto trabalhar para estarmos menos dependentes dos stocks da marca. Esta é uma das razões pelas quais estamos a desenvolver o Brandsplace (o marketplace da Veepee).

FNW: Até onde tem chegado o Brandsplace, desde o seu lançamento em 2019?
JAG:
O Brandsplace é um local onde a marca está sob controlo e decide gerir as suas próprias promoções nas suas coleções atuais. Neste caso, após longas negociações, temos um contrato com 20 marcas de quatro divisões do L'Oréal Group (cuidados para o cabelo, farmácia, luxo e bens de consumo), que podemos oferecer todos os dias e que se podem encomendar no mesmo cesto. Isto é único.

O BrandsPlace tem um volume de negócios de 200 milhões de euros este ano. E as nossas ambições são muito fortes. Não somos um site de pesquisa. Somos um site de eventos. O nosso Brandsplace oferece eventos mais permanentes. E de repente o membro pensa que pode encontrar tudo na Veepee. Cabe-nos a nós fazê-lo compreender isso.


O Brandsplace da Veepee vai gerar 200 milhões de euros em vendas este ano - Veepee


FNW: Quais são as ambições para o In-shop e o Re-cycle, a aventura em segunda mão?
JAG: O modelo da Veepee é o primeiro a vender os produtos das marcas armazenados nos seus armazéns. Depois, com o In-shop, vendemos os produtos que se encontram nas lojas. Agora, com o Re-cycle, vamos vender os produtos que estão adormecidos nos armários dos nossos membros. A primeira venda foi com a Aigle, seguida de muitas outras como a Villebrequin, Timberland, DCM Jennyfer, Hipanema, Petit Bateau... Em cerca de 30 operações, recuperámos cerca de 150.000 peças. Comprámos máquinas especiais para as separar, lavar, passar a ferro e fotografar, e em breve voltaremos a colocá-las à venda em vendas dedicadas. As marcas dão um cupão para gastar na sua rede de distribuição ou no seu website àqueles que devolvem os produtos. A longo prazo, o nosso objetivo é a venda de um Re-cycle por dia.
 
FNW: Estas transformações estão gradualmente a regressar à Amazon, à Zalando e a outras suas concorrentes?
JAG: A Amazon é uma necessidade: aí encontra-se tudo, a profundidade da oferta, o modelo de busca absoluta. Não fazemos o mesmo negócio. A Zalando é uma retalhista de moda a preços de boutique. O que nós não somos. Claro que disõem do site Zalando Privé, com coleções atuais adquiridas a marcas para revender no final da época, mas esse é outro modelo que não é o nosso.
 
O nosso modelo é claro: marcas, stocks de qualidade encenados num universo criativo, e fortes descontos por razões de promoção industrial ou de tráfego. Criamos eventos diários, cuja qualidade por si só gera tráfego poderoso para as marcas.
 

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.