×
362
Fashion Jobs
MINGA LONDON
Ecommerce Manager
Efetivo - CLT · GUIMARÃES
MINGA LONDON
Head of Creative Content / Art Director
Efetivo - CLT · GUIMARÃES
SALSA
IT Retail Systems Specialist – Oportunidade de Suporte e Participação em Projetos de IT
Efetivo - CLT · Vila Nova de Famalicão
GIANNI KAVANAGH
Marketing Director
Efetivo - CLT · BRAGA
SALSA
IT Development Specialist – Oportunidade de Fazer a Diferença no Dia a Dia do Utilizador Final
Efetivo - CLT · Vila Nova de Famalicão
ADIDAS
Sap Fico Tech Consultant (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
TIFFOSI
Area Manager (m/f)
Efetivo - CLT · Faro
ADIDAS
Buyer - German Speaker (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
JD SPORT
Stock Financial Controller
Efetivo - CLT · Alicante
JD SPORT
Demand Planner
Efetivo - CLT · Alicante
TAPESTRY
Sales Associate ii - ce pt Vila do Conde (20-39 Hours)
Efetivo - CLT · Vila do Conde
SALSA
Estágio Curricular - People & Talent
Estágio · Vila Nova de Famalicão
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Estação Viana - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Viana do Castelo
THE KOOPLES
Store Manager
Efetivo - CLT · LISBOA
HUGO BOSS
Sales Associate Hugo Boss Factory Outlet Almancil (f/m)
Efetivo - CLT · Quarteira
HUGO BOSS
Sales Associate Hugo Boss Factory Outlet Almancil (f/m) 1
Efetivo - CLT · Porto
HUGO BOSS
Sales Associate Hugo Boss Factory Outlet Vila do Conde (f/m)
Efetivo - CLT · Porto
HUGO BOSS
Assistant Store Manager Hugo Boss Factory Outlet Vila do Conte (f/m)
Efetivo - CLT · Porto
HUGO BOSS
Assistant Store Manager Hugo Boss Factory Outlet Vila do Conte (f/m)
Efetivo - CLT · Porto
HUGO BOSS
Ales Associate Hugo Boss Factory Outlet Almancil (f/m)
Efetivo - CLT · Quarteira
HUGO BOSS
Sales Associate Boss Store Quinta do Lango (f/m)
Efetivo - CLT · Almancil
HUGO BOSS
Sales Associate Boss Store Quinta do Lago (f/m)
Efetivo - CLT · Almancil
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
26 de jul de 2019
Tempo de leitura
4 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

LVMH dispara no primeiro semestre graças à Dior e à sua estratégia de investimentos

Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
26 de jul de 2019

Ao meio-dia de quinta-feira, o dia seguinte à publicação dos seus resultados semestrais, a LVMH subiu mais de 2,8% na Bolsa de Paris, alcançando a liderança da zona do euro em termos de capitalização de mercado. Depois de ultrapassar o limiar dos 25 mil milhões de euros no volume de negócios e dos 10 mil milhões no seu ramo principal, Moda & Artigos de Couro, cujas vendas aumentaram 21% nos primeiros seis meses do ano (+18% em crescimento orgânico), para 10,4 mil milhões, impulsionadas pelas suas marcas Dior e Louis Vuitton, o número 1 mundial do luxo só pode estar satisfeito.


A Christian Dior levou a sua coleção cruise para Marraquexe - PixelFormula


"O crescimento da Dior foi mais rápido do que o da divisão", indicou o diretor financeiro da LVMH, Jean-Jacques Guiony, durante uma teleconferência com analistas, mencionando também "uma certa melhoria da margem" para a casa, que integrou o grupo em 2017, isto apesar de "um investimento significativo em marketing e vendas". "Há um desejo de investir na marca", sublinhou. Uma nova boutique foi, por exemplo, inaugurada nos Champs-Elysées, em Paris, assumindo o destaque enquanto era finalizada a renovação do endereço histórico da Avenue Montaigne.
 
