×
313
Fashion Jobs
ADIDAS
Buyer - Spanish Speaker (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Gbs Finance Manager (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
CONFIDENCIAL
Supervisor de Operações (m/f) - Sul
Efetivo - CLT · LISBOA
ADIDAS
Buyer (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Buyer - German Speaker (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Buyer - Italian Speaker (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
JD SPORT
Stock Financial Controller
Efetivo - CLT · Alicante
JD SPORT
Demand Planner
Efetivo - CLT · Alicante
SALSA
Credit Control Specialist (Fluente em Inglês) – Oportunidade de Trabalho Diversificado e Dinâmico
Efetivo - CLT · Vila Nova de Famalicão
ABSOLUTARGET
Produtor de Conteúdos Para Web
Estágio · VILA DO CONDE
ABSOLUTARGET
Marketing Digital e Social Media
Estágio · PORTO
ADIDAS
General Accounting Accountant (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
LION OF PORCHES
Modelista (m/f)
Efetivo - CLT · PORTO
CONFIDENCIAL
Estilista Vestuário Homem (m/f)
Efetivo - CLT · PORTO
CLAUDIE PIERLOT PORTUGAL
Vendor(a) - Eci Lisboa - 30h H/F H/F
Efetivo - CLT · LISBOA
ADIDAS
Sales Associate (Part-Time) Loja Adidas Estádio da Luz - Lisboa
Efetivo - CLT · Lisboa
MAJE
Vendedor(a) - Porto Norte Opening
Efetivo - CLT · PORTO
MAJE
Store Manager - Eci Porto
Efetivo - CLT · PORTO
EMPRESA DE MODA NO SETOR DO LUXO
Store Manager / Loja de Gama Alta
Trabalho temporário · LISBOA
ADIDAS
Senior Data Analyst (m/f) - Direct-tO-Consumer
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Junior Controlling & Reporting Specialist (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
ADIDAS
Tax Manager (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
16 de out de 2020
Tempo de leitura
7 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Kachen Hong (Etam): "Raramente revelamos os nomes dos nossos fornecedores e mostramos-lhes ainda menos"

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
16 de out de 2020

No início de Outubro, o grupo Etam (Etam, Undiz, Maison 123, Livy, Ysé) revelou o projeto Transparency, que visa fazer com que os clientes descubram as condições de fabrico dos seus modelos de lingerie. Através da etiqueta do produto, na qual é impresso um QR-Code para ser digitalizado, ou diretamente na loja eletrónica, um pequeno vídeo expõe a fábrica que o produziu: 80% da oferta de roupa interior do grupo está atualmente coberta por este projecto, sendo o objetivo atingir 100% até ao final do ano 2021. Esta iniciativa, que emergiu do programa We Care, iniciado pela empresa em 2019, para uma moda mais sustentável, foi supervisionada por Kachen Hong, diretora de RSE do Etam Groupe. A executiva que diz levar uma vida consciente e sustentável, descreve para o site FashionNetwork.com a implementação do esquema nos últimos meses, os progressos da Etam em termos de eco-responsabilidade e os desafios que ainda se colocam.


Kachen Hong, adiretora de RSE doEtam Groupe, mestre em Desenvolvimento Sustentável, pelo Instituto de Estudos Políticos de Paris - Etam


FashionNetwork: Qual é o seu passado e em que quadro se juntou ao grupo Etam?

Kachen Hong: Sou mestre em Desenvolvimento Sustentável pelo Sciences Po Paris (Instituto de Estudos Políticos de Paris), fui consultora em desenvolvimento sustentável durante seis anos, e fundei a marca eco-responsável Les Sublimes, que foi vendida o ano passado. É esta perícia híbrida entre empreendedorismo e consultoria de desenvolvimento sustentável que interessa ao Etam Groupe. A minha entrada no início de 2020 foi uma forma de dar mais ímpeto, de trazer mais meios e mais visibilidade à estratégia de RSE do grupo. Daí, a criação do cargo de diretor, supervisionando uma equipa de cinco pessoas.

