×
350
Fashion Jobs
Por
AFP
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
26 de out de 2020
Tempo de leitura
3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

L'Oréal: o comércio eletrónico tem sido a "arma secreta este ano"

Por
AFP
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
26 de out de 2020

O PDG do grupo L'Oréal, Jean-Paul Agon, em entrevista à agência de notícias francesa AFP – uma das mais prestigiadas do mundo, fundada em 1835 – , explicou que "a pandemia pesou nas compras de cosméticos, mas a L'Oréal está confiante para o segundo semestre do ano, em particular graças ao comércio online".


Jean-Paul Agon, PDG do grupo L'Oréal - DR


AFP: Como antecipar uma possível segunda vaga quando alguns países, como a Irlanda, reconfiguraram a sua população?

Jean-Paul Agon:
A situação é incrivelmente mista, alguns países emergiram da pandemia, como a China, enquanto outros estão a recuar. (...) Veremos o que acontece na Europa Ocidental, é um panorama preocupante, mas penso que não vamos ver novamente um cenário de contenção total. Ao mesmo tempo, o comércio eletrónico desenvolveu-se. Foi a nossa arma secreta este ano, porque estávamos muito à frente dos nossos concorrentes, e isso representa agora quase um quarto do nosso volume de negócios.

AFP: Após uma queda acentuada nas vendas, na primeira metade do ano, a L'Oréal recuperou as suas cores no terceiro trimestre: qual é a estratégia?

JPA: Lançámos um plano muito agressivo em junho: estreamos produtos cujo lançamento tinha sido adiado (...) Tínhamos razão em fazer esta aposta ousada, enquanto os nossos concorrentes adiavam os seus lançamentos para o próximo ano. Isto ajudou também ao desempenho porque não tínhamos muita concorrência em termos de lançamentos e inovações. Aproveitámos a retoma do verão.

Conseguimos alcançar um crescimento significativo neste trimestre (...). Estimamos que o mercado global da beleza, no terceiro trimestre, esteja estimado em -5% ou -6%. Mas, a L'Oréal está com balanço positivo, com +1,6%, o que é um dos melhores "resultados" que temos tido desde há muito tempo.

AFP: A crise atual irá mudar as tendências dos cosméticos?

JPA:
Faço a distinção entre mudanças durante o COVID-19 e depois do COVID-19. Penso que quando terminar a pandemia, o mercado da maquilhagem recomeçará. É demasiado cedo para saber, mas não creio que isso vá mudar as tendências. Haverá inflexões: a noção de saúde, que já estava a aumentar nas aspirações de beleza, continuará a acelerar. Mas, há alguns fenómenos momentâneos que não vão durar. Existem alguns efeitos estranhos do COVID-19: algumas pessoas usam menos desodorizante. Mas, não penso por um segundo que, quando voltarmos a viver normalmente, as pessoas terão perdido a noção de desodorizante!

AFP: Em maio de 2021, irá entregar o leme a Nicolas Hieronimus, o atual diretor-geral adjunto. Como resumiria os seus anos à frente do grupo?

JPA:
Juntei-me à L'Oréal em 1978. Na altura, o volume de negócios era inferior a um bilião de euros, mas hoje é de 30 biliões de euros! (...) Passei 15 anos ao leme, e há um par de coisas com que estou feliz. A primeira é estabelecer um novo paradigma na L'Oréal, que é o duplo desempenho. Quando assumi o cargo de CEO, a L'Oréal tinha uma grande reputação como uma empresa de sucesso em todas as frentes: crescimento, rentabilidade, etc. Estou muito contente com isso. (...) Mas, isso já não era suficiente, e eu sentia que o desempenho extra-financeiro era essencial: desempenho ambiental e social, que era a minha prioridade, por convicção pessoal e também porque sentia, na altura da crise de 2008-2009, que os tempos estavam a mudar, que as expectativas de todos sobre a empresa tinham mudado.

A outra grande satisfação foi a grande alteração digital. Tenho o entusiasmo de dizer a mim mesmo que a L'Oréal antecipou os grandes pontos de viragem históricos no mundo.

AFP: Quanto tempo mais vai demorar até elegerem uma diretora-geral feminina?

JPA:
O processo de seleção incluiu candidatos. A comissão de nomeação e a direção, comigo, determinaram que a melhor escolha entre nós é Nicolas Hieronimus e eu estou muito contente com isso. Esta nomeação está perfeitamente de acordo com o princípio sacrossanto da meritocracia "Loréaliana".

Mas, pela primeira vez na história da L'Oréal, há uma gerente geral adjunta, Barbara Lavernos. (...) Isto é um reconhecimento da sua extraordinária carreira, mas também um reconhecimento da profissão de engenheira.

Por Marie-Morgane LE MOEL
 

Copyright © AFP. Todos os direitos reservados. A Reedição ou a retransmissão dos conteúdos desta página está expressamente proibida sem a aprovação escrita da AFP.