×
267
Fashion Jobs
ADIDAS
HR Specialist Gbs Operations - Mobility (M/F/D) - Maternity Leave Cover
Efetivo ·
ADIDAS
Senior Technology Consultant - Product & Supply Chain (M/F/D)
Efetivo ·
ADIDAS
Tech Analyst - Digital & Omnichannel/ Manage Business (M/F/D)
Efetivo ·
ADIDAS
Senior Tech Project Manager - Sales Tech (M/F/D)
Efetivo ·
PRIMARK - PORTUGAL
Estágio Curricular Manager Comercial
Efetivo · PORTO
ADIDAS
Service Manager - Sales Services (M/F/D)
Efetivo ·
ADIDAS
Buyer - German/Italian/French/Spanish (M/F/D)
Efetivo ·
ADIDAS
Senior Specialist Payroll (m/f) - HR Services - German Speaker
Efetivo ·
ADIDAS
Sap Consultant - bw4hana/Sac (M/F/D)
Efetivo ·
ADIDAS
Senior Sap Consultant - bw4hana/Sac (M/F/D)
Efetivo ·
ADIDAS
Senior Sap Consultant - Ariba (M/F/D)
Efetivo ·
SACOOR BROTHERS
Fiel de Armazém (Storekeeper) - c. Comercial Colombo
Efetivo · Lisboa
SPORT ZONE
Financial Controller (m/f)
Efetivo · Maia
SACOOR BROTHERS
Sales Assistant- c. Comercial Ubbo Alfragide
Efetivo · Lisboa
ADIDAS
Senior Sap Consultant - Sac/bw-ip/Fico (M/F/D)
Efetivo · Porto
TIFFOSI
Comprador de Vestuário (m/f)
Efetivo · Porto
FOREO
Marketing Manager - Portugal
Efetivo · LISBON
COURIR PORTUGAL
Sales Assistant - Coimbra cc Forum Coimbra - CDI - Part-Time - 20h - m/h
Efetivo ·
COURIR PORTUGAL
Sales Assistant - Lisboa cc Chiado - CDI - Part-Time - 20h - m/h
Efetivo · LISBOA
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja (Part-Time) - Amoreiras - a Tua Melhor Versão
Efetivo · Lisboa
ADIDAS
Data Engineer (M/F/D)
Efetivo ·
ADIDAS
Associate Data Engineer (M/F/D)
Efetivo ·
Por
Reuters
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
7 de jun. de 2019
Tempo de leitura
2 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Kering quer reforçar controlo do seu comércio online

Por
Reuters
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
7 de jun. de 2019

A Kering, proprietária de marcas como a Gucci, vai reforçar o controlo das suas operações de comércio eletrónico, focando-se nos sites das suas marcas próprias para vender os seus produtos de luxo e em empresas nas quais possa controlar a sua imagem e os dados dos clientes.


Photo: Gucci


Após aderirem às compras online mais tarde do que as marcas moda mais acessíveis, muitos grupos de luxo estão agora a investir fortemente no comércio eletrónico, enquanto trabalham em formas de manter um maior controlo da distribuição e dos preços, dois elementos que lhes ajudam a manter a sua aura de exclusividade.
 
A Kering já havia dito que iria recuperar o controlo das operações na internet de marcas como Balenciaga e Alexander McQueen, que foram desenvolvidas pela Yoox Net-A-Porter (YNAP), um retalhista online que é agora propriedade da Richemont, um dos os rivais do grupo.

A joint venture com a YNAP terminará no segundo trimestre do próximo ano, explicou o diretor digital da Kering, Gregory Boutte, à margem de um dia com os investidores do grupo.
 
Com o objetivo de aumentar as vendas e as margens, a empresa também procura converter as suas colaborações com terceiros, como retalhistas multimarca como a Farfetch ou a Matchesfashion.com, naquilo a que chama de concessões online, nas quais controla tudo, desde a variedade de produtos até à sua apresentação.

"Cada vez que passamos de uma venda por atacado a uma concessão, vemos que a nossa linha principal aumenta de maneira significativa", sublinhou Boutte.
 
A Kering "não era contra a venda por atacado" e não pretendia terminar as suas relações com terceiros, acrescentou Boutte.
 
Equipa em crescimento
 
A Kering, cujos rivais também estão a investir no comércio eletrónico, incluindo a LVMH, proprietária da Louis Vuitton, não revelou quanto gastou na expansão destas operações. A sua equipa digital cresceu de quatro pessoas em 2017 para mais de 80 atualmente.

Boutte comentou que a Kering poderá estar aberta a unir-se a uma plataforma tecnológica de blockchain que a LVMH está a desenvolver para ajudar a rastrear cadeias de abastecimento e autenticar produtos numa indústria que tem frequentemente que lidar com produtos falsificados.

O total de vendas online da Kering - incluindo os negócios realizados através de plataformas de terceiros, calculadas no retalho e não a preços de atacado mais baixos - atingiu os 9,4% da receita do grupo em 2018, foi revelado esta sexta-feira.
 
As vendas online através dos próprios sites das marcas e concessões online representaram 4,7% das receitas.

Na indústria de bens de luxo como um todo, o comércio eletrónico representa cerca de 10% dos negócios atuais e deverá chegar a 25% das vendas até 2025, segundo estimativas da consultora Bain.

© Thomson Reuters 2022 Todos os direitos reservados.