×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
26 de jul. de 2021
Tempo de leitura
8 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

Luxo: um mercado italiano em plena reconstrução

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
26 de jul. de 2021

As consequências da pandemia de COVID-19 estão a abalar a indústria do luxo em geral e a italiana em particular. Após a revisão da sua distribuição devido ao encerramento de lojas e à cessação da sua produção, as maisons foram forçadas em 2020 a repensar o seu modelo, acelerando o desenvolvimento digital e sustentável com, no final do dia, investimentos importantes. Muitos não tiveram outra escolha senão abrir-se aos investidores ou a novos parceiros, como evidenciado pela enxurrada de negócios anunciados nos últimos meses. Como a Etro, que acaba de vender 60% do seu capital à L Catterton, a Ermenegildo Zegna, que se prepara para entrar na bolsa de Nova Iorque, ou a LVMH, que na terça-feira (20 de julho) adquiriu uma participação maioritária na Off-White, após ter adquirido 100% da Emilio Pucci no mês passado.


Campanha Etro para a primavera-verão 2021 - etro.com


As operações multiplicaram-se no mercado italiano porque o seu tecido industrial ainda é rico em pepitas, bem como de médias a grandes empresas – as famosas multinacionais de bolso – ainda propriedade das famílias fundadoras. Já para não falar do poder de atração que Itália exerce mais do que nunca num mercado de luxo sedento de marcas históricas e autênticas. Ao mesmo tempo, os rótulos mais frágeis, que sofreram muito com a pandemia, tiveram de recorrer a auxílios estatais. A Corneliani, por exemplo, evitou a falência no início do ano graças a um investimento do seu acionista Investcorp e do governo italiano. Algumas marcas caíram nas mãos de grupos maiores ou de fundos italianos.

Em dezembro de 2020, a Moncler abriu a dança, adquirindo a Stone Island, insígnia da roupa desportiva transalpina de luxo. No mês seguinte, a maior retalhista de Itália, a OVS, assumiu a marca Stefanel. Em março, foi a vez da holding de Renzo Rosso, a OTB (Only The Brave), anunciar a compra da marca alemã Jil Sander, que já era gerida em Itália pelo Onward Luxury Group.

Ao mesmo tempo, o Made in Italy Fund, o fundo de investimento operado pela empresa de gestão do Quadrivio Group – numa joint-venture com a agência de comunicação Pambianco – assumiu a marca contemporânea de pronto-a-vestir Dondup, cinco meses após a aquisição da marca de roupa de rua de luxo GCDS. Em junho, a empresa chinesa Fosun adquiriu a marca de calçado Sergio Rossi. E, há alguns dias, o retalhista siciliano Giglio.com anunciou a sua intenção de ser admitido à cotação na Bolsa de Milão.

Razões estratégicas e táticas

"Duas razões explicam esta aceleração dos negócios no mercado. A primeira é estratégica. As dificuldades têm aumentado para a indústria. Com a revolução digital, acelerada pela pandemia de COVID-19, o número de frentes em que as empresas têm de gastar explodiu", salientou Luca Solca, analista sénior responsável pelos bens de luxo na Bernstein. "O outro é mais tático. O pico em múltiplos de aquisição foi provavelmente atingido. Após os resultados da primeira metade de 2021, veremos um aumento das estimativas para os anos 2021 e 2022 e uma moderação gradual em múltiplos", continuou.

Em geral, a concorrência aumentou, enquanto que os investimentos se expandiram em termos de distribuição, produto, comunicação, digitalização, cadeia de produção responsável e expansão no estrangeiro, especialmente na China, um mercado chave para o setor. Se 2020 levou as marcas de luxo a reduzir os seus custos, racionalizar os seus processos e limpar os seus balanços a fim de ultrapassar a crise gerada pela pandemia de COVID-19, o ano de 2021 promete ser o da consolidação. Para os grupos mais fortes, que têm sido mais resistentes graças à sua solidez e dívida limitada, este é sem dúvida o momento ideal para fusões e aquisições.


Zegna a ser cotada através de uma SPAC com a holding italiana Investindustrial - © PixelFormula


"De facto, esta efervescência de mercado foi prevista com, por um lado, os gigantes do luxo e as marcas já muito desenvolvidas no mercado digital e, por outro lado, as marcas muito especializadas ou mono produto, bem como as de tamanho médio, que sofreram muito no ano passado. Para recomeçarem e permanecerem competitivos precisam de financiamento e, portanto, de um sócio ou de um fundo de investimento", analisou o advogado Gianluca Ghersini da sociedade de advogados Gianni & Origoni, especializada em fusões e aquisições nos setores do luxo e da moda.

"Entre os predadores estão empresas de private equity, grandes grupos de luxo ou holdings financeiras" (Gianluca Ghersini)



A título de lembrança, o setor transalpino do vestuário têxtil, que inclui 45.000 empresas e emprega 400.000 pessoas, passou de um volume de negócios total de 56 mil milhões de euros em 2019 (dos quais 32,8 mil milhões serão exportados) para 42,6 mil milhões (dos quais 27,5 mil milhões serão exportados) em 2020, segundo estimativas do Sistema Moda Italia (SMI).