Mas, a RSE (Responsabilidade Social Empresarial) não é nova na Etam: o programa We Care foi lançado o ano passado para colocar este princípio no centro da estratégia do grupo. A minha chegada permitiu validar os diferentes eixos, em particular o objetivo de atingir 80% das coleções eco-responsáveis até 2025, em comparação com os 25% atuais. Isto já é um claro passo em frente porque, há três estações, quando começámos, esta taxa era apenas de 8%.

FNW: Porque escolheu mostrar o fabrico dos produtos em vídeo?

KH:
O projeto Transparency permite em dois cliques dar o cartão de identidade da fábrica que produziu o modelo, ou seja, o seu nome, a sua geolocalização, o número de empregados que aí trabalham, o padrão de auditoria social e a duração da sua parceria com o Etam Groupe. Estes dados são certificados por uma associação. Podemos então observar as fases de fabrico do produto em questão através de uma curta-metragem. No setor têxtil, raramente revelamos os nomes dos nossos fornecedores, e mostramos-lhes ainda menos. Somos os primeiros a mostrar estas imagens para cada produto. A nossa preferência é oferecer uma imersão com filmagens em bruto, sem fase de comercialização.
 

Cada vídeo começa com a ficha descritiva do parceiro, no caso uma fábrica na China - Etam


FNW: Quem produziu as imagens e editou os vídeos?

KH:
Pedimos aos gestores da fábrica que filmassem eles próprios o seu espaço, e para alguns deles, foram as equipas locais da Etam, tais como os gestores de controlo, que filmaram as imagens. Tudo arrancou em tempo recorde porque os vídeos começaram a ser feitos após a contenção. A edição é levada a cabo internamente pelas equipas digitais. De momento, 90 plantas estão envolvidas na China, Bangladesh, Turquia, Roménia, Norte de África e Itália.

FNW: Qual é o custo de um projeto como este?

KH:
Requer um certo orçamento, mas é sobretudo o investimento das equipas do grupo e dos nossos parceiros que é importante para o sucesso. O pedido foi bem recebido pelos fornecedores, bastante satisfeitos por o grupo Etam o ter apresentado. Alguns deles enviaram-nos peças extremamente longas! O vídeo dura apenas cerca de 30 segundos, cada vez que mostra um produto Etam a ser fabricado.
 

Fase de montagem do produto - Etam


FNW: Quais são os primeiros retornos nestas etiquetas? Pensa que isto pode ter um impacto positivo nas suas vendas?

KH:
Despertam a curiosidade nas lojas e os primeiros retornos são positivos, mas ainda é muito recente. Sabemos que os temas da transparência e do compromisso ambiental são de interesse para os nossos clientes e consumidores em geral. Não é uma moda, e este esquema é uma forma de responder às suas perguntas. Não obstante, não estudámos a sua influência sobre se uma compra é ou não desencadeada.

FNW: Quais são os próximos passos no projeto Transparency?

KH:
A abordagem começou com coleções de lingerie, o objetivo é estendê-las ao pronto-a-vestir (Etam, Maison 123). Além disso, este desejo de transparência apenas diz respeito de momento aos fornecedores de nível 1, com os quais lidamos diretamente. O nosso objetivo para os próximos anos é subir na cadeia de abastecimento para garantir uma verdadeira rastreabilidade, incluindo a fiação, o tingimento e outros processos. Infelizmente, nem sempre temos visibilidade nestas etapas.

FNW: Como assegurar as condições de trabalho nas fábricas que colaboram com a Etam?

KH:
Atualmente, 92% das referências de produtos são abrangidas por uma auditoria social validada pelos nossos fornecedores. O nosso objetivo é obviamente o de atingir 100%. Pedimos às nossas fábricas parceiras que nos forneçam um certificado de auditoria válido, de acordo com as normas ou organizações BSCI, ICS, SA8000 ou SMETA. Desde 2020, se um fornecedor não puder produzir um certificado, as equipas de compras da Etam estão proibidas de fazer uma encomenda.


