×
374
Fashion Jobs
keyboard_arrow_left
keyboard_arrow_right

Jil Sander renuncia ao uso de peles exóticas

Por
Ansa
Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
today 8 de nov de 2019
Tempo de leitura
access_time 2 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Após uma reunião com a Peta USA, a marca de luxo Jil Sander comprometeu-se a parar de vender bolsas, carteiras e outros itens em peles de animais exóticos, como jacarés, crocodilos, avestruzes, lagartos e cobras. A maison alemã já adota a política contra a venda de lã de angorá desde 2015. 


ansa


"Por trás de cada carteira ou sapato de crocodilo, jacaré, cobra, avestruz ou lagarto há uma morte violenta", lembrou a diretora da Peta, Elisa Allen, em comunicado. "A decisão da Jil Sander de proibir peles exóticas economizará um imenso sofrimento a inúmeros animais extraordinários. A Peta pede a outras marcas de luxo que sigam o exemplo compassivo desta marca de moda."

Na decisão de proibir o uso de peles exóticas, a Jil Sander junta-se a Vivienne Westwood, Diane von Furstenberg, Victoria Beckham e Chanel. A Peta, que luta pelos direitos dos animais, publicou inúmeras denúncias sobre a indústria de peles exóticas. O grupo revelou que jacarés são mantidos em águas fétidas em cabanas húmidas e escuras, para depois terem os seus pescoços cortados e uma barra de metal inserida nas suas cabeças na tentativa de destruir o seu cérebro, enquanto ainda estão completamente conscientes. Avestruzes de um ano são transportadas de camião para o matadouro, onde os trabalhadores as colocam de cabeça para baixo, atordoadas, e depois cortam a garganta e arrancam as penas. E as cobras são normalmente pregadas nas árvores para terem os seus corpos abertos de um lado ao outro e serem esfoladas vivas.

Copyright © 2019 ANSA. Todos os direitos reservados.