×
372
Fashion Jobs
TIFFOSI
Comprador de Moda (m/f)
Efetivo · Porto
TIFFOSI
Area Manager (m/f)
Efetivo · Faro
ADIDAS
Buyer - German Speaker (m/f)
Efetivo · Porto
JD SPORT
Stock Financial Controller
Efetivo · Alicante
JD SPORT
Demand Planner
Efetivo · Alicante
CONFIDENCIAL
Senior Sales Assistant
Efetivo · LISBOA
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Dolce Vita Tejo (Ubbo) - a Tua Melhor Versão
Efetivo · Amadora
H&M
Department Manager Lisboa
Efetivo · Lisboa
RALPH LAUREN
Sales Associate Part Time/ Vendedor de Loja (Part Time)
Efetivo · Modivas
RALPH LAUREN
Sales Associate Part Time / Vendedor de Loja (Part Time)
Efetivo · Modivas
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Évora Plaza - a Tua Melhor Versão
Efetivo · Évora
TIFFOSI
Store Manager/ Gerente de Loja
Efetivo · Beja
HUGO BOSS
Sales Associate Hugo Boss Centro Comercial Lisboa (f/m)
Efetivo · Lisbon
HUGO BOSS
Sales Associate Hugo Boss Centro Comercial Lisboa (f/m)
Efetivo · Lisbon
LEVI'S
Part-Time 20h Levi Strauss Eci
Efetivo · Vila Nova de Gaia
SALSA
Digital Marketing Assistant – Suporte Aos Canais Paid Marketing, Newsletters e Redes Sociais
Efetivo · Vila Nova de Famalicão
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Fórum Coimbra - a Tua Melhor Versão
Efetivo · Coimbra
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Nosso Shopping - a Tua Melhor Versão
Efetivo · Vila Real
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Porto Centro - a Tua Melhor Versão
Efetivo · Porto
SALSA
Trade Marketing Assistant – Suporte Aos Canais Wholesale & Department Store
Efetivo · Vila Nova de Famalicão
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Fórum Algarve - a Tua Melhor Versão
Efetivo · Faro
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Vila do Conde Fashion Outlet - a Tua Melhor Versão
Efetivo · Vila do Conde
Por
Portugal Textil
Publicado em
1 de jun de 2017
Tempo de leitura
3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Luxo surpreende tudo e todos

Por
Portugal Textil
Publicado em
1 de jun de 2017

Em 2017, a receita total do sector, que inclui relojoaria, joalharia, vestuário, calçado e artigos de couro, vai atingir entre os 254 e os 259 mil milhões de euros em vendas, face aos 249 mil milhões de euros em 2016, segundo um estudo conjunto da consultora Bain & Co e da associação da indústria de luxo italiana Altagamma.


O sector de bens de luxo sofreu nos últimos anos com a quebra nos turistas que visitavam a Europa, depois de uma vaga de ataques terroristas ter espalhado o medo no Velho Continente; com a desaceleração dos negócios em Hong Kong e com a quebra da procura na China.

Em outubro último, a Bain previu um crescimento de 1% a 2% para 2017, mas a indústria do luxo conseguiu crescer 4% no primeiro trimestre de 2017.

«Depois de um 2016 difícil, o primeiro trimestre de 2017 trouxe algum alívio para a indústria do luxo. O repatriamento contínuo do consumo chinês, bem como uma perspetiva positiva na Europa, tanto para os locais como para os turistas, vão ajudar a impulsionar o crescimento do mercado global durante o resto do ano», antevê Claudia D’Arpizio, sócia da Bain e principal autora do estudo, em declarações à Reuters.

A Bain não cita empresas concretas, mas no primeiro trimestre de 2017, os gigantes do luxo LVMH, Kering e Hermès anunciaram bons resultados.

«É um crescimento mais saudável, pelo que atualizámos a nossa previsão para este ano. Alguns dos atores que estão a sair-se bem estão realmente a superar-se», acescenta Federica Levato, outra das autoras do relatório.

Europa no topo

A Europa, que está a começar a assistir ao regresso dos turistas, deve ser o mercado de bens de luxo de mais rápido crescimento este ano, com um incremento de vendas de 7% a 9%.

Espanha, vista como um destino relativamente seguro, e Grã-Bretanha, agora mais acessível aos turistas depois da recessão pós-Brexit ter afetado a libra, destacam-se no mapa europeu, enquanto a China continental apresenta um crescimento de 6% a 8%.

Ainda assim, a Bain prevê que as vendas na Ásia possam encolher 2% a 4% em 2017. Hong Kong, Macau e Singapura estão em recuperação, mas Taiwan e o Sudeste Asiático enfrentam uma queda no número de turistas da China e da Coreia do Sul, enquanto o Japão estagnou.

Os EUA, o maior mercado de artigos de luxo, deverão também apresentar uma performance mais frágil, com o dólar forte e a incerteza sobre as políticas do presidente Donald Trump a fomentarem um ambiente desafiante, segundo o relatório da Bain.

Nos próximos anos, o mercado de luxo deverá continuar a expandir-se a uma taxa média anual de 3% a 4% para atingir entre 280 e 290 mil milhões de euros em vendas até 2020, impulsionadas por uma crescente classe média chinesa e por uma recuperação em mercados mais maduros.

Em 2025, os elementos da geração do milénio e da geração Z representarão 45% do consumo geral de luxo, com os consumidores asiáticos a constituirem mais da metade, acrescenta o estudo.

Copyright © 2021 Portugal Têxtil. Todos os direitos reservados.