Confeção do fato de banho Elma, num ateliê da Tunísia - Etam


FNW: Desistiu, portanto, de trabalhar com certos parceiros?

KH:
Quando reforçámos estes critérios, não quisemos cortar as nossas relações com certos fornecedores: foi criado um programa de apoio para os orientar para uma auditoria. Algumas fábricas podem beneficiar de isenções se se comprometerem a realizar uma certificação nos próximos meses. Na lingerie, não mudamos de fornecedor todas as estações, alguns trabalham com o grupo há mais de 10 anos. Propomos também um plano de ação para alguns parceiros, incluindo em particular a formação supervisionada pelo BSCI, das quais 1.000 horas foram dadas nas nossas fábricas parceiras em 2019.

FNW: Tem a mesma preocupação com o controlo para os subcontratantes?

KH:
Não há subcontratação na Etam. Se um fornecedor não puder absorver a totalidade de uma encomenda, tem de o declarar e delegar a outra fábrica que sabemos poder assumir. Caso contrário, podemos integrar a título de urgência, a fábrica que este solicitou, na nossa lista de parceiros diretos.

FNW: O que diz às pessoas que estão céticas quanto à abordagem de transparência?

KH:
Não podemos agradar a todos. Apesar de estarmos totalmente abertos ao diálogo, esse não é o objetivo: o grupo quer tomar medidas sinceras e empenhadas que façam sentido. Gera muita paixão a nível interno. Nós acreditamos nisso!

FNW: Precisamente, como podem envolver todos os funcionários do grupo neste trabalho sobre sustentabilidade?

KH:
As equipas encontram-se geralmente muito entusiasmadas em relação a este assunto. De facto, estamos a lançar um vasto programa de formação interna sobre o tema da RSE, com conteúdos adaptados às diferentes profissões (compras / fornecimento, marketing / comunicação, lojas, etc.). Uma primeira fase, envolvendo um terço dos funcionários da sede, terá início dentro de poucos dias.


Vestido camisola de caxemira reciclada, a um custo de 109 euros - Etam


FNW: Em que outros projetos de RSE está a trabalhar?

KH:
No âmbito do Pacto da Moda, do qual o grupo é signatário, um dos principais critérios é o de zero plástico de utilização única. O grupo identificou 300 toneladas de plástico que poderiam ser eliminadas em 2020 e 2021, ou seja, um pouco mais de um terço do depósito. Isto será feito gradualmente, mas o objetivo é eliminar completamente o plástico de utilização única até 2025 para as nossas atividades BtoC e até 2030 para as atividades BtoB, para todas as marcas do grupo. Os sacos de papel já estão em circulação nas lojas e, nos próximos meses, iremos lançar sacos de envio numa versão reciclada de papel kraft para envios de comércio eletrónico. Além disso, os cabides de plástico estão também a ser gradualmente eliminados.

FNW: Esta reflexão sobre a sustentabilidade diz igualmente respeito a matérias-primas?

KH:
Sim. Desde esta estação, toda a linha Etam de caxemira é feita de fibras recicladas. Uma pequena cadeia foi criada em Itália: raspas e camisolas velhas de caxemira são trituradas mecanicamente para criar uma nova camisola, com um pouco de caxemira virgem acrescentada, e o tintureiro é certificado GOTS. O nosso posicionamento permanece completamente acessível, o preço de uma camisola de caxemira Etam começa em 79 euros.

FNW: A segunda mão é um assunto inevitável neste momento, está o grupo Etam interessado nela?

KH:
Dentro do grupo, a Maison 123 já lançou a sua plataforma de moda de segunda mão. Para a lingerie, por outro lado, a segunda mão traz uma dificuldade adicional, uma vez que se trata de roupa interior. Ainda está em consideração... mas, não vou dizer mais nada.
 

Copyright © 2020 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.