×
Por
Reuters API
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
28 de set. de 2022
Tempo de leitura
2 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

L'Oreal enfrenta processo judicial devido a reivindicações relacionadas com o seu colagénio suavizante de rugas

Por
Reuters API
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
28 de set. de 2022

A L'Oreal SA não conseguiu persuadir um juiz norte-americano, em Manhattan, na terça-feira (27 de setembro), a rejeitar uma proposta de ação coletiva, que acusa a empresa de defraudar os compradores, sugerindo dois produtos tópicos de colagénio que ajudam a suavizar as rugas.


AL'Oreal enfrenta processo judicial devido a reivindicações relacionadas com o seu colagénio suavizante de rugas - Reuters


Os queixosos Rocio Lopez e Rachel Lumbra processaram a empresa em agosto de 2021, alegando que a L'Oreal violou as leis de proteção do consumidor de Nova Iorque e da Califórnia ao enganá-lo com o pagamento excessivo pelo seu Collagen Moisture Filler Day/Night Cream e pelo seu Fragrance-Free Collagen Moisture Filler Daily Moisturizer.

De acordo com a queixa, o colagénio aplicado topicamente é demasiado grande para ser absorvido pela epiderme, a camada mais alta da pele, tornando os produtos incapazes de ajudar a "suavizar as rugas" e a "restaurar a almofada da pele", como os rótulos sugerem.

A L'Oreal procurou uma cessão, alegando que não dizia que um hidratante contendo colagénio penetraria na pele ou estimularia a produção de colagénio, e que os consumidores razoáveis não acreditariam no contrário a partir dos nomes dos produtos.

Mas o juiz distrital norte-americano Andrew Carter disse que os queixosos alegaram plausivelmente que o "colagénio" nos rótulos da L'Oreal se referia a moléculas que proporcionam benefícios cosméticos, alegando inverter os sinais de envelhecimento.

"É totalmente plausível que um consumidor razoável, ao comprar cosméticos, veja um produto chamado 'Collagen Moisture Filler', prometendo 'suavizar rugas' e 'restaurar a almofada da pele', e associe este produto aos benefícios cosméticos da molécula de colagénio", escreveu o juiz.

A L'Oreal e os seus advogados não responderam imediatamente aos pedidos de comentários. Um advogado para os queixosos não respondeu imediatamente a pedidos semelhantes.

O processo procura danos não especificados para os compradores dos produtos L'Oreal a nível nacional.
 

© Thomson Reuters 2022 All rights reserved.