Kering mantém o ritmo e Gucci continua a crescer, embora a menor velocidade

Paris, 23 de outubro de 2018 (AFP) - O grupo Kering, que se concentrou no luxo após a venda da marca desportiva Puma, manteve o ritmo no terceiro trimestre, com as vendas a progredirem 27%, enquanto o crescimento da sua marca principal, a Gucci, continua forte, apesar de uma ligeira desaceleração.


Gucci apresenta crescimento superior a 35% numa base comparável ao longo do trimestre - Gucci

Entre julho e setembro, o grupo de François-Henri Pinault acumulou 3,4 mil milhões de euros de volume de negócios, um desempenho superior ao consenso das agências Factset e Bloomberg, que apontavam para 3,26 e 3,23 mil milhões, respetivamente.

O volume de negócios aumentou 27% tanto em dados publicados como em dados orgânicos, revelou a Kering num comunicado divulgado na terça-feira.

Mas, se levarmos em conta a venda das marcas Puma, Volcom e Stella McCartney, saídas do universo Kering no primeiro semestre, o volume de negócios recua automaticamente 13%.

"Estamos particularmente orgulhosos por alcançarmos, trimestre após trimestre, um desempenho tão extraordinário. O nosso ritmo de crescimento é único no nosso setor. Este crescimento é saudável, equilibrado e sustentado em todas as regiões e todos os canais de distribuição", comentou François-Henri Pinault, citado no comunicado.

"Para lá dos altos e baixos económicos, o crescimento estrutural do mercado de luxo, mas também os nossos fundamentos e a disciplina com a qual implementamos a nossa estratégia, deixam-nos confiantes na nossa capacidade de apresentar um desempenho operacional e financeiro superior ao mercado", acrescentou.

maison italiana Gucci, principal fonte de lucros do grupo, continuou o seu progresso, com as vendas a atingirem 2,09 mil milhões de euros, um aumento de 35% no trimestre em dados orgânicos, após +48,7% no primeiro trimestre e +40,1% no segundo trimestre.

"Apesar dos pontos de comparação elevados, a Gucci realizou, uma vez mais, um excelente trimestre. O crescimento da maison é particularmente saudável e o sucesso das coleções permanentes, assim como das novidades, em todas as categorias de produtos, reflete-se em todos os canais de distribuição", enfatizou a Kering.

No final de setembro, num vídeo para uso interno ao qual a AFP teve acesso, o CEO da marca, Marco Bizzarri, havia advertido que se deveria esperar uma normalização do crescimento da marca: "Devemos reconhecer o facto de que, num determinado momento, vamos desacelerar, não podemos crescer 50 ou 60% por mês, é impossível."

A Yves Saint Laurent, a segunda marca do grupo, registou um aumento de 16% na sua atividade, enquanto a Bottega Veneta - que havia estancado em 2015 e 2016 antes de começar a recuperar no ano passado - caiu 8,4%.

Traduzido por Estela Ataíde

Copyright © AFP. Todos os direitos reservados. A Reedição ou a retransmissão dos conteúdos desta página está expressamente proibida sem a aprovação escrita da AFP.

Luxo - DiversosNegócios
SUBSCREVA A NOSSA NEWSLETTER