Lucros da Dr Martens crescem graças ao forte crescimento global

Na segunda-feira, a Dr Martens mostrou-se otimista: "[fizemos] progressos em todas as nossas prioridades estratégicas: a nossa marca regista um crescimento forte e sustentável à escala mundial.”


Dr Martens

Para o conjunto do ano, a marca de calçado apresentou um crescimento de dois dígitos no volume de negócios e no lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização em todos os seus mercados, com a região Europa/África/Médio Oriente com um "desempenho muito forte". Em suma, a empresa alcançou "progressos significativos na realização das suas prioridades estratégicas, particularmente no crescimento dos seus canais de distribuição direta aos consumidores".
 
E quanto aos números em si? O volume de negócios aumentou 20% para 348,6 milhões de libras (394,5 milhões de euros), com um bom crescimento em todos os canais, e o volume de negócios da vendas a retalho “like for like” aumentou 7% a taxas de câmbio constantes. O lucro com base no lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização aumentou 33% para 50 milhões de libras (56,6 milhões de euros), com uma margem de 14,3%, um aumento de 1,4 pontos base.

As vendas diretas ao consumidor aumentaram 26% para 140,7 milhões de libras (159,3 milhões de euros), o volume de negócios do comércio a retalho aumentou 23%, para 97,1%. milhões de libras (109,9 milhões de euros), o volume de negócios do e-commerce subiu 35% para 43,6 milhões de libras (49,4 milhões de euros) e o do comércio por atacado aumentou 16% para 207,9 milhões de libras (235,5 milhões de euros).
 
As vendas diretas ao consumidor representam agora 40% do volume de negócios total da Dr Martens, face aos 38% em 2017.
 
Embora o aumento de 7% do volume de negócios do comércio a retalho “like for like” a taxas de câmbio constantes possa parecer relativamente modesto em comparação com alguns destes números, no contexto atual trata-se de uma progressão impressionante; para a empresa britânica, demonstra a eficácia do seu "compromisso com o consumidor na base de lojas existente".

Não é, portanto, surpreendente que a empresa esteja empenhada em continuar a investir na sua própria rede de venda a retalho, com 25 aberturas de lojas durante o exercício, em "locais-chave", incluindo nove no Reino Unido.
 
Mas, a Dr Martens abriu igualmente sete na Europa continental, três em Nova Iorque e três no Japão, em paralelo com o relançamento da marca na China no ano passado, com a celebração de novas parcerias. Este foco nos mercados internacionais deu frutos: "todas as regiões registaram aumentos de dois dígitos nas vendas e no lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização". A empresa declarou que "o desempenho na região Europa/África/Médio Oriente foi excelente, com vendas em alta de 32% para 155,9 milhões de libras (176,6 milhões de euros) e um lucro antes juros, impostos, depreciação e amortização com um progressão de 45% para 24,9 milhões de libras (28,2 milhões de euros)".

Quanto ao aumento das vendas por atacado, este resulta “de uma concentração acrescida em parceiros de maior dimensão e mais adequados".
 
O presidente da empresa, Paul Mason, elogia "um ano fantástico" e declara que "no contexto de incerteza macroeconómica que afeta alguns dos nossos principais mercados, [estes resultados] refletem a força da nossa marca, do nosso legado, a qualidade da nossa oferta de produtos e a execução eficaz da nossa estratégia. "

Mason acrescenta que existe "ainda uma margem de crescimento significativa nos nossos mercados, especialmente através dos nossos canais de distribuição diretos ao consumidor, que continuarão a ser uma prioridade estratégica nos próximos anos".
 
O CEO Kenny Wilson acrescentou que os seus primeiros meses na empresa "foram muito inspiradores”. “Temos uma cultura corporativa impressionante e as oportunidades de crescimento são importantes."

Traduzido por Estela Ataíde

Copyright © 2019 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.

Moda - CalçadosNegócios
SUBSCREVA A NOSSA NEWSLETTER