×
303
Fashion Jobs
DIRETOR(A) INDUSTRIAL
Diretor(a) Industrial
Efetivo · MONACO-VILLE
GIANNI KAVANAGH
PR / Influencers Management
Efetivo · BRAGA
ADIDAS
Specialist Gbs HR Services Bik - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
TIFFOSI
Comprador de Vestuário (m/f)
Efetivo · Porto
CONFIDENCIAL
Country Manager Iberica Textile
Efetivo · PORTO
SALSA
Ecommerce Product Manager – Desenvolvimento do Negócio Digital da Marca
Efetivo · Vila Nova de Famalicão
SPORT ZONE
Marketplace Business Developer (m/f)
Efetivo · Maia
SALSA
Ecommerce Product Specialist – Oportunidade de Especialização em Ecommerce
Efetivo · Vila Nova de Famalicão
ADIDAS
Buyer (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sap Fico Tech Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Sap Fico Consultant (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Specialist Gbs Direct to Consumer Ecommerce (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Sales Associate Part-Time - Centro Comercial The Style Outlets - Vila do Conde
Efetivo · Porto
TIFFOSI
Gestor de Produto (m/f)
Efetivo · Porto
ADIDAS
HR Specialist Gbs Operations - General Admin - German Speaker (M/F/D)
Efetivo · Porto
ADIDAS
Senior Director Gbs Accounting & Tax Europe (m/f)
Efetivo · Porto
DAMA DE COPAS
Consultora de Lingerie
Efetivo · PORTO
THE KOOPLES
Sales Assistant 16h - Eci Lisbon
Efetivo · LISBOA
EMPRESA DE MODA NO SETOR DO LUXO
Vendedor/a de Loja de Gama Alta
Temporario · LISBOA
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Foz Plaza - a Tua Melhor Versão
Efetivo · Figueira da Foz
COURIR PORTUGAL
Sales Assistant - Coimbra cc Forum Coimbra - CDI - Part-Time - 20h - m/h
Efetivo ·
COURIR PORTUGAL
Sales Assistant - Lisboa cc Chiado - CDI - Part-Time - 20h - m/h
Efetivo · LISBOA
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
15 de mar. de 2022
Tempo de leitura
8 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Karl Lagerfeld: CEO Pier Paolo Righi aborda sustentabilidade e valores familiares

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
15 de mar. de 2022

Parafraseando a famosa frase de Tolstoy (um dos grandes da literatura russa), as empresas sustentáveis são todas iguais, mas as empresas anti sustentáveis são muito diferente, em conformidade com a sua própria maneira de ser. É o caso da maison de Karl Lagerfeld, cujo impulso para a sustentabilidade reflete a abordagem alargada do clã da marca.


Escritório da marca Karl Lagerfeld em Amesterdão - Foto: Cortesia da Karl Lagerfeld - DR


Herr Lagerfeld salientou sempre a importância de trabalhar com os amigos. Não tinha descendentes, mas nomeou quatro modelos distintos e embaixadores da marca como "seus filhos", e trabalhou com muitas pessoas durante literalmente gerações.
 
Isso ainda hoje é verdade. Quando uma visita é a sede da marca em Amesterdão três anos após a sua morte, Caroline Lebar, a mão direita de Karl desde 1985, é uma das primeiras a dar-lhe as boas-vindas. O antigo motorista de Lagerfeld, Sébastien Jondeau, é embaixador e designer da marca; e dois modelos que eram amigos, Amber Valletta e Cara Delevingne, criaram ambos coleções cápsula.

Hoje em dia, é praticamente impossível encontrar um comunicado de imprensa de moda que não inclua a palavra sustentável. Mas apesar de toda a conversa, a indústria da moda a nível mundial ainda é culpada de causar cerca de 10% de todas as emissões globais de gases e de libertar anualmente 1,2 mil milhões de toneladas de dióxido de carbono.
 
Dito isto, poucos países têm estado tão ecologicamente empenhados como os Países Baixos, que é onde a maison Lagerfeld tem estado sediada durante a última década, localizada na grande mansão de um antigo banqueiro, no canal de Herengracht. Um edifício que Lagerfeld inspecionou e aprovou pessoalmente, apenas três meses antes da sua morte em fevereiro de 2019.
 