As coleções de Kim Jones, o novo designer da moda masculina, seduziram, principalmente os seus acessórios, enquanto nas mulheres a linha de carteiras 30 Montaigne foi um grande sucesso. Durante o período, a Christian Dior Couture, cujas vendas estão avaliadas em 2,5 mil milhões de euros pelos analistas, "registou um crescimento excecional em todas as categorias de produtos devido à forte demanda por parte dos clientes em todas as regiões", sublinhou Chris Hollis, diretor da comunicação financeira.

Quanto à Louis Vuitton, a outra locomotiva do grupo, neste primeiro semestre do ano esta "alcança um desempenho notável em todos os seus negócios e em todas as regiões, e mantém um nível excecional de rentabilidade, enquanto dá seguimento à sua política de investimentos sustentados", indica a LVMH.
 
Conforme resumido pelo diretor financeiro, "a dinâmica mundial é muito boa para a maioria das marcas, se não para todas, e para a maioria das áreas geográficas". "Isso aplica-se não só à Louis Vuitton e à Dior, mas também à maioria das outras marcas." Entre as outras marcas citadas pelo seu bom progresso: Loewe, Rimowa, Berluti, Fendi e Loro Piana. Por outro lado, Celine, Kenzo e Givenchy não aparecem na lista.

Ainda assim, em todo o segmento de moda e artigos de couro, a margem operacional caiu 1,1 pontos, para 31,2%, contra 32,3% um ano antes, com um resultado atual de 3,2 mil milhões de euros, uma subida de 17% em relação ao primeiro semestre de 2018. Além do impacto da variação das taxas de câmbio, essa queda deve-se, segundo os dirigentes, à estratégia de fortes investimentos iniciados pelo grupo neste período particularmente positivo, afetando várias marcas "que não estão todas no mesmo estágio de desenvolvimento".
 
"Estamos a investir ativamente em todas as marcas. O marketing está em alta, as despesas estão em alta. Não é uma questão de pressionar as marcas num período positivo. Os investimentos acontecem precisamente quando os negócios estão a correr bem, não apenas para sustentar a dinâmica existente, mas também para fortalecer as marcas para as tornar mais resistentes ao ambiente mundial caso esse ambiente se torne mais difícil", explica Jean-Jacques Guiony.
 
"É certamente a coisa certa a fazer agora, se queremos reforçar ainda mais o valor estratégico do portefólio." A Celine, com a chegada de Hedi Slimane, o lançamento da moda masculina e a implantação de novas lojas, absorveu recursos significativos.
 
O objetivo da LVMH é fortalecer as suas marcas como um todo, porque, como lembra o diretor financeiro, "quanto mais fortes estas são, mais forte é o grupo". Os custos mais elevados desta política de fortes investimentos estão relacionados com o marketing. Em primeiro lugar, porque este permite ter impacto a curto prazo. Depois, porque, no caso de uma desaceleração da conjuntura ou da atividade, os investimentos em marketing podem ser rapidamente reduzidos, ao contrário das despesas associadas ao desenvolvimento de uma rede de vendas, dando maior flexibilidade a cada marca.
 
Além disso, investir em novos projetos é fundamental para o avanço do grupo, como sublinhou o diretor financeiro: "Precisamos de tomar a iniciativa investindo em atividades que, a priori, quando o fazemos podem não parecer óbvias. Acho que esse é um dos elementos que ajudam o grupo a permanecer onde está, sendo um grupo de alto nível, não apenas do ponto de vista das marcas, mas também do ponto de vista estratégico”. À imagem da marca Fenty, criada ex novo com a cantora Rihanna.

"O conceito é, claramente, investir em diferentes marcas que não se parecem necessariamente com o que vimos no passado. Algumas permitir-nos-ão aprender, outras trarão valor. Cabe-nos a nós sermos bons o suficiente para extrair o melhor", conclui Jean-Jacques Guiony.

A LVMH é, acima de tudo, realista, investindo em negócios no momento certo, sendo ágil o suficiente para ajustar as suas estratégias ao contexto mundial e às necessidades do mercado. Sempre avaliando corretamente os seus investimentos e outros riscos e mantendo um certo equilíbrio.

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.