×

Lancel impulsiona vendas da Piquadro, mas vê a sua rentabilidade afetada

Publicado em
today 13 de jun de 2019
Tempo de leitura
access_time 3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

No início do salão florentino Pitti Uomo, o grupo italiano Piquadro apresentou os seus resultados financeiros referentes ao ano fiscal encerrado a 31 de março de 2019. O grupo informou que atingiu um volume de negócios de 147,5 milhões de euros, um aumento de 51 % em comparação com o ano anterior (97,63 milhões de euros). Merece destaque o bom desempenho da marca francesa de artigos de couro Lancel, que o presidente Marco Palmieri comprou ao grupo Richemont em junho de 2018. Em poucos meses, o Palmieri conseguiu recuperar o status da marca histórica que nos últimos anos sofreu um lento colapso.


Marco Palmieri, presidente e diretor-geral do grupo Piquadro

 
As vendas da Lancel totalizaram 45,2 milhões de euros, enquanto as das outras duas marcas do grupo, Piquadro e The Bridge, registaram 102,3 milhões de euros. A marca Piquadro registou aumento de 2,6%, com crescimento de 4,3% no retalho (incluindo o comércio eletrónico) e de 1,4% no atacado (que representou 58,3% do total de vendas da marca). A The Bridge registou crescimento de 11,6%, com aumento de 14,7% nas vendas do retalho e de 10,3% nas vendas do atacado (68,8% das vendas). No caso da Lancel, 82,8% da receita foi proveniente da rede de retalho, que inclui 58 lojas em França, duas em Itália, uma em Espanha, uma na Rússia e uma na China.

O grupo italiano fortaleceu-se internacionalmente graças à marca francesa. No mercado interno (53,9% das vendas), a empresa registou crescimento de apenas 7,2% (4,9% excluindo a Lancel), na Europa (43% das vendas), o crescimento foi de 207,4% (7,6% excluindo a Lancel), e nos demais países o aumento foi de 62,9%.

No entanto, a Lancel ponderou a rentabilidade do grupo. O Ebitda foi fixado em apenas 830 mil euros, ante a 10,78 milhões de euros no ano anterior, devido aos resultados negativos de 11,4 milhões de euros da marca francesa e aos custos de aquisição (1,42 milhões de euros). Excluindo a Lancel, o Ebitda ajustado atingiu 12 milhões de euros (um aumento de 11,4%). O resultado líquido consolidado do exercício de 2018/19 foi de 34,48 milhões de euros.

"Os números da Lancel começam a mostrar os primeiros sinais da recuperação da marca e as novas coleções estão a funcionar muito bem: entre abril e maio, os dois primeiros meses do novo ano fiscal, tivemos um crescimento de dois dígitos nas vendas comparáveis, até mesmo em França, apesar do contexto difícil do país. Isto confirma que os produtos, posicionamento e organização que temos implementado para melhorar o potencial extraordinário da marca estão a surtir efeito", declarou Marco Palmieri, presidente e diretor-geral do grupo Piquadro.

"Em 2019, planeamos abrir duas lojas Lancel na Ásia e uma em França, além de duas lojas Piquadro, uma delas provavelmente em Bari, Itália. Para a The Bridge, apresentaremos um novo formato de retalho no outono", acrescentou. Para o ano fiscal atual, o grupo Piquadro espera superar os 160 milhões de euros em volume de negócios e retomar os valores positivos de Ebitda. Para a próxima assembleia, marcada para 25 de julho, o conselho de administração irá propor a distribuição de um dividendo de 0,08 euros por ação, para um total de quatro milhões de euros.

Copyright © 2019 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.