Foi onde nos sentámos com Pier Paolo Righi, o diretor executivo germano-italiano de Karl Lagerfeld, num escritório aberto à luz suave dos olmos do canal. Righi foi nomeado pouco depois da aquisição da marca Lagerfeld por um grupo misto de investidores de moda altamente experientes liderados por Silas Chou, e incluindo Tommy Hilfiger, Fred Gehring e G-III, o licenciador norte-americano da marca.
 
Embora Lagerfeld tenha transformado a Chanel na marca de moda de luxo mais rentável e influente do planeta durante quase quatro décadas, a sua própria marca teve uma história muito mais mista. Mudou de mãos quatro vezes, e acabou por ser vendida de volta a Karl pela Richemont, o terceiro maior conglomerado de luxo do mundo, por um franco simbólico em 1997. Tudo isso mudou com Righi, que aproveitou o valor de celebridade da imagem icónica de Karl; visou um ponto doce de preço médio; construiu uma presença dinâmica na web e trabalhou com o clã de Karl de forma consistente.
 
Portanto, aqui está a tomada de Righi pela sustentabilidade; mantendo o crescimento; reuniões de clã e uma possível estratégia de saída de investidores.
 

O CEO da Karl Lagerfeld,Pier Paolo Righi - Foto: Cortesia da Karl Lagerfeld - DR


Fashion Network: Porque é a sustentabilidade importante para a maison de Lagerfeld?
Pier Paolo Righi:
Bem, quando embarcámos com Karl Lagerfeld há uma década, era realmente um começo, uma mão cheia de gente. Assim, vimos uma oportunidade de criar a sua própria cultura. Um negócio com um elemento chave – a união. Um grupo de pessoas com os mesmos objetivos, que trabalha apaixonadamente. Hoje vejo uma equipa que abraçou esta ideia com cuidado. E não nos podemos preocupar intrinsecamente com as pessoas, a menos que se preocupem com o planeta e com a forma como trabalham e vivem e se tratam uns aos outros.
 
FNW: Porque é um projeto real e não uma lavagem verde?
PPR:
Bem, nós aderimos ao Pacto da Moda. E, inicialmente, eu estava super assustado, pois lá nos encontrávamos nós com todos os grandes. E tivemos de nos questionar, como é que apoiamos esta iniciativa?! Precisávamos de abordar as áreas-chave: conhecimento; aferição do que outros tinham feito; e fazer um roteiro. Construímos partes interessadas na responsabilidade empresarial em cada função. Escolher pessoas para dentro para conduzir toda a agenda. E este gabinete tornou-se um ponto de partida para esse impulso.
 
FNW: De que forma?
PPR:
Este edifício é bastante histórico. Data dos anos 1500, e já foi propriedade de um banqueiro, que construiu um salão de baile no seu interior, que também foi abençoado pelo Papa! Abordámos o consumo de energia e fizemos todo o LED de iluminação. Toda a nossa eletricidade é eólica; não utilizamos gás, o que é raro ao longo deste canal. Temos um sistema de climatização que recicla o calor produzido pelos nossos corpos, computadores e aparelhos. E temos um sistema de gestão de resíduos. Não temos outra alternativa senão andar a falar.
 
Além disso, cerca de 80% das nossas lojas são ecologicamente responsáveis. Também criámos uma etiqueta verde de pendurar. Eventualmente, cada um dos produtos receberá uma. Há um ano, cerca de 25% dos nossos produtos tinham etiquetas de mão, hoje passámos os 50%, um salto quântico. É mais um motivo de orgulho para nós do que uma questão de comunicar com o mundo exterior.
 
Outra questão-chave é a embalagem. Todo o nosso papel é FSC (Forest Stewardship Council) para mostrar que não provém de florestas tropicais. Retirámos o recheio da maioria dos sacos e utilizamos o transporte plano para poupar espaço ao transportar.


Valletta na campanha Amber Valletta x Karl Lagerfeld - Foto: Cortesia da Karl Lagerfeld - Foto: Mit freundlicher Genehmigung von Karl Lagerfeld


FNW: Que papel desempenha Amber Valletta como principal embaixadora da sustentabilidade?
PPR:
Há oito anos, Amber abordou Karl, dizendo que queria trabalhar numa coleção sustentável. Karl gostou da ideia e discutimos algumas abordagens e fontes. Mas a empresa era ainda muito jovem. Para ser honesto, não sabia como fazer o trabalho corretamente, e fazer como fosse suposto que fosse. Precisávamos de tempo para a fazer bem. Mas continuámos a reunir-nos em LA e em Paris e depois, há dois anos, sentimos que era a altura certa. Devo dizer que estamos todos muito impressionados com o grau de conhecimento da Amber, e com o quanto ela tinha aprendido sobre elementos-chave da sustentabilidade: desde pontos de recolha a parceiros-chave.
 
