×
358
Fashion Jobs
MINGA LONDON
Ecommerce Manager
Efetivo - CLT · GUIMARÃES
MINGA LONDON
Head of Creative Content / Art Director
Efetivo - CLT · GUIMARÃES
SALSA
IT Retail Systems Specialist – Oportunidade de Suporte e Participação em Projetos de IT
Efetivo - CLT · Vila Nova de Famalicão
GIANNI KAVANAGH
Marketing Director
Efetivo - CLT · BRAGA
SALSA
IT Development Specialist – Oportunidade de Fazer a Diferença no Dia a Dia do Utilizador Final
Efetivo - CLT · Vila Nova de Famalicão
ADIDAS
Sap Fico Tech Consultant (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
TIFFOSI
Area Manager (m/f)
Efetivo - CLT · Faro
ADIDAS
Buyer - German Speaker (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
JD SPORT
Stock Financial Controller
Efetivo - CLT · Alicante
JD SPORT
Demand Planner
Efetivo - CLT · Alicante
HUGO BOSS
Sales Associate Hugo Boss Factory Outlet Almancil (f/m)
Efetivo - CLT · Quarteira
HUGO BOSS
Sales Associate Hugo Boss Factory Outlet Almancil (f/m) 1
Efetivo - CLT · Porto
HUGO BOSS
Sales Associate Hugo Boss Factory Outlet Vila do Conde (f/m)
Efetivo - CLT · Porto
HUGO BOSS
Assistant Store Manager Hugo Boss Factory Outlet Vila do Conte (f/m)
Efetivo - CLT · Porto
HUGO BOSS
Assistant Store Manager Hugo Boss Factory Outlet Vila do Conte (f/m)
Efetivo - CLT · Porto
HUGO BOSS
Ales Associate Hugo Boss Factory Outlet Almancil (f/m)
Efetivo - CLT · Quarteira
HUGO BOSS
Sales Associate Boss Store Quinta do Lango (f/m)
Efetivo - CLT · Almancil
HUGO BOSS
Sales Associate Boss Store Quinta do Lago (f/m)
Efetivo - CLT · Almancil
HUGO BOSS
Assistant Store Manager Hugo Boss Factory Outlet Almancil (f/m)
Efetivo - CLT · Quarteira
HUGO BOSS
Assistant Store Manager Hugo Boss Factory Outlet Almancil (f/m)
Efetivo - CLT · Quarteira
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Mar Shopping Matosinhos - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Matosinhos
SALSA
Vendeur(se) Carre Senart 30h
Efetivo - CLT · Paris
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
26 de mai de 2020
Tempo de leitura
3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

La Halle: Beaumanoir, Chaussea ou Besson são candidatos à aquisição

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
26 de mai de 2020

Quem quer assumir o património da La Halle? Um pedido da empresa retalhista de moda familiar do grupo Vivarte que nada transparece no seu site. 

A empresa La Halle foi objecto de um processo de salvaguarda desde 21 de abril, tendo recebido sete propostas de aquisição parcial, na sua maioria por parte de concorrentes. Globalmente, estes processos combinados permitiriam salvar 3.195 postos de trabalho em 5.391, ou seja, cerca de 60% da mão-de-obra. Em número de lojas, 502 unidades de um total de 830 seriam tomadas a cargo. Por enquanto, a logística da La Halle (dois armazéns e 496 empregados) não interessa a nenhum comprador.

A oferta mais vasta provém do grupo Beaumanoir, já ativo no processo Naf Naf. A empresa Malouine pretende adquirir mais de 300 lojas com mais de 2.000 empregados, mantendo a marca La Halle. Depois vêm ofertas complementares, incluindo as das cadeias periféricas Chaussea (100 lojas adquiridas) e Besson (antiga marca do grupo Vivarte), mas também Gémo. Dois agentes do sector alimentar estão, ainda, a concorrer a alguns pontos de venda.


Conceito de família da La Halle, revelado em 2018 em Metz - La Halle


O CEO do grupo Vivarte, Patrick Puy, explicou a 15 de abril que procurava a sua parte para construir um plano para sair da crise, separando-se dos pontos de venda a vermelho e, portanto, vendendo ou fechando 100 a 200 lojas. Não será esse o caso. A ideia de um plano de recuperação foi abandonada e, a fim de começar a vender as lojas, a La Halle será colocada em liquidação na próxima semana.

No estado de crise atual, 2.196 pessoas estariam, portanto, sujeitas a um plano de proteção do emprego.

Será lançado um novo concurso que se presume incluirá as propostas já apresentadas, que poderão ser reforçadas, e poderá atrair novos candidatos para adquirirem outros ativos. "Faremos o nosso melhor para os melhorar. Não somos gananciosos: Quase todas as propostas seriam sem qualquer contrapartida financeira, excepto talvez a venda de ações. Na segunda volta, esperamos trazer outros jogadores", diz Patrick Puy.

O exame das ofertas terá lugar entre 8 e 10 de junho. Os candidatos à aquisição terão ainda de provar que possuem a solidez necessária para financiar a atividade das lojas que pretendem adquirir no futuro.

Na situação atual, 2.196 pessoas estariam assim abrangidas por um plano de proteção do emprego, que poderia ser adoptado em julho, com notificações de despedimento a efectuar no início do mês de agosto. "Não podia imaginar um tal resultado", diz o CEO. Fizemos muitos esforços, mas, sim, vejo-o como um fracasso".

A crise de COVID-19 agravou a situação da empresa, que já tinha sido posta à prova pelo movimento dos Coletes Amarelos, depois as greves contra a reforma das pensões. Com as oito semanas de encerramento das lojas durante o confinamento, perderam-se cerca de 80 milhões de euros em vendas por mês. A cadeia, que tem vendas anuais de 847 milhões de euros, também liquidou recentemente o seu escritório de compras na Ásia.

Desde a reabertura das lojas a 11 de maio, Patrick Puy refere que a cadeia registou um elevado nível de vendas: Nas últimas duas semanas, a atividade da La Halle aumentou em média 30% em relação ao mesmo período do ano passado.

Em 2017, um plano de despedimentos já tinha conduzido ao encerramento de 135 pontos de venda La Halle e à perda de 450 postos de trabalho, preparando a fusão das duas Halle (vestuário e calçado). Em Fevereiro de 2020, foi anunciado um SPE, agora suspenso devido ao procedimento, na sede e na logística, que afecta 101 postos

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.