×
358
Fashion Jobs
MINGA LONDON
Ecommerce Manager
Efetivo - CLT · GUIMARÃES
MINGA LONDON
Head of Creative Content / Art Director
Efetivo - CLT · GUIMARÃES
SALSA
IT Retail Systems Specialist – Oportunidade de Suporte e Participação em Projetos de IT
Efetivo - CLT · Vila Nova de Famalicão
GIANNI KAVANAGH
Marketing Director
Efetivo - CLT · BRAGA
SALSA
IT Development Specialist – Oportunidade de Fazer a Diferença no Dia a Dia do Utilizador Final
Efetivo - CLT · Vila Nova de Famalicão
ADIDAS
Sap Fico Tech Consultant (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
TIFFOSI
Area Manager (m/f)
Efetivo - CLT · Faro
ADIDAS
Buyer - German Speaker (m/f)
Efetivo - CLT · Porto
JD SPORT
Stock Financial Controller
Efetivo - CLT · Alicante
JD SPORT
Demand Planner
Efetivo - CLT · Alicante
EL CORTE INGLÉS, GRANDES ARMAZÉNS SA
Vendedores de Moda
Efetivo - CLT · LISBOA
RE/MAX COLLECTION, MAXGROUP
Profissional do Setor de Moda (m/f) Com Vertente Comercial
Estágio · LISBOA
BROWNIE
Sales Advisor
Efetivo - CLT · PORTO
BROWNIE
Sales Advisor
Efetivo - CLT · LISBOA
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - 8ª Avenida - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · São João da Madeira
SALSA
Salsa Vendedor(a) de Loja - Parque Atlântico - a Tua Melhor Versão
Efetivo - CLT · Ponta Delgada
CONFIDENCIAL
Engenheiro(a) de Qualidade Têxtil - Vestuário
Efetivo - CLT · PORTO
SANDRO PORTUGAL
Concession Manager - Lisboa el Corte Ingles h/m
Efetivo - CLT · LISBOA
LION OF PORCHES
Técnico(a) de Qualidade
Efetivo - CLT · VILA DO CONDE
RALPH LAUREN
Sales Associate (Vendedor Loja)
Efetivo - CLT · Alcochete
SANDRO PORTUGAL
16 Hours Sales Assistant Lisbon h/m
Trainee · LISBOA
MINGA LONDON
Stylist
Efetivo - CLT · GUIMARÃES
Por
AFP
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
16 de out de 2020
Tempo de leitura
3 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

LVMH limita erosão das vendas graças ao salto da divisão de Moda e Marroquinaria

Por
AFP
Traduzido por
Estela Ataíde
Publicado em
16 de out de 2020

A líder mundial do luxo LVMH arrecadou 11,955 mil milhões de euros em volume de negócios no terceiro trimestre, superando as expectativas e limitando a erosão causada pela pandemia graças ao dinamismo da sua Divisão de Moda e Marroquinaria.


Carteira do desfile primavera-verão 2020 da marca Louis Vuitton - © PixelFormula


Com as vendas em queda de 7% em termos orgânicos, o grupo "registou no terceiro trimestre uma melhoria significativa nas tendências em relação ao primeiro semestre, nomeadamente o regresso ao crescimento das atividades Cognac e Moda e Marroquinaria", sublinha na quinta-feira num comunicado o grupo de Bernard Arnault.
 
Este volume de negócios é superior ao consenso estabelecido pelas agências Bloomberg e Factset, que previam, respetivamente, 11,698 e 11,397 mil milhões. Em dados publicados, a sua queda é de 10,22%.

Nos primeiros nove meses do ano, a maior capitalização de mercado de França totalizou 30,348 mil milhões de euros em vendas, ou seja, uma queda de 21% (em dados orgânicos e publicados).

“Os sinais encorajadores de recuperação observados em junho em várias atividades do grupo foram confirmados no terceiro trimestre em todas as regiões, em particular nos Estados Unidos e na Ásia, que voltou a crescer nesse período”, acrescenta o grupo no seu comunicado.
 
Por setor de atividade, Moda e Marroquinaria - a sua principal divisão - destacou-se com um salto de 12% em dados orgânicos no terceiro trimestre. Um sucesso cuja origem está principalmente nas performances da Louis Vuitton e da Christian Dior Couture. Ao longo de nove meses, esta divisão acumulou 13,934 mil milhões de euros (-11% em termos orgânicos), a Distribuição Seletiva (Sephora, DFS) 7,176 mil milhões (-31%) e os Vinhos e Bebidas Espirituosas 3,349 mil milhões de euros (-15%).

"Bola de cristal avariada"



Esta publicação “confirma a impressão de um verão sólido para os produtos de luxo” a julgar pelo desempenho registado pela divisão Moda e Marroquinaria da LVMH, apesar da incerteza que reina na Europa em termos de saúde, observou Luca Solca, analista de luxo da Bernstein. A atividade na Ásia continua também a ser uma força motriz, com uma progressão de 13% no crescimento orgânico no terceiro trimestre.
 
No entanto, o grupo evita cair em triunfalismos para o futuro. “Num contexto muito conturbado, marcado por contínuas incertezas económicas e sanitárias, a LVMH continuará a estar vigilante e a reforçar a sua política de controlo de custos e de seletividade dos investimentos”, explica no seu comunicado.

“A bola de cristal está avariada” porque “a situação continua complexa”, ironizou Jean-Jacques Guiony, financeiro do grupo, durante a teleconferência, referindo-se em particular à China, onde a demanda interna é muito positiva, mas onde se mantêm sérias barreiras quanto à possibilidade de fazer compras fora do país.

O grupo permanece, porém, muito discreto sobre a sua disputa com a Tiffany, que levou à rutura do compromisso entre ambos, ainda que a empresa de joalharia tenha surpreendido muitos analistas financeiros na quinta-feira ao publicar resultados de apenas dois meses, rompendo com as tradicionais publicações trimestrais, que apontavam para uma recuperação nas vendas. Recusando-se a comentar, a LVMH lembrou simplesmente que o julgamento se irá realizar a 5 de janeiro perante o Tribunal de Justiça do Delaware.

Copyright © AFP. Todos os direitos reservados. A Reedição ou a retransmissão dos conteúdos desta página está expressamente proibida sem a aprovação escrita da AFP.