×
371
Fashion Jobs
keyboard_arrow_left
keyboard_arrow_right

Loewe: manter o trabalho artesanal "cool" e cinético

Traduzido por
Novello Dariella
Publicado em
today 28 de set de 2018
Tempo de leitura
access_time 3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

A marca espanhola Loewe apresentou mais um desfile memorável assinado pelo diretor criativo norte-irlandês Jonathan Anderson.


Loewe - primavera-verão 2019 - Moda Feminina - Paris© PixelFormula - © PixelFormula


Apresentado, como de costume, dentro da UNESCO, o espaço dividiu-se em meia dúzia de divisões. Nomeadamente, uma galeria de arte ao estilo do início dos anos 60 em Londres, onde as pessoas têm um fio condutor... desfrutando da ideia de criar e experimentar, explicou Anderson.
 
Uma coleção cinética, na qual quase todos os looks tinham fragmentos, cordas e franjas pendurados, enquanto penas brotavam dos tornozelos, pulsos e ombros. E, estranhamente para um Ulsterman, meia dúzia de combinações de penas em verde, branco e laranja, as cores da bandeira irlandesa. As modelos desfilaram perto de uma escultura do artista italiano Lara Favarett, de duas escovas de lavagem de carros de grandes dimensões, que giravam sobre placas de metal. Um exemplo perfeito da arte cinética, que começou na década de 20 e ressurgiu nos anos 60.

Cada espaço era diferente, refletindo a falta de um tema único nas roupas. Uma das salas continha 35 gira-discos da Dansette e um Adonis loiro e bronzeado de calças de marinheiro brancas e sem camisa passeava a tocar álbuns como um DJ do Blow Up. Cada espaço incluía várias versões de cestos em forma de concha, feitos de madeira de faia, pinha e varas de salgueiro, transformados em moluscos feitos à mão pelo irlandês Joe Hogan. Estes também ajudaram a inspirar uma ótima nova linha de carteiras.


Loewe - primavera-verão 2019 - Moda Feminina- Paris - © PixelFormula


Carteiras em forma de concha em pele de cobra e alça bege; totes de palha de grandes dimensões com o logótipo da Loewe em couro e algumas malas enormes em tonalidades primárias. A coleção foi marcante. De pijamas de seda esvoaçantes na cor azul com plumas, a vestidos mouriscos compostos por enormes extensões de camurça, ou um extraordinário vestido assimétrico de retalhos horizontais às riscas. Tudo ancorado por uma bela série de botas envoltas em laços e fivelas feitas na camurça áspera tons terra que Anderson transformou no material de culto da Loewe.
 
"Totens num espaço cinético. O trabalho artesanal é um dos ADNs desta marca. Não creio que devamos ser impacientes e irmos aqui e acolá. Para mim, é uma marca de couro e trabalhei muito para levar as malas ao nível que deveriam ter”, disse Anderson no backstage.
 
“Roupas com movimento, fluindo de lado para o outro, como alguém a correr atrás de um autocarro, ou atingido por um choque elétrico. Uma celebração do belo e sensual”, concluiu o irlandês do norte, cujo convite foi uma imagem desbotada do túmulo do mais famoso irlandês exilado em Paris, Oscar Wilde. Coberto de marcas de beijos em vermelho.
 
A arte de Favaretto é considerada como um comentário sobre o custo e a casualidade da vida moderna; a moda de Anderson é exultante nisso.

Copyright © 2019 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.