"Entre os predadores encontram-se empresas de private equity, grandes grupos de luxo ou holdings financeiras à procura de oportunidades ou marcas que foram bem sucedidas no passado e que precisam de ser relançadas. O COVID-19 apenas acelerou o processo", disse Ghersini. "Vamos assistir a um fenómeno de agregação, porque estas empresas, por si sós e sendo demasiado pequenas, não o podem fazer. Não têm a capacidade de lidar com os custos adicionais gerados pela pandemia. Os fornecedores do setor Made in Italy – muitas vezes altamente especializados numa categoria de produtos – terão de se reunir, alargando a sua gama de serviços com diferentes tipos de produtos complementares. Quanto às empresas que precisam de capital para se relançarem, provavelmente serão compradas", prosseguiu.

Por outras palavras, o mercado da Península está em pleno andamento, especialmente se acrescentarmos as operações realizadas por vários fundos de investimento italianos para além das suas fronteiras. Começando com o Style Capital, que em dezembro de 2020 assumiu uma participação maioritária na marca australiana de pronto-a-vestir feminino Zimmermann. Ao mesmo tempo, a Exor adquiriu o rótulo chinês Shang Xia à Hermès. A holding da família Agnelli – que é não só acionista controladora do grupo fabricante de automóveis Stellantis e Ferrari, mas também do grupo de imprensa The Economist e do clube de futebol Juventus – assumiu uma participação de 24% no capital da famosa marca de sapatos Christian Louboutin, em março passado, por 541 milhões de euros.

Em direção a uma frente comum italiana?

Vários observadores estão prontos a apostar que não vai ficar por aqui. De facto, muitos veem a Exor como potencial agregadora de marcas de luxo. Luca Solca é um deles. "É provável que assistamos à consolidação no mercado de luxo italiano. A Exor parece-me estar interessada em desempenhar este papel", disse. O grupo OTB de Renzo Rosso, já por si um pequeno aglomerado de moda, é também frequentemente mencionado. Depois de terem sido presas de jogadores internacionais, gigantes franceses como a LVMH e Kering ou o fundo do Qatar Mayhoola, proprietário da Valentino, entre outros, ou a americana Michael Kors, que assumiu a Versace em 2018, as maisons italianas parecem agora mais prontas para se unirem. A ideia de integrar realidades diferentes, de preferência complementares ao Made in Italy, numa nova entidade local, já não parece impensável.

"A criação de um grande grupo de luxo italiano ainda me parece muito distante", acrescentou Gianluca Ghersini. "O problema é que o mercado permanece muito fragmentado e especializado. Além disso, os italianos sempre estiveram inclinados a pensar mais em termos industriais do que em termos financeiros, razão pela qual um centro deste tipo nunca viu a luz do dia na Península", explicou, ao mesmo tempo que apontava a especificidade do mercado italiano: "a maioria são empresas familiares, geralmente bem geridas, mas com duas limitações, a do desenvolvimento e a da sucessão. O mercado italiano pode, portanto, oferecer oportunidades muito interessantes porque o setor precisa certamente de capital e de gestores".


Giorgio Armani no centro de uma intensa especulação - Ph SGP


Não é por acaso que os grupos cujos nomes mais circulam atualmente nas asas dos bancos e empresas financeiras são os de Giorgio Armani e Dolce & Gabbana, que ainda estão nas mãos dos seus fundadores e não têm sucessores. A Salvatore Ferragamo, outra empresa familiar e a Brunello Cucinelli, que está cotada na bolsa de valores, estão também a ser mencionadas como potenciais presas.

Mais acordos poderão ser anunciados este verão

Na primavera passada, a Dolce & Gabbana negou uma possível fusão com a Kering, mas disse que estava aberta à adesão a "um projeto italiano maior". Por outro lado, Giorgio Armani admitiu pela primeira vez que era possível para o seu grupo "pensar numa ligação com uma importante empresa italiana", não necessariamente no setor da moda. Sem dar mais pormenores, o designer de 87 anos simplesmente indicou que "um comprador francês não estava a ser considerado". 

Entretanto, a cadeia de produção transalpina começou a reorganizar-se. Em outubro de 2020, os fundos VAM Investments, Fondo Italiano d'Investimento e Italmobiliare deram origem ao Gruppo Florence, apresentando-o como "o primeiro centro de produção de vestuário de luxo em Itália". Em poucos meses, esta nova entidade incorporou quatro fabricantes italianos históricos: Giuntini SpA (roupa exterior e tecidos leves), Ciemmeci Fashion Srl (produtos de couro e pele), Mely's Maglieria Srl (malhas) e Manifatture Cesari (especializada em jersey).

Em 2020, os gestores do Onward Luxury Group – filial de luxo do grupo japonês na Europa – assumiram os ativos da empresa desmantelada para criar a nova entidade High Italian Manufacturing Co., que reúne cinco fabricantes especializados em calçado, malhas, artigos de couro e vestuário, e várias marcas mais pequenas.

Outro exemplo, anteriormente impensável em Itália, é a associação da Prada e Ermenegildo Zegna que, numa parceria sem precedentes, adquiriram cada uma 40% da fábrica de fiação italiana Filati Biagioli Modesto, especializada na produção de caxemira. Numa entrevista recente, Renzo Rosso declarou também que queria fazer aquisições na sua cadeia de abastecimento.

Entre fornecedores e marcas, é provável que o mercado italiano volte a mover-se e a reservar algumas surpresas nas próximas semanas. Há rumores de que serão anunciados dois a três negócios antes das férias de verão.
 

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.