×
Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
28 de jul. de 2021
Tempo de leitura
5 Minutos
Partilhar
Fazer download
Fazer download do artigo
Imprimir
Clique aqui para imprimir
Text size
aA+ aA-

LVMH: moda e artigos de couro confirmam o domínio no primeiro semestre

Traduzido por
Helena OSORIO
Publicado em
28 de jul. de 2021

A divisão de moda e artigos de couro da LVMH está em excelente forma no primeiro semestre do ano. O seu peso dentro do grupo do luxo aumentou cinco pontos para 48%. Enquanto a ameaça do COVID-19 ainda paira sobre os diferentes contextos geográficos, as suas vendas saltaram 38% em crescimento orgânico durante os primeiros seis meses do ano, em comparação com o primeiro semestre de 2019, para 13,86 mil milhões de euros (+81% em comparação com o primeiro semestre de 2020), transportados em particular pela Louis Vuitton e Christian Dior. Mas não só.


O homem Louis Vuitton idealizado por Virgil Abloh, com um look para a primavera-verão 2022 - © PixelFormula


A Louis Vuitton está a ter um desempenho notável, estimulado pelo seu impulso criativo e pela busca da excelência artesanal, disse o grupo dedicado ao luxo no seu relatório semestral. A maison emblemática viu as suas vendas aumentarem em todo o lado, incluindo na Europa, onde registou "um crescimento muito bom de mais de 50%", como salientou o diretor financeiro Jean-Jacques Guiony durante uma teleconferência. Este último salientou, em particular, "o imenso talento de Virgil Abloh" (o diretor artístico das coleções masculinas), referindo-se à recente aquisição pela LVMH de 60% da Off-White, a marca do designer americano.

Em especial, salientou a contribuição mais do que benéfica de Virgil Abloh para o grupo, e especialmente para a Louis Vuitton. "A ideia é continuar e reforçar a colaboração entre a Vuitton e Virgil porque tem sido extremamente frutuosa ao longo dos anos. Ajudou-nos a definir um estilo muito preciso e convincente na Vuitton. E penso que o negócio da roupa masculina Vuitton antes dele e com ele é muito diferente e muito melhor hoje", reforçou. Nesta ocasião, soube-se que a LVMH tinha uma opção de compra da Off-White, que expirou a 30 de junho, e daí a recente transação.

A Christian Dior Couture, por seu lado, "teve um semestre brilhante com um crescimento notável em todas as suas categorias de produtos com clientes locais". A maison prepara-se para reabrir a sua histórica loja parisiense na Avenue Montaigne, num formato inovador. Da mesma forma, a sua loja de Nova Iorque na 57th Street será também submetida a uma grande renovação e será entretanto substituída por uma loja pop-up, que acaba de abrir na 5th Avenue (Quinta Avenida).

A Fendi, que também acaba de abrir uma loja emblemática em Nova Iorque na 57th Street, a Celine, a Marc Jacobs e a Loewe também se saíram bem, assim como a Givenchy, "cuja primeira coleção de Matthew Williams, que acaba de chegar às lojas, está a ter um bom começo.

A percentagem de clientes chineses não aumentou



Todas estas marcas viram as suas vendas a continuarem a aumentar na China, registando um crescimento online com os negócios de cada marca.

Como o CFO observou, "embora estejamos a fazer negócios muito, muito bons com clientes chineses, a percentagem de clientes chineses não está a aumentar. Particularmente na Vuitton e na Dior, o crescimento com os chineses é muito forte, mas ainda está de acordo com o crescimento das principais marcas. A quota desta clientela é razoavelmente constante em comparação com o ano passado e especialmente com 2019".

Contudo, a procura neste mercado permanece muito forte, e não parece ter sido afetada por um regresso à normalidade pré-pandémica. Ainda de acordo com o CFO da LVMH, os chineses não mudaram o seu comportamento. Continuam a comprar tantos bens de luxo, sem se voltarem para gastos mais "experimentais" (restaurantes, wellness, viagens, etc.).


Christian Dior, um look do último desfile de Alta Costura - © PixelFormula


Se os EUA continuam a afirmar-se como um mercado em muito forte crescimento, a surpresa vem da Europa, onde a LVMH tem visto "bons progressos com os clientes locais. São ainda insuficientes para compensar a queda na atividade turística que temos experimentado na Europa, mas no entanto estes avanços são significativos. Isto é muito encorajador porque, pelo menos a curto prazo, os negócios na Europa serão feitos através de clientes locais e não de turistas", observou Jean-Jacques Guiony, sublinhando que "isto permite-nos manter as nossas lojas ocupadas durante este período, apesar da falta de turistas, o que é extremamente importante".

Em pormenor, França ainda está atrasada devido a um último confinamento que foi "um pouco mais severo" do que noutros lugares, e sobretudo devido à sua maior exposição aos fluxos turísticos. Em menor medida, Espanha, Itália e Portugal estão um pouco atrasados em relação aos países mais setentrionais, que se encontram muito menos dependentes dos turistas e mais dos clientes locais, que se estão a sair bastante bem, afirmou o gestor.

Quanto às redes de venda, a LVMH ainda não recuperou a extensão de tráfego que costumava alcançar no seu canal de retalho. "As taxas de conversão podem ser mais elevadas, mas o tráfego ainda não está lá. Inversamente, no comércio eletrónico, temos visto um crescimento muito forte, um crescimento realmente forte". Sobre este ponto, Jean-Jacques Guiony especifica que o grupo não prevê a comercialização dos seus produtos de moda e marroquinaria em plataformas de terceiros.

Uma margem de exploração atual de mais de 40%



Em termos de rentabilidade, o rendimento operacional atual da divisão de moda e artigos de couro foi de 5,66 mil milhões de euros, mais 74% em comparação com a primeira metade de 2019. Mostra uma margem de exploração atual de 40,8%. Esta última tinha caído para 22,1% no primeiro semestre de 2020, antes de subir para 33,9% a 31 de dezembro. "Tivemos melhorias significativas, particularmente na Dior, mas não só. Em particular, marcas como a Fendi, Marc Jacobs e Celine, para citar apenas algumas, melhoraram consideravelmente as suas margens e são cerca de 20%, o que é francamente um feito", disse.

O objetivo é manter o nível de margens, aumentando ao mesmo tempo os investimentos no segundo semestre do ano "para alimentar as estratégias de marketing e distribuição que pretendemos desenvolver", concluiu o diretor financeiro, observando ao mesmo tempo que certos custos, que tinham sido reduzidos pela pandemia, tais como as rendas das lojas, voltaram a surgir.
 

Copyright © 2021 FashionNetwork.com. Todos os direitos reservados.