Levi Strauss anuncia crescimento nas vendas, mas prevê desaceleração no segundo semestre

A Levi Strauss & Co informou na terça-feira (9) que o seu crescimento nas vendas irá desacelerar no segundo semestre do ano devido, em parte, ao enfraquecimento do seu negócio de atacado. Além disso, o seu ano fiscal irá encerrar imediatamente antes da Black Friday. Como resultado, após o anúncio as ações da empresa americana caíram 6%.


A Levi's registou um crescimento de 6% no primeiro semestre do ano - Levi Strauss

Para o ano inteiro, a empresa previa um crescimento de 5% a 7% nas vendas, após registar um aumento de 6% no primeiro semestre do ano. "As novas previsões sugerem que o segundo semestre do ano será menos dinâmico do que o primeiro", declarou Chip Bergh, CEO da Levi’s, à Reuters.

A companhia espera uma diminuição de 100 pontos-base na receita, já que não poderá incluir os números da Black Friday nos seus resultados anuais. A Black Friday é um dos dias de maiores vendas nos Estados Unidos, mas acontecerá cinco dias após o encerramento do ano fiscal de Levi’s, a 24 de novembro.

Chip Bergh também informou que o contínuo enfraquecimento no retalho está a afetar as suas operações de atacado nos Estados Unidos, que experimentaram uma desaceleração de 2%. As vendas no atacado representam um terço das vendas totais da Levi's. "Não mudámos de ideias: as operações de atacado nos Estados Unidos vão passar por um desafio no segundo semestre do ano devido às falências, fechos de lojas e à cautela dos clientes com os seus gastos com roupa", disse Chip Bergh.

Para combater o enfraquecimento do seu negócio de atacado, a empresa investiu  no seu canal de comércio eletrónico e lojas a retalho, ao mesmo tempo que reforçou a sua presença em mercados em expansão, como China, Índia e Brasil. Esses esforços levaram ao aumento das vendas em todos os segmentos no segundo trimestre, com notável crescimento nas segmentos feminino (+16%) e tops (+14%). O festival Coachella também ajudou a impulsionar a demanda pelos seus calções, de acordo com a empresa.

As vendas da filial chinesa aumentaram 3%, mas a Levi's disse que a empresa está "longe dos seus máximo" e ainda tem "um potencial significativo de crescimento" nesse mercado. As despesas com vendas, gerais e administrativas aumentaram aproximadamente 7%, para 638 milhões de dólares, principalmente devido às maiores despesas com propaganda e marketing.

O lucro líquido atribuível à empresa caiu para 28,2 milhões de dólares, face a 74,9 milhões de dólares no ano anterior, principalmente devido aos custos relacionados ao seu primeiro IPO, que aconteceu durante o ano fiscal.

Excluindo itens não recorrentes, a empresa ganhou 17 cêntimos por ação, superando as expectativas dos analistas de 13 cêntimos, enquanto a receita líquida subiu 5%, para 1,30 mil milhões de dólares, superando também as previsões. O preço das ações da empresa caiu 6% para 22,20 dólares, mas aumentou quase 40% desde o IPO da empresa, em março deste ano.

Traduzido por Novello Dariella

© Thomson Reuters 2019 All rights reserved.

Moda - Pronto-a-vestirDenimNegócios
SUBSCREVA A NOSSA NEWSLETTER