FNW: O que o levou a nomear Amber embaixadora?
PPR:
Mantivemos a ideia focada, mas rapidamente aprendemos que tinha de ser muito mais apaixonada de ambos os lados. Por isso, dissemos, vamos apontar em algo que vá para além do produto. É muito agradável e bonito trabalhar com ela, mas também stressante, pois empurra-nos para o melhor das nossas capacidades. Começámos com produtos individuais; e depois com o nosso ciclo completo de produtos. Agora, estamos a olhar para a ideia de retirar o produto ou alugar o produto, ela continua a desencadear o nosso pensamento.
 
FNW: Que tipo de ano estão a ter?
PPR:
Para o fim do ano fiscal no fim de março, vamos ter um aumento de mais de 40% no volume de negócios anual. Eu próprio me belisco quando o digo. É muito reconfortante. Não tivemos uma retração real na pandemia, apenas 4% abaixo. Portanto, estamos agora 35% acima do nível pré-endémico. E esperamos um crescimento de mais de 20% a 25% no próximo ano.
 
FNW: Qual é o vosso volume de negócios anual?
PPR:
Deixem-me pôr as coisas desta forma: o agregado de todas as nossas vendas, a retalho, está próximo de mil milhões de dólares (914,10 mil milhões de euros).


O interior do escritório em Amesterdão - Foto: Cortesia da Karl Lagerfeld - Foto: Mit freundlicher Genehmigung von Karl Lagerfeld


FNW: Que figura era essa quando se tornou CEO?
PPR:
Há uma década, um par de dezenas de milhões de euros.
 
FNW: Quantas licenças tem?
PPR:
Temos cerca de 15 – regionalizadas. Como o G-III, que é também um dos nossos acionistas, e licencia bolsas em todo o mundo e calçado nos EUA.
 
FNW: O grupo G-III acabou de comprar a Sonia Rykiel. O que tenciona fazer?
PPR:
Não estou envolvido, mas acredito que a Rykiel é abençoada com uma grande herança e alma. E seria uma grande pena se não pudesse ser acelerada para o futuro.
 
FNW: Como reagiu à invasão russa da Ucrânia?
PPR:
O nosso negócio direto ao consumidor através da Karl.com não está a fazer entregas na Rússia.

Todas as nossas lojas na Rússia são operadas pelo nosso parceiro de franquia, nós próprios não possuímos quaisquer lojas diretamente.
 
FNW: Quando é que a maison de Karl Lagerfeld se tornará pública?
PPS:
 (Risos.) Isso é muito difícil para mim dizer, pois temos um grupo de acionistas muito diversificado. Isso é com eles. Mas, é justo dizer que, a dada altura, alguém vai querer uma consolidação dos acionistas!
 
FNW: Quais são os seus próximos grandes projetos?
PPR:
Muitos e ansioso por lançar uma cápsula com Cara Delevingne. Fazia parte da família, e Karl gostava muito dela. Gostei da ideia porque está no ADN de Karl, para ser bastante fluido em termos de género. O que é esta coleção. KL disse muitas vezes que temos de fazer uma coleção sem género chamada KGB (Karl Girls and Boys). Eu veria a coleção da Cara em 100 portas em todo o mundo, nas nossas lojas e em alguns parceiros retalhistas selecionados. A distribuição da Amber, fora da minha cabeça, algumas centenas de pontos de venda, porque está mais concentrada nos sacos.
 
FNW: Qual é o próximo passo com Sébastien Jondeau?
PPR:
Também faz parte da família Karl. Quando Karl era vivo, Sébastien já era embaixador e levou-o para o processo de desenvolvimento. Como parte do vestuário masculino, particularmente quando se trata de vestuário desportivo. Ele tem muita perspicácia e ideias práticas e funcionais. Está literalmente a conceber produtos e a desenhar.
 
FNW: Alguma hipótese de um museu Karl?
PPR:
Não estamos a excluir isso, especialmente se olharmos para o arquivo. Trouxemos todo o arquivo para Amesterdão e colocámo-lo num cofre especial. Foi tudo digitalizado, e as peças de vestuário arquivadas. Portanto, um museu deve ser feito no futuro.
 

Copyright © 2022 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.